COVID-19 | Nova cepa de coronavírus | Reino Unido | Paul Hunter: “Esta variante do vírus já circula há três meses, é quase inevitável que se espalhe globalmente” | MUNDO

De acordo com os critérios de

Saber mais

Em um artigo para ele , o renomado epidemiologista britânico Paul Hunter afirmou dias atrás que o surgimento da nova modificação do esta época do ano representa uma “tempestade perfeita” para a pandemia e é uma notícia “desesperadoramente ruim” para as tentativas de controlá-la. E não só no .

VEJA: “Mais do que medo, no Reino Unido a nova variante do coronavírus causa saciedade e nervosismo”

Para mim, os relatórios sobre a transmissibilidade da nova variante são ainda mais deprimentes do que eu esperava”, Diz o especialista em no respeitado corpo britânico. Segundo especialistas, essa variante do vírus pode ser até 70% mais contagiosa, o que tem levado muitos países a suspenderem suas ligações aéreas, marítimas e ferroviárias com os Reino Unido.

Em diálogo com O comércioHunter, que é professor de medicina na University of East-Anglia, discute os fatores que tornam a situação mais preocupante e questiona a eficácia das proibições de viagens para impedir a disseminação da nova variante do SARS-CoV-2.

Embora ainda existam muitas dúvidas sobre o assunto, o especialista destaca que há algo inegável: ainda estamos longe de superar essa pandemia e retornar à normalidade de uma certa forma.

– Como você se sentiu ao receber a notícia sobre a nova variante do vírus? O que é mais preocupante nessa situação?

Na verdade, a notícia me deixou muito doente. Uma das primeiras coisas que o primeiro-ministro Boris Johnson disse é que a nova variante provavelmente aumentou o valor R [tasa de reproducción del virus] em 0,4. No recente fechamento de novembro, só conseguimos diminuir o valor R entre 0,7 e 0,9, o que significa que mesmo em um fechamento nacional a propagação desta variante do vírus continuaria a aumentar. Isso não quer dizer que tais bloqueios e restrições sejam ineficazes e possam retardar o aumento, mas não podem revertê-lo.

Os passageiros são vistos no Aeroporto Heathrow de Londres na segunda-feira.  (Foto: EFE / EPA / Facundo Arrizabalaga)
Os passageiros são vistos no Aeroporto Heathrow de Londres na segunda-feira. (Foto: EFE / EPA / Facundo Arrizabalaga)

– Dezenas de países, incluindo o Peru, suspenderam os voos com o Reino Unido devido à nova variante do COVID-19. O que você acha dessas medidas? Quão necessários eles são agora?

Eu entendo por que esses países estão fazendo o que estão fazendo. Mas essa variante do vírus circula há quase três meses e quase certamente já se espalhou para muitas nações da Europa. Sabemos que está na Itália, Dinamarca e Holanda. A variante também já se espalhou para a Austrália.

Uma vez que a variante está em um país, as proibições de viagens não vão impedir que ela se espalhe; na melhor das hipóteses, podem atrasar as coisas por algumas semanas. É quase inevitável que essa variante se espalhe globalmente e cause sérios problemas na maioria dos países.

– O que a nova variante nos diz sobre o estado atual da pandemia?

Que ainda estamos longe de superá-lo.

– Como você acha que isso afetará o dia a dia das pessoas?

Isso atrasará nossa capacidade de voltar ao normal por alguns meses. Muito mais pessoas serão infectadas e terão que ser internadas no hospital, já que, infelizmente, mais pessoas morrerão como resultado desta situação.

Os viajantes caminham com suas bagagens na estação King's Cross, em Londres, na última segunda-feira, quando vários países da UE começaram a proibir viagens com o Reino Unido.  (Foto: Reuters / Hannah McKay)
Os viajantes caminham com suas bagagens na estação King’s Cross, em Londres, na última segunda-feira, quando vários países da UE começaram a proibir viagens com o Reino Unido. (Foto: Reuters / Hannah McKay)

– Como o desenvolvimento de vacinas pode ser afetado?

Duvido que tenha muito impacto. Atualmente não há evidências de que as vacinas disponíveis não funcionem contra esta variante, mas um trabalho está em andamento para confirmar isso. Se surgir uma variante que não é afetada pela vacina, isso não significa que tenhamos que voltar ao ponto de partida. É muito mais fácil modificar um vírus existente para ser eficaz contra uma nova variante do que desenvolver uma vacina a partir do zero.

– O que representa a aparência da variante do vírus nesta época do ano?

O aparecimento de novas variantes do vírus ocorre com muita frequência. Em todo o mundo, haverá milhares de mutações no genoma SARS-CoV-2. Mas a maioria dessas mutações faz pouca ou nenhuma diferença.

A probabilidade de uma mutação ocorrer em uma área depende principalmente do número de pessoas infectadas. Muito poucas infecções, como uma probabilidade muito baixa de mutação. Muitas infecções, então alta probabilidade de mutações. Se tivéssemos feito um trabalho melhor para reduzir a propagação da infecção durante a primavera e o verão, talvez não estaríamos na posição em que estamos hoje.

Paul Hunter é professor de medicina na University of East-Anglia.  Ele investiga a transmissão de doenças infecciosas emergentes e o impacto na saúde da água contaminada em países de baixa renda.  (Foto: University of East-Anglia)
Paul Hunter é professor de medicina na University of East-Anglia. Ele investiga a transmissão de doenças infecciosas emergentes e o impacto na saúde da água contaminada em países de baixa renda. (Foto: University of East-Anglia)

_______________

VÍDEO RECOMENDADO

Francisco Sagasti anuncia suspensão de voos da Europa

PODE INTERESSAR VOCÊ

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *