Coronavírus prevê ter menos mortes que o H1N1, diz Bolsonaro

JBr.

O presidente Jair Bolsonaro disse na noite de domingo, 22, que a previsão do governo federal é de que o número de mortes causadas pela nova pandemia de coronavírus no Brasil não exceda o número de mortes causadas pela gripe H1N1, que, segundo o presidente, havia 800 – em seu discurso em uma entrevista com Domingo Espetacular da Record TV, no entanto, não ficou claro a que período ele se referia para citar esse último número.

Na atualização mais recente do Ministério da Saúde sobre o número de casos e mortes de covid-19 no país, realizada nesta tarde de domingo, o Brasil já possui 1.546 casos de pessoas infectadas com o novo coronavírus e 25 mortes. Comparados aos dados publicados no dia anterior, há mais 418 casos, um aumento de 37% e mais sete mortes, um aumento de 39%.

Bolsonaro disse que a população brasileira não deve entrar em pânico com a pandemia. “Você não pode comparar o Brasil com a Itália. Você sabe quantos habitantes temos por quilômetro quadrado na Itália? Existem 200 habitantes por quilômetro quadrado “, afirmou. “No Brasil, existem 24 (habitantes por km²), há uma grande diferença entre esses países”. Ele continuou comentando que “esses vírus ocorrem ao longo do tempo em todo o mundo”.

Quando questionado sobre as medidas voltadas para empresas e trabalhadores, o presidente mencionou o não pagamento da parcela federal do Simples, as linhas de crédito, o adiantamento das duas parcelas do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS e uma linha de crédito “enorme” a baixas taxas de juros. na Caixa Econômica Federal como exemplos de “uma série de medidas fará a diferença”.

Quanto ao perigo que a covid-19 representa para áreas pobres com alta densidade populacional, como favelas, Bolsonaro comentou uma comunidade no Rio de Janeiro que tem “um número muito alto de tuberculose”. “Quando o vírus entra lá, certamente nesta comunidade haverá muitas pessoas que perderão a vida, porque esse vírus o agravará. O cuidado que você deve ter: evitar a circulação “, respondeu ele.

Uma das notas principais da entrevista foram os ataques de Bolsonaro aos governadores, a quem ele chamou de “exterminadores de empregos”. No entanto, o presidente afirmou que não ataca nenhum governador. “Não podemos politizar isso daqui (combatendo a pandemia). Eu só disse isso (sobre os governadores) porque eles constantemente me atacam ”, disse ele.

Bolsonaro, alvo de embarcações diárias em várias capitais do país desde a última terça-feira, atribuiu os protestos aos supostos incentivos da TV Globo e da revista Veja. Segundo ele, é “uma campanha escandalosa, enorme e absurda contra um chefe de Estado que simplesmente teve a coragem de cortar a publicidade dessas grandes empresas”. “Não estou preocupado com minha popularidade”, disse ele.

Em sua mensagem final, o presidente pediu “fé” e “orações” na luta contra o coronavírus. “Isso acontece. Não há como evitá-lo, no momento não há vacina ou remédio”. Logo depois, porém, Bolsonaro novamente elogiou os testes para avaliar a cloroquina no tratamento da covid-19.

Ele observou que a hidroxicloroquina, cujo uso original se destina ao tratamento da malária, artrite e lúpus, não existe nas farmácias. Segundo o presidente, a indústria farmacêutica poderá substituir o medicamento nas lojas “a partir de segunda ou terça-feira”. “Existem problemas, mas a Anvisa está em contato com nossa contraparte nos Estados Unidos, buscando saber até que ponto o reuquinol (nome comercial da hidroxicloroquina) pode ser considerado importante para a cura daqueles que vêm atacar o Covid-19”, concluiu o presidente.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.