Cientistas investigam se a vacina BCG oferece proteção contra o coronavírus | Jornal nacional

Outra vacina, que existe há décadas, também está sendo aplicada a centenas de voluntários para descobrir se ela oferece proteção contra o novo coronavírus.

O BCG é obrigatório no Brasil desde 1976. É indicado para recém-nascidos, mas pode ser tomado até os quatro anos de idade. É gratuito e está disponível no Sistema Único de Saúde.

A maioria dos brasileiros tem essa marca nos braços, a vacina BCG, que protege contra as formas mais graves de tuberculose em crianças até cinco anos de idade.

A vacina está sendo testada em 10.000 profissionais de saúde em várias partes do mundo. No Brasil, será reaplicada no próximo mês com 2.000 voluntários em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Além do Brasil, Austrália, Espanha e Reino Unido, eles fazem parte da pesquisa da Universidade de Melbourne, que conta com o apoio da Organização Mundial da Saúde.

Os testes já entraram na fase três, quando são realizados em seres humanos. No Brasil, eles são coordenados pelo médico e pesquisador de doenças infecciosas da Fiocruz, Júlio Croda: “Essas pessoas serão monitoradas ao longo do ano. Toda semana que ligaremos para essas pessoas, elas deverão informar se não demonstraram nenhum sintoma da Covid. É uma pesquisa quantitativa. , é um ensaio clínico de fase três, que é a última etapa, que avalia se a vacina é adequada ou não para este serviço “.

Pesquisadores australianos desenvolveram estudos existentes que mostram que a vacina BCG é eficaz contra outras infecções respiratórias virais. Agora, eles querem testar se há também alguma forma de proteção contra o Covid.

“Essa é a nossa hipótese, porque induz uma resposta celular muito importante e sabemos que para Covid precisamos de uma resposta celular. Porque tanto a tuberculose quanto a Covid são organismos intracelulares e qualquer vacina que induza muita resposta imunocelular contra organismos intracelulares pode ser eficaz para a Covid. -19 ”, destaca Croda.

O professor Nigel Curtis é um dos responsáveis ​​pela pesquisa na Austrália. Ele explica que os resultados finais podem levar de seis meses a um ano: “Estaremos olhando muito de perto, para ver se podemos descobrir mais cedo”.

Nigel Curtis adverte que, além de não haver evidências de que o BCG seja eficaz contra o Covid, os pesquisadores ainda não sabem quanto tempo mantém o corpo imune a outras doenças respiratórias. Por esse motivo, lembre-se de que não é para sair e tomar a vacina. O importante agora é seguir as regras da distância: “O que é muito importante: faça tudo bem. Distância social, lave as mãos e tudo o mais para se proteger”.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *