Como um estudo sobre cloroquina sacudiu o mundo e caiu em descrédito – 06/06/2020

Como um estudo sobre cloroquina sacudiu o mundo e caiu em descrédito - 06/06/2020

Em 20 dias, um estudo abalou duas vezes a comunidade científica. Publicado na prestigiosa revista científica The Lancet, a pesquisa condenou o uso de hidrocloroquina e cloroquina no tratamento da covid-19. Mas nesta semana, alguns de seus autores revisaram o mesmo estudo, que publicamente assumiram que não podiam apoiar suas conclusões.

Quando foi lançado em 22 de maio, o estudo disse que pacientes com o novo coronavírus que foram tratados com esses medicamentos apresentavam maior risco de complicações cardíacas e até morte do que as pessoas que receberam outros medicamentos.

O impacto foi tal que a pesquisa mundial sobre hidrocloroquina ou cloroquina, incluindo algumas da OMS (Organização Mundial da Saúde), foi interrompida. Porém, alguns dos autores do estudo Lancet admitiram que não sabem dizer se os dados utilizados são confiáveis ​​e se desculparam.

Assim que a investigação foi ao ar, um grupo de quase 150 médicos manifestou sua preocupação em uma carta aberta à Lancet. Em resumo, eles questionaram como o artigo chegou às conclusões declaradas e solicitaram que os comentários da revisão por pares, realizada pela revista antes da publicação, fossem divulgados publicamente. Eles reclamaram, entre outros, dos seguintes aspectos:

  • O conjunto de dados incluiu um número de pacientes que, em alguns países, foi superior aos dados oficiais dos pacientes com covid-19.
  • Os autores não compartilharam informações sobre quais hospitais ou países forneceram dados do paciente.
  • A rápida construção do extenso banco de dados utilizado no estudo levantou dúvidas entre a comunidade científica.

O estudo é um estudo observacional. Ou seja, em vez de realizar ensaios clínicos tradicionais, use dados do mundo real. Para isso, utilizou informações de 96 mil pacientes internados com coronavírus. Eles foram analisados ​​pelos quatro autores:

  • Mandeep Mehra, professor da Harvard Medical School.
  • Frank Ruschitzka, professor da Universidade de Zurique.
  • Amit N. Patel, professor da Universidade de Utah.
  • Sapan Desai, fundador do Surgisphere.

Em outras palavras, acreditava-se que essa informação tivesse sido analisada pelos autores. O que foi descoberto foi outra coisa. Sabe-se que as informações utilizadas pertencem ao Surgisphere Bank, uma consultoria de inteligência em saúde fundada por Sapan Desai, um dos autores. O que não se sabia é que os outros envolvidos no estudo estavam completamente no escuro quanto a quais dados foram utilizados.

Esta situação começou a se revelar na semana passada. A reclamação da comunidade parecia ter tido algum efeito, e a revista publicou um erro de impressão.

Acontece que um dos hospitais, cujos dados dos pacientes forneceram a pesquisa, foi incluído na região errada. Isso, no entanto, não afetou os resultados da investigação, disse Lancet. Mas todo ceticismo colocou uma pulga atrás da orelha dos autores.

Eles solicitaram os dados à Desai, que autorizou seu uso. Quando os revisores foram para a base do Surgisphere, a surpresa. A empresa não autorizou, de acordo com Mandeep Mehra, Frank Ruschitzka e Amit N. Patel, em nota publicada pela Lancet.

Nossos revisores independentes nos informaram que o Surgisphere não transferiu o banco de dados inteiro, os contratos dos clientes e o relatório ISO auditado para seus servidores, porque essas transferências violariam os acordos de confidencialidade com os clientes.
Mandeep Mehra, Frank Ruschitzka e Amit N. Patel

O Surgisphere relata que possui petabytes de dados de mais de 240 milhões de pacientes não identificados, selecionados entre cerca de 1.200 hospitais e outras instituições médicas em 45 países.

Desai disse ao Wall Street Journal que o problema é que os 671 hospitais usados ​​no estudo não puderam ser identificados devido a esses acordos de privacidade.

Não satisfeito com a justificativa para a falta de transparência, o trio solicitou que o artigo fosse compilado:

Com base nesse desenvolvimento, não podemos mais atestar a veracidade das fontes de dados primárias. Devido a este resultado infeliz, os autores solicitam a coleta do artigo.

Por enquanto, o estrago já estava feito. Afinal, após a sua publicação, vários ensaios clínicos foram suspensos. A OMS foi uma das organizações que parou de analisar a hidroxicloroquina. Após a retirada, ela disse que estava pronta para retomar o trabalho.

Curiosamente, todos os quatro foram os autores de outro artigo, publicado no New England Journal of Medicine (NEJM), sobre o impacto dos medicamentos para pressão cardíaca em pacientes hospitalizados com covid-19. Este estudo também sofreu uma retração. Nesse caso, no entanto, a nota foi assinada pelo quarteto.

A ausência de Desai na declaração de Lancet chamou a atenção por apontar para uma divisão no grupo. Tanto que o autor mais importante, Mandeep Mehra, se desculpou publicamente depois de todo o desastre.

Não fiz o suficiente para garantir que a fonte de dados fosse apropriada para esse uso. Por isso e todas as interrupções, direta e indiretamente, me desculpe
Mandeep Mehra, professor da Harvard Medical School.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *