Coronavirus: Call Center mantém funcionários completos

JBr.

Mesmo com a recomendação do Ministério da Saúde para que as pessoas evitem a superlotação devido à nova pandemia de coronavírus, os funcionários da BRB Serviços continuam trabalhando no serviço de call center. Alguns disseram ao Jornal de Brasília que nem foram à empresa ontem por medo de contrair a doença no trabalho.

Ontem, alguns funcionários que não compareceram foram surpreendidos por avisos por escrito. “Temos medo de perder o emprego. Peço que a empresa também conceda a seus funcionários o direito ao isolamento, que usam o transporte público, como supervisores. Eles não vão funcionar porque dependem desse meio. Algumas medidas de higiene já foram tomadas na empresa, mas são preventivas e não garantem proteção contra essa doença altamente perigosa. Possui 700 funcionários e muitos não têm carro. Hoje, com a nossa ausência, a empresa começou a retaliar com notificação“Ele informa um servidor, que se recusou a ser identificado por medo de retaliação.

Ela comenta sobre o perigo de vários funcionários trabalharem em ambientes fechados ao mesmo tempo.

“O que mais me preocupa no call center é a aglomeração de pessoas nas estações de trabalho em despensas e banheiros. Há pessoas que têm medo de ir trabalhar porque têm pessoas mais velhas em suas casas e pessoas com doenças crônicas “, diz ele.

Segundo o relatório, 30% da força de trabalho trabalha em regime de home office, enquanto 70% precisa ir ao local de trabalho. “É a decisão de uma empresa central, que quer se revezar. Isso não ajuda, porque ao sair de casa a pessoa é exposta. Ainda estou em casa esperando o posicionamento da empresa para o escritório em casa. Mas até agora nada “, disse o funcionário

Outra funcionária da BRB Serviços comentou que recebeu um email da empresa.

“Eles foram ordenados a voltar ao trabalho, se não puder ser considerado negligência (negligência). Eu acho que o escritório em casa tem que ser geral. Tenho filhos de 9 e 13 anos e marido do grupo de risco ”, preocupa-se.

União

O Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal (Sinttel) realizou uma reunião na última sexta-feira para discutir a proteção da categoria. “O sindicato já havia enviado correspondência para algumas empresas, incluindo a BRB Serviços, com medidas básicas para proteger os trabalhadores, porque estão aterrorizados”, diz o diretor da Sittel, Leandro da Fonseca Silva.

Na sua opinião, o essencial é que as empresas fechem neste período de pandemia. Como não é possível fechar, diminuir a concentração de pessoas. “Esse é o risco do call center, sem circulação de ar, por exemplo. A empresa precisa tomar medidas para reduzir riscos. Já temos trabalhadores que não têm trabalho. Existem cerca de 10 a 15 mil funcionários da central de atendimento no DF. Esse trabalhador corre o risco de sofrer medidas disciplinares, como ser demitido “, diz Leandro.

Aviso até fala sobre possível demissão

O e-mail mencionado pelos funcionários foi enviado pela BRB Serviços na última sexta-feira (20) para quem perdeu o emprego. “A empresa vem implementando todos os protocolos de higiene e segurança determinados pelas autoridades de saúde, além de um protocolo de contingência, que contém medidas para segregar espaços físicos, liberação imediata de casos prioritários (gestantes, idosos e pessoas doenças crônicas)) e escala para trabalhar no escritório em casa “, afirma o documento.

No final, a empresa alerta para a possibilidade de demissão por justa causa dos funcionários que perdem o serviço. “Em vista disso, chegamos a notificá-lo para retornar imediatamente ao trabalho, pois a ausência injustificada configura negligência no desempenho de suas atividades”, relata a BRB Serviços.

Solicitada pela JBr, a BRB Serviços confirmou que planejava o horário de trabalho, inicialmente, com 70% de seus funcionários no modo pessoal e outros 30% no modo home office.

“A porcentagem de pessoas que teletrabalham pode aumentar para 50%, dependendo da natureza do serviço prestado e de sua complexidade. As medidas entraram em vigor a partir de hoje, pois contavam com soluções tecnológicas para assistência por voz através do escritório em casa “, afirma a empresa.

A agência diz que implementou outras medidas de proteção.

“Também reforçamos a higiene e limpeza das estações de trabalho e áreas comuns, disponibilizando distribuidores de gel de álcool em toda a empresa e em recipientes individuais intercalados com estações de serviço”, relata.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.