COVID-19: 9 casos com sintomas em dez não detectados após o primeiro confinamento na França

Paris | Nove em cada 10 casos sintomáticos não foram detectados na França logo após o fim do primeiro bloqueio nacional em maio, acreditam pesquisadores da revista científica Nature, apontando para uma falha no sistema de vigilância.

A capacidade de triagem “tem se mantido insuficiente, mesmo com os baixos níveis de circulação viral alcançados após esse confinamento” e previa-se que “se deterioraria rapidamente com o aumento da atividade epidêmica”, apontam seus autores.

Giulia Pullano, Vittoria Colizza, do Instituto Francês de Pesquisa Pública Inserm, e seus colegas não incluíram infecções assintomáticas (assintomáticas) em seu cálculo, apontando para a falha do sistema de vigilância, com “subdetecção de casos COVID-19 na França que ameaçam a luta contra a epidemia ”.

Incluindo a taxa estimada de infecção assintomática dos pesquisadores, “apenas uma em cada doze infecções por Sars-CoV-2 foi identificada, durante o período de estudo” de sete semanas após o parto, de 11 de maio a 28 de junho. Jeffrey Shaman, da Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Columbia (Nova York), aponta em um comentário sobre essa pesquisa, também publicada na Nature.

O sistema de detecção não atingiu as taxas de detecção necessárias para conter a pandemia, embora tenha melhorado com o tempo.

Na França, entre 250.000 e 280.000 testes foram realizados por semana durante o período do estudo, de acordo com o banco de dados Public Health France.

Estratégias para detectar e monitorar a disseminação de Sars-CoV-2 são consideradas essenciais para que os casos possam ser identificados e isolados para prevenir a transmissão dentro de uma comunidade, especialmente em níveis baixos de prevalência de Sars-CoV-2. doença após longo e custoso confinamento.

Os pesquisadores calcularam o número de novas infecções sintomáticas por coronavírus que ocorreram na França durante o período do estudo usando modelos matemáticos.

Para desenvolver esses modelos, eles usaram dados regionais sobre internações hospitalares, bem como estudos sorológicos (exames de sangue para a presença de anticorpos, evidência de infecção por coronavírus) e estimativas de ” um banco de dados de rastreamento de sintomas auto-relatados.

Resultado: quase 104.000 infecções sintomáticas ocorreram durante o período do estudo, em comparação com pouco mais de 14.000 casos registrados oficialmente.

Apenas 5 das 12 regiões estudadas excederam a taxa média de detecção de 50% no final de junho e menos de um terço (31%) das pessoas com sintomas semelhantes aos do COVID-19 procuraram um médico, apesar das recomendações.

Tomados em conjunto, esses resultados sugerem que a maioria das infecções por SarS-CoV-2 não foram detectadas durante as primeiras semanas após esse confinamento. Para os autores, as estratégias de teste, rastreamento e isolamento devem ser melhoradas consideravelmente para controlar a disseminação da COVID-19 e permitir o levantamento das medidas restritivas aplicadas para interromper a segunda onda na Europa e “evitar uma terceira onda”.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *