Confiança na Construção cai 2,0 pontos em março para 90,8, revela FGV

O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 2,0 pontos em março para 90,8 pontos na série livre de influências sazonais, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na quinta-feira, apesar de duas quedas consecutivas, em fevereiro e neste mês. A média do indicador no primeiro trimestre de 2020 (92,6) é 2,7 pontos superior à média do quarto trimestre de 2019 (89,9).

A queda do ICST em março foi impulsionada pela queda nas expectativas dos negócios nos próximos três e seis meses. O Índice de Expectativas (IE-CST) perdeu 3,5 pontos e caiu para 95,5 pontos, o nível mais baixo desde junho de 2019. Nas suas aberturas, o indicador de demanda prevista caiu 3,6 pontos, para 96,1, e as tendências comerciais para os próximos seis meses eles caíram 3,5 pontos para 94,8.

“Obras de construção para ciclos prolongados, mas a expansão da covid-19 muda o cenário. Em março, ainda não havia impacto significativo nos negócios atuais, mas o Indicador de Expectativas já indica a deterioração do cenário. O segmento de Serviços Especializados, formado por um grande grupo de pequenos empreiteiros, certamente sentirá mais e já em março foi o que teve maior impacto nas expectativas ”, afirmou, em nota, o coordenador de Projetos de Construção do Ibre / FGV, Ana Maria Castelo.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST) caiu 0,4 pontos, uma retração menor, mas que interrompeu a sequência de nove avanços consecutivos nas últimas revelações. O indicador caiu para 86,3 pontos. O valor é resultado de uma queda de 1,5 pontos no indicador da carteira de contratos, para 85,1, e um aumento de 0,8 pontos no indicador de situação comercial atual, para 87,7.

O Nível de Utilização da Capacidade (Nuci) perdeu força pelo terceiro mês consecutivo, em 69,6%, ante 70,6% em fevereiro. É o nível mais baixo desde setembro de 2019. A maior influência no resultado foi a queda de 1,2 ponto percentual nos Núcleos de Mão de Obra, uma vez que os Núcleos de Máquinas e Equipamentos aumentaram 0,8 pontos percentuais.

“A demanda ainda é o principal fator que limita a melhoria dos negócios das construtoras; no entanto, nesta pesquisa, houve uma preocupação com o covid-19 entre os empreendedores da construção, no item Outros fatores. Nos próximos meses, esse é um problema que deve ter um impacto significativo na atividade atual e também afetar a recuperação “, diz Ana.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *