Como a maior fazenda da cobertura do mundo pode afetar a vida da cidade

A “fazenda do telhado” em Paris é o maior projeto de agricultura urbana no telhado do mundo (Valode & Pistre Architectes Atlav AJN)

Quando falamos de cidades inteligentes e melhoramos a qualidade de vida dos cidadãos, vamos muito além do simples uso da tecnologia. Um fator muito importante, especialmente quando falamos de grandes cidades, é a harmonização entre vida urbana e sustentabilidade. E nesse campo, Paris se destacou aqui na Europa por seus projetos ousados. Desde propostas ousadas, como tirar carros da rua, que discutimos em um texto anterior, até apreciar o meio ambiente, muitas coisas aconteceram.

A atual prefeita, Ana Hidalgo, que está terminando seu primeiro mandato este ano, acaba de abrir a maior fazenda urbana coberta do mundo na capital francesa. O projeto reforça a tese de que grandes quantidades de alimentos saudáveis ​​podem ser cultivadas em uma fazenda 100% urbana e, mais ainda, na comunidade. Km 4. Zero na veia! Lembrar?

Sem ignorar a possível redução no custo ambiental (e financeiro) do transporte de alimentos em todo o mundo, o argumento por alimentos mais saudáveis ​​e sustentáveis ​​ganhou muito espaço no continente europeu. A agricultura urbana, que envolve a produção local de alimentos, tem o potencial de mudar radicalmente o futuro desse setor.

O tema da agricultura urbana é tão relevante para a discussão das cidades inteligentes que chegou a obter indicadores relacionados às normas ISO 37122. É o indicador n ° 20.1: percentual do orçamento municipal anual alocado para iniciativas de agricultura urbana. A agricultura urbana também está diretamente relacionada a três Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas:

  • ODS 2: Erradicar a fome, alcançar um nível de segurança e nutrição alimentar aprimoradas e promover a agricultura sustentável.
  • ODS 11: Tornar cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.
  • ODS 12: Garantir padrões de consumo e produção sustentáveis.

Deixe-me apresentar-lhe o conceito e detalhar este ótimo projeto de Paris. Os projetos de agricultura urbana visam trazer mais áreas verdes às cidades usando os telhados dos edifícios para plantar legumes e legumes. A iniciativa também ajuda a reduzir a emissão de poluentes no transporte de produtos de áreas agrícolas remotas para grandes centros.

O governo francês aprovou uma lei em 2015 exigindo que todos os novos telhados comerciais sejam cobertos com painéis solares ou vegetação, o que significa que o país hoje tem dez vezes mais telhados verdes do que a Alemanha, onde o movimento começou. Além de ajudar a melhorar a biodiversidade nos municípios e reter a água da chuva, reduzir o escoamento nas ruas, esse tipo de estrutura também ajuda a tornar os edifícios mais eficientes em termos de energia, afinal, no verão, os telhados têm um efeito de resfriamento e, no inverno, colaborar para manter a temperatura do edifício.

Por meio do projeto Parisculteurs, a cidade de Paris já havia se comprometido com o plantio de 100 hectares de vegetação até o final de 2020, com um terceiro dedicado à agricultura urbana. O projeto nasceu ambicioso, a maior fazenda de terraços do mundo e a maior fazenda urbana da Europa, e foi inaugurado nesta primavera (setembro). E quando todos pensavam que a crise de coronavírus Seria uma boa desculpa para a cidade adiar o lançamento, a grande surpresa chega! A abertura estava marcada para junho! No domingo passado, 28 de junho, para ser mais preciso.

Como alternativa para promover a integração social, os parisienses têm a oportunidade de alugar áreas para ter seus próprios jardins. Existem 135 lotes quadrados disponíveis para aluguel. A reserva do local por um período de um ano dá direito a um pomar, um kit de boas-vindas e um cartão de acesso. O preço do aluguel anual é de 320 euros (aproximadamente R $ 1.920).

A produção será direcionada aos moradores da cidade através de estabelecimentos comerciais locais ou sistemas de caixas de vegetais, uma operação que entrega frutas e vegetais frescos, geralmente cultivados localmente e orgânicos, diretamente ao cliente ou em um ponto de coleta local, que isso reduzirá o deslocamento de produtos de áreas distantes para a cidade.

Com a proposta de não usar pesticidas ou produtos químicos, a fazenda também terá visitas educacionais, oficinas de formação de equipes e eventos. A proposta do projeto é promover a resiliência ambiental e econômica nas cidades do futuro, criando um modelo comercialmente viável que não dependa de boa vontade e subsídios.

A fazenda urbana está localizada no sudoeste de Paris, em cima de um grande centro de exposições. A maior fazenda urbana da Europa tem aproximadamente 14 mil metros quadrados e possui mais de 30 espécies diferentes de plantas que serão cuidadas por cerca de 20 jardineiros que usarão métodos de cultivo totalmente orgânicos. Ao empregar a técnica de agricultura aeropônica vertical, além de não usar pesticidas, o sistema utiliza um ciclo fechado da água para o plantio, eliminando a necessidade de solo. Legal certo?

O projeto é liderado pela empresa Agripolis, que já possui áreas semelhantes em escolas, empresas e hotéis que oferecem comida para estudantes, funcionários e convidados. Por ser um espaço urbano, as instalações também contam com bar e restaurante com vista panorâmica da cidade, com capacidade para 300 pessoas.

O projeto é muito bom, você não acha? Sua cidade já possui projetos de agricultura urbana semelhantes? Então compartilhe conosco.

Um grande abraço e até a próxima semana.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *