Coronavírus: ação desastrosa no CBMDF deixa o comandante em alerta

Irritações do palácio I

Há informações internas no Palácio do Buriti de que o governador Ibaneis Rocha (MDB) “não ficou totalmente satisfeito” com o comandante geral do Corpo de Bombeiros do DF, Lisandro dos Santos, que precisou explicar ao chefe a decisão de interromper a operação. contra o coronavírus no aeroporto e nas rodovias do DF nesta terça-feira (23).

Palácio das irritações II

A ordem para retomar o trabalho veio do próprio governador, mas a população não recebeu assistência por duas horas, o que levou a especulações dentro da GDF de uma possível nova demissão, o que não deveria acontecer neste momento. Recentemente, o então secretário da Saúde, Osnei Okumoto, foi destituído de seu cargo em meio à crise pandêmica de 19 de outubro.
Palácio de irritações III

Quando solicitado, o departamento de comunicações da corporação dos bombeiros afirmou que a medida era um “erro” e que as operações voltaram ao normal. No entanto, há informações próximas ao comando de que a confusão deixou o comandante “preocupado”.

Consciência publicitária

Ontem, a Câmara Legislativa pediu virtualmente ao governo local mais informações sobre um projeto para abrir crédito adicional à publicidade do governo. No entanto, o aumento de quase R $ 64 milhões retornou à agenda de hoje. A quantia, defende a GDF, será gasta em meios de conscientização e prevenção contra o coronavírus.

Sugestões eficientes

A sugestão do deputado João Cardoso (Avante) parece ter entrado em vigor e Buriti chegou a concordar com a administração do estádio Mané Garrincha em criar um hospital de campanha no local com 500 leitos. O parlamentar também sugeriu ao GDF que transformasse o centro administrativo, abandonado, em um local para apoiar casos de coronavírus no DF, mas essa demanda ainda não foi atendida.

Fabricação social

A Câmara Legislativa aprovou ontem uma nomeação parlamentar para a Fábrica Social do DF para fabricar os suprimentos necessários para combater a covid-19. Entre as equipes está a fabricação de máscaras.

É para fechar!

A partir desta semana, o Governo do Distrito Federal aplicará muitos que variam de R $ 3.628,29 a R $ 24.188,60 a empresas que insistem em abrir suas portas, sem cumprir o Decreto 40.546, que determina o fechamento de lojas, shopping centers. , academias, discotecas, bares e restaurantes. Segundo o Departamento Jurídico, responsável pela inspeção, alguns estabelecimentos do noroeste e da Asa Sul foram avaliados três vezes pela inspeção. Na segunda-feira, os inspetores capturaram 200 lojas abertas.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *