Ciclos eleitorais influenciam a destruição de Atl

imagem: Estudo analisou dados do período 1991-2014 e revelou que o desmatamento aumentou nos anos eleitorais
visualizar mais

Crédito: Simone Vieira / Programa BIOTA-FAPESP

Estudo realizado na Universidade de São Paulo (USP), Brasil, relatado em artigo Publicados No diario Cartas de Conservação, mostra que a destruição da Mata Atlântica aumenta em anos eleitorais.

Os pesquisadores correlacionaram dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e MapBiomas, Projeto Brasileiro de Mapeamento Anual do Uso e Ocupação do Solo, para 2.253 municípios das regiões Sul e Sudeste que abrange o período 1991-2014. Eles descobriram que, em média, 3.652 hectares adicionais de Mata Atlântica foram limpos por ano em anos eleitorais federais e estaduais do que em anos não eleitorais. O aumento médio nos anos de eleições municipais foi de 4.409 hectares.

Eles também detectaram uma tendência de queda nos aumentos cíclicos do desmatamento devido a iniciativas de políticas que alavancaram o capital natural em troca de votos. “O fenômeno foi mais intenso no passado e tem diminuído ao longo do tempo, possivelmente porque com o amadurecimento das democracias, a cobertura do problema pela mídia melhora e, como os eleitores entendem melhor, tendem a não recompensar os políticos que se comportam de forma oportunista”. Patricia Ruggiero, primeiro autor do artigo, disse.

O estudo fez parte da pesquisa de doutorado de Ruggiero para o Departamento de Ecologia da universidade, que o premiou como melhor tese sobre o assunto, e foi realizado no âmbito do Programa FAPESP de Pesquisa em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável de Biodiversidade (BIOTA-FAPESP) Foi financiado pela FAPESP por meio de quatro projetos (13 / 23457-6, 15 / 16587-6, 17 / 20245-9 e 14 / 11676-8) Também contou com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), do Ministério da Educação do Brasil, e da Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos (NSF).

“O desmatamento é geralmente considerado como sendo causado por fatores econômicos e sociais. Nosso estudo inova ao mostrar que alianças e motivações políticas também afetam o desmatamento, mesmo em regiões com rígida regulamentação ambiental. Em outras palavras, os recursos naturais estão sujeitos à manipulação cíclica. O estudo destaca um fenômeno bem conhecido na economia política, mas que os pesquisadores conservacionistas até agora não perceberam ”, disse Ruggiero.

Com base na análise dos dados, os autores do artigo destacam a necessidade de limitar os efeitos dos ciclos eleitorais em termos de “comportamentos oportunistas que afetam os recursos naturais e o meio ambiente com implicações para a biodiversidade, armazenamento de carbono e outros serviços ecossistêmicos”.

“O desmatamento está frequentemente associado a grandes empreendimentos hidrelétricos e à expansão da agricultura, mas também está vinculado a negociações políticas. Nesse caso, o desmatamento favorece determinados grupos de eleitores e impacta negativamente a sociedade como um todo. No Brasil, há também o fato de as eleições serem realizadas a cada dois anos, então o desmatamento tende a aumentar a cada dois anos ”, afirmou. Jean Paul Metzger, professor titular do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e membro do comitê gestor do BIOTA-FAPESP.

O aumento nos anos eleitorais pode parecer pequeno, mas seu efeito de longo prazo é preocupante, de acordo com Metzger. “Representa 3% da destruição anual da Mata Atlântica nas regiões Sul e Sudeste, que soma cerca de 136 mil hectares, mas a restauração de 4 mil hectares de Mata Atlântica exige um grande esforço”, disse.

Para Ruggiero, o aumento da pressão do desmatamento a cada dois anos pode cancelar os efeitos de avanços importantes. “Programas como o pagamento por serviços ambientais, por exemplo, exigem capacidade técnica, financiamento e redes políticas. As iniciativas e esforços da sociedade são direcionados para a obtenção de benefícios ambientais, que podem desaparecer por motivos políticos em um ou dois anos eleitorais ”, disse Ruggiero.

Fortalecimento da democracia reduz desmatamento

Segundo Ruggiero, pesquisas realizadas em outros países apontam para uma correlação entre o amadurecimento democrático e a redução das ondas de desmatamento observadas nos anos eleitorais. “É muito cedo para confirmar que esta foi a causa aqui. Isso é algo que pretendemos investigar ”, disse ele. “Mas sabemos que no período que analisamos houve uma melhora na governança ambiental e na consciência social dos problemas ambientais relacionados à Mata Atlântica, e que um certo patamar foi atingido, no sentido de que há menos área a ser desmatada. Em geral, a proteção foi aprimorada. Uma lei que protege a Mata Atlântica está em vigor desde 2006 e a sociedade exige com mais vigor a conservação dessas áreas ”.

O ano de 2014 foi marcado pelo aumento inicial do desmatamento em todos os biomas, seguido de novos aumentos nos anos subsequentes, com pico em 2020. “O que está acontecendo agora vai além desse fenômeno cíclico vinculado às eleições. Se eu tivesse que fazer uma hipótese, seria que o gatilho é um sinal positivo para os responsáveis ​​pelo desmatamento tanto no discurso político quanto nas mudanças feitas na legislação e nas instituições ”, Ruggiero.

Capital natural como moeda de troca

O estudo mostrou que as alianças eleitorais também influenciaram esses ciclos. Quando os candidatos fizeram fila nas eleições federais e estaduais, o desmatamento aumentou muito mais nos municípios que já estavam sob forte pressão para desmatar. Municípios com menos pressão para desmatar foram mais influenciados pelas eleições locais.

“As eleições criam um clima em que esse comportamento é encorajado”, disse Ruggiero. “Os candidatos precisam ganhar votos e tendem a não propor ou implementar medidas impopulares com a aproximação das eleições. Outro aspecto é a arrecadação de fundos para as campanhas. As campanhas sempre foram muito demoradas no Brasil ”.

Em pesquisas futuras, os autores testarão três possíveis explicações para o aumento do desmatamento em anos eleitorais. O primeiro é uma redução deliberada na aplicação de leis de proteção ambiental para que os eleitores em potencial possam expandir suas atividades econômicas. “Pesquisas feitas por cientistas políticos evidenciaram a tendência de medidas impopulares serem tomadas mais cedo ou mais tarde durante o mandato de um líder político, e vice-versa para medidas populares, especialmente quando se busca a reeleição”. Disse Metzger.

Outro fator pode ser o aumento das licenças ambientais para entidades que praticam o desmatamento. “Mais licenças podem ser concedidas para setores específicos de desmatamento de áreas florestais, como grandes construtoras. Empréstimos agrícolas subsidiados podem ser outro fator ”, sugeriu.

Mudar a percepção de quem destrói a floresta também pode ser uma explicação. “Não devemos descartar a possibilidade de que proprietários de terras e outras pessoas que usam a terra acreditem que políticos e agências governamentais estão preocupados com suas campanhas para ganhar votos em ano eleitoral e ver a oportunidade de derrubar a floresta”, disse Metzger.

Além de testar essas hipóteses, o grupo planeja realizar estudos semelhantes em todos os biomas brasileiros e investigar a ligação entre eleições e desmatamento nas áreas de Mata Atlântica localizadas na região Nordeste.


You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *