Coisas que o vôlei de praia precisa: as resoluções de Tom Feuer, da sanidade do calendário à separação por dentro

Como agente provocador do vôlei de praia, e em nome de todos vocês bons torcedores, tenho algumas resoluções para que o esporte desacelere em 2023:

NORUEGUÊS: Miles Partain e Andy Benesh, por favor, voem para a Noruega por um mês (pelo menos) de treinamento duro e absorva (é na água?) um pouco desse “molho secreto” da família Mol (Anders/Hendrik/Marcus) e Christian Sorum formularam.

ADICIONE SANITIZAÇÃO AO CRONOGRAMA: Não faz sentido ter o Volleyball Tour World Championships, o maior evento de 2022 fora dos Mundiais propriamente ditos, em Doha em janeiro de 2023. O primeiro mês do ano é quando os banhistas devem jogar golfe, descansar um pouco e relaxar com Pacifico ou outra cerveja de sua preferência.

Eu entendo que a NFL e o futebol americano universitário têm seus campeonatos de pós-temporada no próximo ano, mas a diferença é que eles são esportes de outono. O vôlei de praia é um empreendimento de primavera e verão. Torneios significativos devem ocorrer de março até o Dia do Trabalho. Depois disso, muitas pessoas não prestam atenção. É tudo futebol ou futebol o tempo todo, seja do tipo americano ou do tipo da Premier League inglesa. Em 2022, foram 12 torneios do circuito mundial de vôlei que aconteceram após 1º de setembro.

E já que estamos falando nisso, jogar o Mundial 2023 no México, todo mês de outubro, é uma loucura. Os fãs de esportes não estão pensando em vôlei de praia no meio do outono. O Mundial deve ser o ponto culminante de uma temporada com o pico de atletas no final do verão. De meados ao final de agosto é o ponto ideal.

Além disso, deve haver pelo menos metade dos fins de semana nessa janela de março a agosto especificamente projetada para todas as turnês nacionais realizarem seus eventos, incluindo o AVP e outras turnês nacionais/regionais. Isso permite que cada circuito tenha seus melhores jogadores competindo em circuitos nacionais e internacionais, sem canibalização. Uma sincronicidade de calendário, se você quiser. Não faz sentido fazer o contrário. Seja um AVP em Manhattan Beach ou um evento mundial de vôlei em Gstaad e Espinho, todos merecem ter os melhores jogadores frente a frente.

BEIJO: Na década de 1970, o grande lançador de disco John Powell me apresentou ao conceito de Keep It Simple Stupid (KISS). Bem, nos afastamos muito disso no vôlei de praia.

Como os não iniciados podem dizer a diferença entre um torneio Volleyball World Challenge, Futures ou Elite 16? Ou, no caso do AVP, um Pro, Tour ou Gold Series? Em prol de uma resolução que considera simplicidade e clareza, que tal UM TOUR para todos: o Volleyball World Gold e o AVP Gold? Todo mundo entende o que significa a palavra “ouro”. Nem vou entrar na falta de estatísticas significativas que nosso esporte tem devido a todas essas designações e níveis diferentes.

BEIJO, PARTE 2: Que outro esporte tem três conjuntos de cálculos de pontos?

Um para qualificação olímpica, um para qualificação de torneio e uma “qualificação mundial”.

O que, o que?

Apenas um deles realmente precisa estar em jogo, e esse é o ranking mundial. Pode ser usado para semeadura e também para qualificação olímpica.

TRAGA DE VOLTA O MELHOR: Para onde foram todos os bons torneios?

Como poderíamos, como esporte, deixar Klagenfurt ter sido eliminado do calendário? Eu iria rastejando de quatro até a Áustria para ganhar aquele torneio de volta. E Stavanger? Quão divertido seria ver Anders Mol fazer seu backflip na frente de uma multidão de fãs? Ambos os torneios já receberam campeonatos mundiais no passado. Ambos são únicos no DNA internacional do esporte. Por favor, devolva!

Falando em contrastes, em vez disso, nós, torcedores e jogadores, estamos presos em Doha, que já foi palco de quatro eventos nos últimos dois anos, com um quinto programado para o final deste mês. Além do fato de não ser um ponto quente do BVB, o histórico de direitos humanos daquele país, ou a falta dele, é vergonhoso. Além disso, os torneios em Dubai, Omã e África do Sul não são fisicamente fáceis para os jogadores chegarem, e as despesas de jogadores e treinadores para viajar para esses locais remotos são exorbitantes. Existe realmente um “palco” local para o vôlei de praia em Sohar, Omã?

Por qualquer motivo, o Volleyball World realiza torneios no Marrocos, nas Maldivas e nas Filipinas, mas nenhum nos Estados Unidos ou Canadá. Com as Olimpíadas de Los Angeles em menos de seis anos, ele realizaria as finais do World Tour em Manhattan Beach pelos próximos cinco verões. Além disso, incluiria um torneio no Central Park, em Nova York (onde já existem duas quadras em funcionamento) e em South Beach, em Miami, em preparação para a final do Tour.

APRENDA COM AS LENDAS: Deveria ser uma resolução para todas as organizações de “sopa de letrinhas” receber contribuições de todos no espectro do vôlei. Certos ex-jogadores com visão foram condenados ao ostracismo devido às suas opiniões. Especificamente, Kerri Walsh Jennings, uma graduada em Stanford que sabe uma ou duas coisas sobre o esporte. Embora ele possa não ser condenado ao ostracismo por si só, Sinjin Smith esqueceu mais sobre a praia do que qualquer um dos tomadores de decisão jamais saberá.

MOSTRE OBRIGADO: Resolva valorizar o seu promotor local: Seja Volleyball World Tour, AVP, CBVA ou Seaside, se o promotor local não ganhar dinheiro, o esporte não tem eventos e murcha.

DA RÚSSIA COM AMOR: Eu odeio o que a Rússia fez com a Ucrânia. E os russos sempre trapaceiam quando se trata de substâncias psicoativas e juízes (veja as Olimpíadas de Sochi, todos os esportes de 2014, a patinadora artística Kamila Valieva-2022 e quase todos os atletas russos de atletismo). Mas

Não me lembro do último jogador de vôlei de qualquer país que tenha sido denunciado por doping. Portanto, sinto-me dividido quando escrevo que sinto falta de Viacheslav Krasilnikov e Oleg Stoyanovskiy, os atuais medalhistas olímpicos de prata e campeões mundiais de 2019, que não conseguiram defender seu título em Roma no verão passado. Uma equipe muito divertida de assistir. Suas batalhas com Mol e Sorum foram épicas.

INTERRUPÇÃO: Para REALMENTE crescer o esporte de vôlei de praia, ele precisa desesperadamente romper com o broto de sua nave-mãe, a FIVB. O vôlei de praia é um “acessório” da FIVB. É tudo sobre interiores com eles.

Por exemplo, o Conselho de Administração da FIVB tem 36 membros do comitê. A única com algum tipo de experiência em jogos de praia de alto nível é Madelein Meppelink, três vezes atleta olímpica da Holanda. Ela é a última das 36 listadas com um título um tanto desconexo de “membro do Conselho de Administração”.

Dá a você uma janela para o mundo FIVB com foco interno.

Mas fica pior. Desses 36 administradores que governam o vôlei de quadra e de praia globalmente, há representantes dos focos de vôlei de Saint Kitts e Nevis, Peru, Botswana, Ilhas Cook, Escócia, Trinidad e Tobago, Costa do Marfim e Honduras.

Fiquei apenas oito dias no Peru e posso testemunhar que não vi uma única rede de vôlei. E eu estava olhando.

Quantos americanos estão naquele tabuleiro?

Nem.

No entanto, há três brasileiros, incluindo Ary Graça, o presidente.

O Comitê Executivo da FIVB contém 13 membros, mas nenhuma elite de praia e, mais uma vez, nenhum americano. É assim que os Estados Unidos estão se posicionando em um esporte inventado neste país.

É hora do vôlei de praia se separar do “sindicato”.

O tipo de liderança que a praia precisa é jovem, diversificada, vigorosa, de mente aberta e incorruptível. Aqueles administradores egoístas que só fazem isso para ganho pessoal não precisarão se inscrever. O melhor esporte do mundo merece a melhor governança. Não consigo pensar em dois melhores do que Karch Kiraly (depois de Paris 2024, é claro) e Kerri Walsh Jennings (agora!). Também seria ótimo ver Emanuel Rego e Julius Brink servirem (trocadilhos) naquele conselho, além de um representante da família Salgado.

Em outras palavras, é hora de uma festa do chá de vôlei de praia de Boston à moda antiga. Realmente é hora.

2023 SERÁ GRANDE: Não tenho dúvidas. Mesmo que UMA dessas “resoluções” seja adotada, eu ficaria encantado. Encorajo os fãs a se envolverem e deixarem suas vozes serem ouvidas. Vamos todos nos esforçar para tornar o melhor esporte do mundo ainda melhor a partir de 2023.

Anders Mol e Christian Sorum comemoram a conquista do ouro em Tóquio/Ed Chan, VBshots.com

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *