Como Uganda pode ser como a “Besta” de Biden

Durante o funeral da rainha Elizabeth II, surgiram imagens de vários líderes africanos viajando em um ônibus para o Palácio de Buckingham para participar do funeral.
Como William Ruto do Quênia, Suluhu Hassan da Tanzânia foi pego sorrindo no ônibus; Justin Trudeau do Canadá, Jacinda Ardern da Nova Zelândia, Wang Qishan da China e Jair Bolsonaro do Brasil também usaram o ônibus.
No entanto, a comitiva do presidente dos EUA, Joe Biden, liderada por seu carro oficial “The Beast”, recebeu tratamento diferente e mais preferencial.

Então, como se isso não bastasse, a economia dos EUA parece estar se beneficiando da crise energética na Europa. Isso ocorre porque as empresas européias que fabricam aço, fertilizantes e matérias-primas relacionadas estão se mudando para os EUA, onde os preços estáveis ​​da energia e o apoio do governo são as realidades predominantes.
O aumento dos preços da energia na Europa e os problemas aparentemente intermináveis ​​da cadeia de suprimentos podem dar início ao que os economistas chamam de uma nova era de desindustrialização. O que, dizem os especialistas, resulta de uma redução da capacidade industrial.

À medida que as indústrias fecham, a desindustrialização toma conta e causa estragos nas comunidades, causando desemprego nas indústrias manufatureiras. A desindustrialização foi testemunhada nos EUA durante a “Grande Recessão” de 2008, também foi testemunhada lá na década de 1970, quando siderúrgicas e fábricas de automóveis nos EUA, Reino Unido e França pararam de operar.
Desta vez, Washington oficial apresentou uma variedade de antídotos para uma situação cada vez mais venenosa, enfatizando as políticas de energia verde. Claramente, os EUA estão se inclinando a favor de empresas que fabricam produtos com uso intensivo de energia.

Embora a economia dos EUA tenha sido amplamente prejudicada pelo aumento da inflação, gargalos na cadeia de suprimentos e crescentes temores de uma desaceleração econômica, ela conseguiu produzir feno onde o sol não brilha. Isso se deve aos gastos oficiais do governo de Washington em projetos de energia verde e infraestrutura, aproveitando os créditos fiscais sob a Lei de Redução da Inflação. Isso atraiu muitas empresas europeias para abrir operações comerciais nos Estados Unidos.
Portanto, à sombra de tal desindustrialização, Uganda, sendo uma “sociedade pré-industrial”, tem uma vantagem competitiva. Uganda é rica em recursos energéticos, incluindo energia hidrelétrica, biomassa, energia solar, geotérmica, turfa e eólica.

Isso significa que podemos transformar nossa riqueza de recursos naturais, dos quais depende uma abordagem ecológica, em uma vantagem comparativa.
Sem dúvida, nosso país é verde o suficiente para nos dar os dólares (dólares) que precisamos desesperadamente desenvolver.
Sendo um país verde, segue-se que devemos adotar princípios de crescimento verde que não apenas protejam nossos ricos recursos naturais, mas também nos tragam prosperidade econômica graças aos recursos naturais de nosso país.
Tal como acontece com os Estados Unidos, devemos ver como podemos conceder créditos fiscais à nossa economia verde para se juntar à acusação de que os Estados Unidos estão liderando na promoção de eficiências verdes, por assim dizer.
Ser dotado por natureza exige que aproveitemos nossos dons naturais para obter ganhos financeiros que continuam dando.

Isso requer uma liderança política visionária e determinada, cujos esforços não são canalizados para afundar a oposição política, mas sim por meio de políticas que aproveitam nossas amplas capacidades econômicas verdes.
Sem dúvida, os recursos de energia renovável de Uganda podem ser usados ​​para produção de energia e prestação de serviços de energia, se forem auxiliados por uma série de políticas nesse sentido.
Os Estados Unidos nos mostraram o caminho gastando mais em projetos de energia verde e criando uma estrutura legal para proteger a economia verde.

O presidente Museveni se destacou, literal e metaforicamente, por não entrar no ônibus no funeral da rainha. No entanto, ele não deve parar por aí.
Seu governo também deve seguir o exemplo da administração Biden, criando políticas verdes específicas que farão com que todos os ugandenses se destaquem. E também transformar nossa economia em uma “fera”, como o veículo oficial de Biden.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.