Copom reduz Selic para 3,75% ao ano

JBr.

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) decidiu por unanimidade reduzir a Selic (taxa básica da economia) em 3,75%, 4,25%. Este é o sexto corte consecutivo de taxas no ciclo atual, após um período de 16 meses de estabilidade. Com isso, a Selic passa a ocupar um novo andar na série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

Desde o início do ciclo atual, o Copom aplicou quatro reduções de 0,50 ponto percentual e uma de 0,25 ponto percentual, na última reunião. Agora, caiu 0,5 pontos percentuais.

As taxas disparam com aversão a alto risco e coronavírus

O mercado de juros chegou no dia da decisão mais aguardada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) nos últimos tempos, convencida de um novo corte na taxa Selic, mas sem consenso sobre o tamanho da redução em meio ao grau extremamente alto. alta incerteza no cenário global. Apesar do compromisso com uma nova flexibilização monetária, as taxas hoje fecharam em um nível alto constante, de cerca de 50 pontos base na seção curta e entre 120 e até 165 pontos nas curvas intermediária e longa.

As taxas seguiram uma trajetória ascendente desde a primeira etapa, mas o pico de estresse foi atingido à tarde, quando muitos dos principais contratos atingiram os limites máximos de flutuação, exigindo ajustes de B3. A escalada resultou da redução para zero das posições causada pelo agravamento da taxa de câmbio, com o dólar à vista chegando a R $ 5,25.

O contrato de Depósito Interbancário (DI) de janeiro de 2021 encerrou o período regular em 4.000%, ante 3.597% ontem no ajuste. O DI de janeiro de 2022 terminou com a taxa de 5,81% (máximo), ante 4.451% ontem no ajuste. O DI de janeiro de 2027 fechou a uma taxa de 8,55%, ante 7,382% ontem no ajuste.

Profissionais de tabelas de renda fixa relatam que, com as notícias de deterioração do coronavírus piorando a cada dia, em uma crise já considerada sem precedentes, e com a percepção de que a situação vai piorar antes de melhorar, o mercado está perde e “o pânico é total”. Desde ontem, as principais instituições do mercado financeiro vêm revisando suas expectativas para o PIB brasileiro este ano para zero e até números negativos, ilustrando a gravidade da crise.

“As medidas são paliativas para enfrentar a crise e, conforme o dólar piorou, o DI piorou. O mercado está reagindo muito no exterior e ao espaço limitado para a execução da política fiscal e monetária, que, de qualquer forma, terá poucos resultados ”, afirmou a operadora de renda fixa Nova Futura, André Alírio.

Para o Copom, diante do estresse do dia, a curva, ao contrário de ontem, não mostra mais o preço para cortar 0,75 ponto percentual da Selic hoje. Segundo o Haitong Investment Bank, o preço é -43 pontos base, ou seja, 70% de chance de reduzir 0,50 ponto e 30%, 0,25 ponto. Para maio, o preço é de -7 pontos, ou seja, 30% de probabilidade de redução de 0,25 e 70% de probabilidade de Selic estável.

Sérgio Goldenstein, ex-chefe do Departamento de Mercado Aberto do Banco Central, argumenta que o Copom deve reduzir a taxa Selic em 0,50 pontos. “Uma redução de apenas 25 bps seria muito barulho, enquanto 100 bps ou mais geraria muito barulho sem ser convencido de nada. A única convicção é que o que algumas pessoas convencidas chamam de “influenzazinha” afetará bastante a atividade “, escreveu ele em sua conta no Twitter.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *