Cientistas descobrem de onde vêm as maiores pedras de Stonehenge

Stonehenge, um ícone da pré-história europeia que atrai mais de um milhão de visitantes por ano, raramente é notícia. Surpreendentemente, ainda existem muitas coisas que não sabemos sobre este site. Encontrar as fontes das pedras usadas para construir o monumento é uma questão fundamental que afeta antiquários e arqueólogos há mais de quatro séculos.

Nossa equipe interdisciplinar, que incluiu pesquisadores de quatro universidades do Reino Unido (Brighton, Bournemouth, Reading e UCL) e English Heritage, usou uma nova abordagem geoquímica para examinar as grandes pedras “sarsen” em Stonehenge. Nossos resultados confirmam que a vizinha Marlborough Downs era a região de origem dos sarsens, mas também identifica uma área específica como o local mais provável onde as pedras foram obtidas.

Dois tipos principais de pedra estão presentes no Stonehenge: arenito duro para a estrutura maciça de pedras verticais cobertas por lintéis horizontais; e uma mistura de rochas ardentes e arenitos conhecidos coletivamente como “pedras azuis” para os menores elementos na área central.

Leia também: Um grande círculo pré-histórico é encontrado perto de Stonehenge

Dentro do círculo severo. Crédito: James Davies / English Heritage
Alinhamentos astronômicos

Pesquisas na década passada confirmaram que pedras azuis ígneas foram trazidas para Stonehenge a partir das Colinas Preseli em Pembrokeshire, a mais de 200 quilômetros a oeste. Os arenitos datam de East Wales, embora os afloramentos exatos ainda não tenham sido encontrados. No entanto, as origens das pedras sarsen têm sido, até agora, um mistério.

Stonehenge é um monumento complicado e duradouro, construído em cinco fases principais. O primeiro, datado de 3000 aC, compreendia uma área circular de aproximadamente 100 metros de diâmetro, delimitada por uma bancada e uma vala externa. Dentro havia várias estruturas de pedra e madeira e numerosos enterros de cremação.

As estruturas agora visíveis de Sarsen foram erguidas por volta de 2500 aC. C. e compreendeu cinco trilitas (estruturas em forma de porta formada por duas colunas verticais unidas por um lintel) cercadas por um círculo de mais de 30 colunas verticais conectadas por lintéis. Os trilitas estavam dispostos em forma de ferradura, com o eixo principal alinhado com o sol nascente do solstício de verão no nordeste e o sol poente no meio do inverno para o sudoeste.

Encontre a fonte

A sabedoria convencional sustenta que os sarsens foram levados para Stonehenge a partir de Marlborough Downs, cerca de 48 quilômetros ao norte, a área mais próxima com dispersões substanciais de grandes rochas sarsen. No entanto, os Marlborough Downs são extensos e é necessária mais precisão para entender como as pessoas pré-históricas usavam a paisagem e seus recursos.

Nossa pesquisa identificou o que pode ser chamado de “impressão digital geoquímica” do Stonehenge sarsens. Começamos analisando a geoquímica dos 52 sarsens restantes em Stonehenge (28 estão ausentes dos originais, que foram removidos há muito tempo).

Esta fase do trabalho envolveu o uso de uma tecnologia não destrutiva chamada espectrometria de fluorescência de raios-X portátil (PXRF). A análise do PXRF exigia acesso ao monumento quando fechado aos visitantes e incluía vários turnos noturnos e um no início da manhã para analisar as pedras de lintel de uma torre móvel de andaimes. Coletar dados nunca é fácil!

A maioria dos sarsens tinha a mesma assinatura química. Crédito: Cortesia de David Nash, Universidade de Brighton.

A análise dos dados de PXRF mostrou que a geoquímica da maioria das pedras em Stonehenge era altamente consistente, e apenas dois sarsens (pedras 26 e 160) tinham uma assinatura química estatisticamente diferente. Esse foi um resultado interessante, pois sugeria que estávamos procurando uma única fonte principal.

Golpe de sorte

Então veio um grande golpe de sorte. Pudemos analisar três pequenas amostras que foram retiradas de uma das rochas em 1958, a Pedra 58, parte do grupo sarsens com química consistente. O uso de um método conhecido como espectrometria de massa de plasma indutivamente acoplada (ICP-MS) produziu uma impressão digital geoquímica de alta resolução para Stonehenge sarsen. Como todos os bons detetives, agora podemos comparar nossa impressão digital com a de fontes potenciais.

David Nash examina o núcleo do Stone 58. Crédito: Sam Frost / English Heritage

Os blocos Sarsen são amplamente distribuídos no sul da Grã-Bretanha, ao sul de uma linha de Devon a Norfolk. Coletamos pedras de 20 áreas, incluindo seis em Marlborough Downs, e as analisamos usando o ICP-MS.

Comparando a assinatura geoquímica do Stone 58 com os dados resultantes, apenas uma correspondência química direta foi revelada: a área conhecida como West Woods, a sudoeste de Marlborough. Portanto, podemos concluir que a maioria dos sarsens de Stonehenge eram de West Woods.

Nossos resultados não apenas identificam uma fonte específica para a maioria dos sarsens usados ​​para construir o Stonehenge, mas também abrem um debate sobre muitas questões relacionadas. Os pesquisadores sugeriram anteriormente várias rotas pelas quais os sarsens poderiam ter sido transportados para Stonehenge, sem realmente saber de onde vieram.

Stonehenge ainda guarda muitos segredos. Crédito: Andre Pattenden / English Heritage
Gira verificado

Agora, essas rotas podem ser revisadas à medida que apreciamos melhor o esforço de mover rochas até 9 metros e pesando mais de 30 toneladas por cerca de 25 quilômetros na paisagem ondulada da planície de Salisbury. Podemos sentir a dor do povo neolítico que participou desse esforço coletivo e pensar em como eles realizaram uma tarefa tão hercúlea.

Também podemos nos perguntar o que havia de especial no planalto de West Woods e em suas profundezas. Foi simplesmente sua forma e tamanho que atraíram a atenção? Ou havia alguma razão mais profunda enraizada nas crenças e identidades das pessoas que construíram Stonehenge?

Revelar que todas as pedras vêm de uma única fonte principal também é importante e está de acordo com a evidência de que os sarsens foram erguidos ao mesmo tempo. Mas e os dois sarsens cujas impressões digitais diferem da fonte principal? De onde eles vêm? A pesquisa continua e as perguntas continuam chegando.

* David Nash é professor de Geografia Física na Universidade de Brighton (Reino Unido); Timothy Darvill é professor de Arqueologia na Universidade de Bournemouth, Reino Unido.

** Este artigo foi republicado do site A conversa sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ A invasão de vespas assassinas aumenta a tensão com 2020 nos EUA.
+ Anticoagulante reduz a infecção por coronavírus celular em 70%
+ Assintomático: 5 dúvidas sobre quem contrai o vírus e não apresenta sintomas
+ 12 dicas sobre como fazer um jejum intermitente com segurança

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *