Como as TVs por satélite se tornaram um problema de bilhões de dólares para o 5G no Brasil – 15/06/2020

Antena parabólica é usada em residência de índios da Aldeia Sassoró - Junior Lago/UOL

Operadoras de telecomunicações e empresas de rádio e televisão estão lutando nos bastidores para impedir que o 5G interfira no sinal das antenas parabólicas. A luta continua desde o final de 2018, mas recentemente ganhou contornos mais nítidos.

Após a pandemia inviabilizar os testes de campo propostos pelas empresas de telecomunicações, a Anatel indicou que a solução é insuficiente e já começou a estudar uma maneira de implementar a alternativa sugerida pelas TVs e quanto custará.

As duas opções têm custos que variam de R $ 456 milhões a R $ 7,8 bilhões. Esse dinheiro virá do valor pago na oferta, que diminuirá o valor restante para investir em infraestrutura de banda larga em locais com pouca conexão.

A escolha, portanto, é entre usar dinheiro para expandir a inclusão digital no Brasil ou manter uma operação considerada desatualizada por alguns, que não é um serviço de telecomunicações ou serviço de transmissão. Isso já gera críticas às próprias políticas públicas na agência reguladora.

Supercomputador vs. Máquina de escrever

“É como se estivéssemos condicionando o acesso da sociedade a um supercomputador para proteger as máquinas de escrever. Esse é o ponto. As políticas públicas do governo estão corretas?”, Disse um executivo sênior da agência que se recusou a participar. identificado.

A exigência de que a implementação do 5G proteja a televisão por satélite veio de uma portaria emitida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) em janeiro deste ano. O relatório tenta, sem sucesso, há duas semanas falar com o representante do portfólio sobre o assunto.

Para a Anatel, esse requisito limita a operação do 5G. “Uma restrição, não num sentido pejorativo, mas matemático, foi imposta na portaria que define políticas públicas. A Equação 5G estava condicionada a uma restrição”, disse o presidente da agência, Leonardo Euler de Morais.

Por que antenas parabólicas interferem no 5G?

Ao contrário de televisões abertas ou telefones celulares, as televisões por satélite não são um serviço de transmissão, como o primeiro, ou as telecomunicações, como o segundo. Eles são um acordo adotado pelo setor para estender o alcance do seu sinal por distâncias maiores sem envolver um custo mais alto.

O sinal de TV aberta capturado pelas antenas parabólicas é transmitido via satélite, da fábrica para suas afiliadas e retransmissoras, além das casas que compraram o equipamento. A solução é barata (apenas um receptor e uma antena parabólica), o que facilita a instalação. Como é enviado de um satélite a 35.000 km, o sinal é fraco e o equipamento atual já está operando no limite.

Quando o 5G chegar, esse equilíbrio frágil não sobreviverá. Uma das frequências de banda larga da quinta geração será de 3,5 GHz, próximo à das televisões por satélite. Essa proximidade também deve afetar os serviços de telefone via satélite. Os problemas de coexistência serão ainda maiores porque o 5G exigirá a presença de muitas antenas.

Para impedir que um serviço perturbe o outro, foram feitas duas propostas:

  • Empresas de telefonia: implementar filtros para reduzir o ruído causado pelo 5G nas antenas (esses dispositivos são receptores de sinal de satélite que estão conectados à ponta da barra que fica no meio da antena); Por se tratar de uma ação de mitigação de danos, seria direcionada aos usuários mais vulneráveis ​​do serviço. Nas contas de telecomunicações, isso custaria R $ 456 milhões. Nos cálculos de TV, R $ 800 milhões.
  • TV e rádio: migrar toda a transmissão de TV via antena parabólica para outra faixa de frequência; Como alcançará todos os usuários do serviço, isso envolveria a mudança de todos os dispositivos usados ​​(do decodificador para o filtro da antena parabólica) e isso seria mais caro. Os aparelhos de televisão estimam que seria de R $ 1,7 bilhão, enquanto as empresas de telecomunicações prevêem algo como R $ 7,8 bilhões.

Quais são os argumentos da indústria para as soluções opostas?

  • Telefone: Para empresas do setor, a tecnologia existente já evita interferências e pode ser aplicada apenas quando houver um problema. Isso reduz os custos de mitigação, que na prática serão pagos pelo Tesouro. Além disso, não poupam críticas por manter um serviço instável à custa de outro.

Quando você migra para outra banda, 100% dos usuários são necessários [do serviço]. A mitigação funcionará onde houver interferência. Não sei se você assistiu televisão por satélite, mas quando chove, adicione o sinal. Nossa preocupação é com a sociedade, que terá um custo mais alto por um serviço cuja instabilidade é muito alta.
Marcos Ferrari, presidente do Sinditelebrasil

  • Televisões e rádios: Para essas empresas, a migração é ideal para resolver o problema de uma só vez. Isso ocorre porque o avanço do 5G no mundo está levando o serviço a ser cada vez mais operado em bandas usadas no Brasil por antenas parabólicas. Eles argumentam que quando esta onda chegar aqui, mais mitigação será necessária.

Há uma escalada mundial do serviço móvel pessoal [telefonia celular] para a banda C [faixa das TVs por satélite, que vai de 3,7 Ghz a 4,2 Ghz] E pegando todas as pistas pelo caminho
Luiz Carlos Abrahão, CTO da Abert.

Se não [a migração] agora, faremos isso em quatro, cinco anos. Por mais caro que seja, é uma solução definitiva
Engenheiro de Abrender Wender Souza

Como a bagunça afeta a chegada do 5G no Brasil?

A estagnação afeta a implantação do 5G no Brasil. Isso ocorre porque, conforme definido pelo MCTIC, o aviso do leilão deve descrever a medida mais apropriada:

A agência estabelece medidas de melhor eficiência técnica e econômica para resolver as interferências prejudiciais identificadas nos serviços de satélite fixo que operam na Banda C, considerando formas de garantir a recepção de sinais de televisão gratuitos e abertos pela população efetivamente afetada.
MCTIC, na Portaria no 418, de 31 de janeiro de 2018

Para isso, a Anatel testa a solução proposta pela teles. As próprias empresas contrataram o CPQD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Telecomunicações) e já haviam realizado suas próprias avaliações, que aprovavam os filtros. A Anatel começou a trabalhar, mas teve que suspendê-los devido à pandemia de coronavírus em março.

Desde então, ele realizou simulações em computador. Lançados em maio, eles mostraram que os filtros ainda não são suficientes para evitar interferências. Se adotada, a Anatel pode ter que apagar o espectro futuro do 5G, o que poderia tornar o leilão da banda menos atraente. Ainda assim, a decisão somente será tomada após testes de campo, sem data de início ainda.

As televisões e rádios comemoraram, enquanto as empresas de telecomunicações apostam seus chips nos resultados obtidos nas próximas análises. Na Anatel, a visão é de que quanto mais dinheiro for necessário para resolver a interferência, menos será alocado para a internalização da banda larga.

Desde 2001, a Fust [Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações] Levantou R $ 21 bilhões em termos nominais (R $ 34 bilhões em valores ajustados à inflação), mas o governo investiu o dinheiro para obter um superávit primário.

Para as empresas de telecomunicações, o leilão 5G deve ser adiado até o final da pandemia. A interferência parabólica é apenas um dos problemas a serem resolvidos antes da chegada da quinta geração da Internet móvel. Outros são a falta de criação da Autoridade de Proteção de Dados Pessoais (ANPD), problemas com a instalação de antenas e o direito de passagem, além da renovação das concessões de radiofrequência.

Já existem gargalos regulatórios estruturais. Com a crise, tornou a visão ainda mais difícil a longo prazo. É recomendável que você deixe a poeira assentar antes de pensar em trabalhar com 5G no futuro
Marco Ferrari

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *