Como o Brasil pode recriar os dias de glória do futebol de outrora?

E assim Casemiro seguiu a sombra de Luka Modric durante 120 minutos. Com tanto espaço atrás de Neymar e Vinicius Jr no canal esquerdo do Brasil, o meia-defensivo mergulhou para cobrir a ala, permitindo que Modric arquitetasse a vitória da Croácia nas quartas de final contra o pentacampeão mundial. Ali estava o velho mestre, com o sorriso e as rugas de um guerreiro, fazendo o que fazia de melhor: tirando os adversários da partida e do torneio.

A grandiosa última dança, que desafiou a lógica do condicionamento físico após aberturas contra o Japão, torturou Tite, que fugiu do local. O autoproclamado técnico humanista do Brasil saiu furioso, sozinho para o vestiário, seu aparente ato de covardia provocado pela desintegração de seu time, tão equilibrado por tanto tempo, mas não quando mais importava.

Esta Copa do Mundo deveria ser a redenção de Tite e a conquista da sexta estrela para o Brasil, mas o Catar acabou sendo outra decepção. Foi sobretudo um déjà vu, para Tite e para o Brasil. Há quatro anos, Bélgica e Romelu Lukaku, jogando no canal certo, surpreenderam os brasileiros nas quartas de final para a história em Kazan, o cemitério dos grandes. Tite foi abalado, reconstruído, reforçando o meio-campo, buscando um novo equilíbrio e abençoado com uma nova geração de talentos que abandonou a confiança em Neymar. Soluços contra Camarões à parte, o Brasil dançou até as oitavas de final e então aconteceu de novo, talvez de maneira ainda mais cruel e comovente. Mas o resultado foi o mesmo e apesar de todas as críticas, arrependimentos e teorias que se seguiram em um condenável post-mortem. O Brasil voltou a enfrentar rivais europeus: França e Zinedine Zidane em 2006, Holanda e Wesley Sneijder em 2010, Alemanha e sua seleção em 2014, Bélgica e KDB em 2018 e Croácia e Modric em 2022.

As causas? Em ordem cronológica: arrogância, implosão emocional, pressão, destino e perda de concentração. Isoladamente, todas essas razões eram perfeitamente aceitáveis, talvez menos para o Brasil, uma nação que moldou o futebol mundial por meio de Pelé e da arte de seus contemporâneos. Eles cimentaram a primazia do esporte, grande religião em todo o mundo, e da Copa do Mundo, espetáculo televisivo global e um dos últimos fenômenos culturais a unir a humanidade.

LEIA TAMBÉM – Título da Copa do Mundo da FIFA paralisa a Argentina

Após o apogeu do Brasil, culminando naquelas três semanas malucas no México em 1970, a Seleção conquistou o título mundial mais duas vezes, mas eliminação após eliminação nos últimos tempos tornou frágil o status do Brasil: ainda é a nação do futebol? A Europa e sua industrialização de busca e desenvolvimento de talentos ultrapassaram o Brasil?

O Brasil pode voltar ao tipo: nomear o próximo técnico da seleção, construir a geração de Vinicius Jr. e tentar tudo de novo em 2026, ou este momento exige mais reflexão e uma solução mais incisiva? Algumas vozes no Brasil argumentam a favor de um técnico estrangeiro liderar a Seleção para introduzir novas ideias e novos métodos, mas tais sugestões, sem surpresa, enfureceram muitos técnicos nacionais. Bolsonarista impetuoso, Renato Gaúcho rejeitou a ideia de cara. Ele deveria saber melhor.

Decepção: Os jogadores brasileiros estão desanimados depois de serem derrotados pela Croácia nas quartas de final da Copa do Mundo de 2022 no Catar. A Europa e sua industrialização de busca e desenvolvimento de talentos ultrapassaram o Brasil? | Crédito da foto: REUTERS

No Flamengo, esteve entre os sucessores de Jorge Jesús. Em 2019, Jesús chegou ao Rio de Janeiro e fez dos 12 meses seguintes um desfile de vitórias, quebrando os paradigmas do futebol local, vencendo quase tudo e sendo serenata pelo Maracanã. Mister, Misteeeeeer ‘, onde os fãs são notoriamente críticos e não se impressionam. Foi o estilo e o espírito de sucesso que ressoaram. O Flamengo jogava um futebol moderno, com alta pressão coletiva. A noção de futebol bonito em sintonia com a modernidade deve estar presente no futebol brasileiro. Na realidade, é tudo menos que os dirigentes costumam aplicar uma filosofia conservadora, sob pressão da mídia e dos torcedores.

O português mostrou que pode ser diferente, mas tem sido uma atuação difícil de acompanhar – o gaúcho nunca esteve perto. Ainda assim, esta temporada oito dos 20 clubes do escalão principal serão comandados por um treinador estrangeiro. Abel Ferreira se destaca pelo excelente trabalho no Palmeiras. Então, por que não um técnico não brasileiro da seleção? O campo de treinadores competentes no Brasil é muito pequeno. Na verdade, é difícil encontrar técnicos brasileiros na América do Sul, quanto mais na Europa, o que talvez reflita a escassez de ideias que eles trazem para o jogo. Agora, eles também estão perdendo espaço em casa.

No entanto, a resistência cultural pode ser simplesmente grande demais: nenhum estrangeiro jamais esteve no comando do que é, em última análise, um símbolo nacional. Ainda é um tabu, então o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, recém-chegado ao cargo, tem uma decisão crucial a tomar nas eliminatórias para a abordagem da Copa do Mundo de 2026: fará o que nunca quis? do Brasil? fronteiras ou correr o risco de que o próximo Luka Modric elimine o Brasil da Copa do Mundo de novo?

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *