Coronavírus: barragem brasileira em Portugal

JBr.

De férias em Lisboa desde 14 de março, a brasileira Daiane Ferreira, 30 anos, aguarda um voo da companhia aérea Blue para retornar ao Brasil. Devido à pandemia do novo coronavírus, a viagem de volta à capital federal, prevista para segunda-feira passada, foi cancelada pela companhia aérea porque Portugal está em alerta para a doença. Desde então, ela está “presa” no país europeu, sem planos de retornar ao Riacho Fundo II, onde vive.

“A Azul não forneceu assistência financeira. Tudo o que dizem é que estão fazendo uma lista de pessoas cujo voo foi cancelado e que estavam indo para enviar um avião para nos resgatar. Mas eles não previram quando isso seria. Recebi uma mensagem da Azul reagendando meu voo para o dia 24. Depois, no dia em que eles me enviaram um e-mail dizendo que tudo estava bem com minha reserva. Cheguei ao aeroporto e um funcionário me parou na porta. Foi-me dito que ninguém estava na bilheteria naquele momento e que eu não estava voando. Eles me disseram para ir à embaixada brasileira para solicitar o voo de repatriação “, diz Daiane, assistente financeira do Hospital Brasília.

Ela diz que ainda não recebeu orientações sobre o que fazer da embaixada brasileira em Lisboa. “Cheguei à embaixada e ela estava fechada com avisos nas portas dizendo que havia apenas serviço online. Depois, enviei um e-mail, respondi aos formulários, e a embaixada e o povo do Itamaraty apenas responderam dizendo que estão cientes da situação dos brasileiros e estão fazendo todo o possível para resolver o problema. Mas não temos outra resposta senão essa “, lamenta.

Daiane não está sozinha na luta para voltar ao Brasil. Ela participa de um grupo com mais de 70 clientes da Azul, que também são “encarcerados” em Portugal. “Fui responsável por passar todas as informações da equipe do grupo para a Azul. Consegui entrar em contato com uma pessoa da embaixada, a quem passo todos os detalhes sobre quem precisa de medicamentos “, diz ele.

“O dinheiro está acabando”

No período de viagem programada, Daiane ficou em um hotel em Lisboa. Mas desde terça-feira passada, ela está em um albergue, localizado no centro da cidade. Ela conta como tem prevenido a doença no país, que já registrou mais de 3.500 casos do novo coronavírus e 60 mortes causadas pela covid-19. A boa notícia é que Portugal tem 43 pessoas recuperadas da doença, segundo a Direção Geral de Saúde de Portugal.

“É uma despesa adicional e o dinheiro está acabando. Nos desesperamos porque não sei quanto tempo ficarei aqui. Aqui em Portugal, o número de casos (por coronavírus) está crescendo muito rápido. Nestes 13 dias em que estou aqui, saí apenas um dia para visitar a Torre de Belém e lavo as mãos quando vou ao mercado comprar o que falta para comer. Não pude comprar gel de álcool porque estava faltando na farmácia em que fui. Mas comprei outro produto para a higiene das mãos, porque foi a única solução que encontrei. Como não saio muito, só passo o produto quando saio da rua ”, explica Brasiliense, que comprou um desinfetante para lavar as mãos.

A assistente financeira diz que procurou passagens na TAP, a companhia aérea portuguesa, mas os altos preços e as perdas desencorajam. “Quando entrei no site, vi que eles estavam cobrando absurdos, de 1,5 mil a 2 mil euros. Esse valor aumenta a cada hora, tornando impossível comprá-lo. E acho injusto gastar mais dinheiro, já que paguei a Azul. Então, a Azul precisa enviar um avião para quem comprou e fez as reservas ”, protesta Daiane, que está de férias do trabalho até o dia 31.

Por meio de nota, a Azul informou a JBr Não opera em Lisboa até o final de abril devido a restrições impostas pela União Europeia. “A empresa já entrou em contato com clientes afetados por essas alterações. Eles podem optar por reagendar, alterar ou cancelar o ticket. A empresa oferece opções para reagendar vôos de ou para Lisboa ou Porto, América do Sul e Estados Unidos. A medida é válida para clientes com passagens compradas para voos até 30 de novembro ”, anuncia a empresa.

Solicitada pelo relatório, a embaixada do Brasil em Lisboa e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) não responderam ao contato até o fechamento desta edição.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.