Covid-19: cientistas criam um robô que distribui medicamentos e alimentos para pacientes 04/04/2020

Covid-19: cientistas criam um robô que distribui medicamentos e alimentos para pacientes 04/04/2020

Seis pesquisadores do Laboratório de Robótica Móvel do Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC) da USP, em São Carlos (SP), criaram o protótipo de um robô autônomo que serve para ajudar os profissionais de saúde com excesso de trabalho . pandemia causada por coronavírus.

“O objetivo é apoiar a distribuição de medicamentos e alimentos para pacientes doentes em hospitais e, com isso, além de reduzir a carga de trabalho, também reduzirá o contato entre profissionais de saúde e pessoas com Covid-19”, explica ele. a aluna de doutorado Daniela Ridel.

Há dois anos, ele fundou a startup 3DSoft em associação com os pesquisadores Luis Rosero, Tiago dos Santos e Patrick Shinzato para criar um sensor de baixo custo, adequado à realidade nacional. Eles então começaram a desenvolver um robô de serviço de entrega, que deve estar pronto nos próximos meses.

“Devido ao cenário do coronavírus, fizemos uma mudança radical e criamos o protótipo para ajudar os profissionais de saúde”, diz Shinzato.

A primeira coisa que o robô deve fazer é mapear o ambiente em que viajará, em teoria apenas uma vez. Em seguida, siga o caminho que deve ser seguido e, em seguida, autonomamente, coletando dados do ambiente, usando sensores e construindo um mapa do local. Após criar este mapa, o robô deve ser capaz de identificar em qual posição o mapa está, estabelecendo uma relação entre o que os sensores estão capturando (o que o robô está vendo) e o que ele reconhece do ambiente (mapa).

Como o robô pode estar localizado neste mapa, é possível escolher qualquer ponto no ambiente e o robô pode traçar uma rota para chegar ao ponto escolhido, respeitando as áreas que não são navegáveis.

O grupo está procurando parceiros de saúde especializados que possam ajudar a equipe a entender melhor as demandas daqueles na linha de frente da luta contra o coronavírus e ajustar o projeto. “Temos a capacidade técnica para fazer esse projeto acontecer, no entanto, há uma falta de ajuda para o robô chegar às mãos dos necessitados”, explica Ridel. “O ideal seria um parceiro que pudesse nos colocar em contato com os hospitais, além de investir na montagem de mais robôs. Como todos somos da área de computação, precisamos de pessoas com outras habilidades para apresentar o projeto aos investidores e àqueles que podem nos ajudar” . ajuda “.

Ela estima que, com todos os recursos à sua disposição, levaria cerca de dois meses de trabalho para que um protótipo funcionasse. O custo unitário da primeira versão do robô foi de cerca de R $ 17 mil, considerando as peças utilizadas na construção do chassi, que é a base do equipamento, os sensores e a carenagem, que é a peça colocada em cima do base e pode ser uma superfície plana ou um baú de armazenamento.

“Em larga escala, esse custo certamente seria significativamente reduzido. Além disso, esse conjunto de sensores pode ser alterado de acordo com a aplicação. Por exemplo, se pudéssemos colocar marcadores no chão do hospital para o robô guiá-los, seria viável usar um O sensor de baixo custo, bem como a carenagem, podem ser modificados de acordo com a aplicação “, explica.

“Temos certeza de que os tempos atuais chamam a atenção para o fato de que a robótica pode ajudar muito em situações como uma pandemia. Gostaríamos que o protótipo do nosso robô estivesse pronto em uma possível demanda futura”, diz Ridel. (Com o Jornal USP)

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *