Como a tecnologia está moldando o futuro da educação no Brasil e transformando a sala de aula

Como a tecnologia está moldando o futuro da educação no Brasil e transformando a sala de aula

Educar bem é fazer matemática rapidamente, obter notas altas, saber programar, preparar-se para um mercado de trabalho que ainda não existe ou adquirir conhecimento sem fronteiras. Todas essas habilidades podem ser aprimoradas com o uso da tecnologia e, especialmente em quarentena, há muitos estudantes que passam muito tempo em vídeos, vidas, guias de estudo e similares. “Mas não é apenas essa educação que queremos”, diz Vinícius Moisés, CEO da startup Alice Education e especialista em adaptações e inovações de conteúdo educacional. “Os pais devem estar vendo a falta de escola. O desenvolvimento que vem com a socialização é insubstituível.”

Na escola primária 1 (até 10 anos), os especialistas até consideram a interação social como a mais importante. No ensino fundamental 2 e no ensino médio (10 a 17 anos), a escola tradicional é parcialmente substituível em termos do programa de estudos. No topo, os recursos tecnológicos podem ajudar a treinar mais e mais pessoas e superar sérias barreiras de acesso.

“Crianças e jovens precisam de trabalho em grupo, projetos, atividades culturais e sociais, interagir com o ambiente escolar, quebrar barreiras, desenvolver comunidade, respeito e habilidades socioemocionais, como parte da escola e não como um playground. É uma educação abrangente “.
Vinícius Moisés

O escola em casa Involuntariamente, demonstrou que é necessário repensar o ensino e abrir espaço para computadores, dispositivos e até inteligência artificial, robôs e outros recursos que tragam mais conexão com as habilidades do futuro. Mas, desde que a classe seja baseada em um professor que fale e escreva no quadro e em alunos que estudem um livro e façam um exame, os avanços que a tecnologia pode oferecer não serão muito limitados.

A educação do futuro não depende de dispositivos sofisticados ou projetos caros, e definitivamente não vem da migração da sala de aula para o virtual. “A escola precisa repensar a maneira de ensinar, porque é onde preparamos os alunos para a vida. Não se trata de óculos 3D, que são uma força de barra, já que ninguém os usa no mundo real, é sobre práticas pedagógicas. mais modernos, eles têm uma maneira que a tecnologia faz sentido “, diz Günther Mittermayer, especialista em tecnologia da informação e cofundador da rede Escola Mais.

“Os quadros brancos eram uma febre nos anos 2000 e se tornaram um quadro simples. As TVs de classe não atraem mais a atenção dos jovens. Os tablets são ótimos se usados ​​em uma classe ou outra, mas geralmente eles se cansam “.
Victor Sobreira, professor de história e pesquisador do Laboratório de Estudos Medievais da Universidade de São Paulo (USP)

Ele, que dirige projetos criativos de ensino com apoio tecnológico no Colégio Santa Cruz, em São Paulo, argumenta que o objetivo das iniciativas deve ser transmitir aos alunos habilidades como cooperação, pensamento global e comprometimento com os problemas dos alunos. mundo real, independentemente dos dispositivos utilizados.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *