“COVID nos ajudou a descobrir uma nova maneira de criar este filme”

ainda de O território

Os últimos dois anos causaram muita contemplação e reconsideração das razões pelas quais fazemos nossos filmes, bem como as maneiras pelas quais os fazemos. Que aspecto da sua cinematografia, seja no seu processo criativo, na forma como financia os seus filmes, na sua metodologia de produção ou na forma como se relaciona com o seu público, teve de reinventar para fazer e completar o filme que traz para o festival? este ano?

O território é um filme sobre o conflito pela terra no território indígena da Amazônia brasileira, que foi co-criado com a comunidade Uru-eu-wau-wau.

Com a chegada do COVID no Brasil, nossa equipe internacional de cinema traçou uma linha dura para nós mesmos. Nenhum membro não-indígena de nossa tripulação colocaria os pés dentro do território indígena até que nossos colegas indígenas sentissem que era seguro fazê-lo. Sem vacina à vista, isso significava que precisávamos repensar todo o nosso modelo de produção. Desde o início, vimos este projeto como uma verdadeira parceria, um exercício de cocriação, mas a pandemia nos levou a ir mais longe.


Tendo passado meses antes da pandemia trabalhando com os Uru-Eu-Wau-Wau para desenvolver uma equipe de mídia indígena, a pandemia nos obrigou a colocar esse treinamento em prática. Por meio de entregas sem contato, entregamos um novo conjunto de câmeras de alta qualidade às aldeias Uru-eu-wau-wau e estabelecemos uma nova série de oficinas on-line sobre narrativa de filmes, som e documentários. Contratamos uma equipe de cinegrafistas indígenas para filmar isolados nas profundezas da floresta e os resultados foram espetaculares: ao me retirar da equação, tivemos uma perspectiva em primeira mão da experiência Uru-eu-wau. possível se tivesse sido filmado por estranhos. A filmagem vinda de Uru-eu-wau-wau é diferente de tudo que já filmamos antes: momentos íntimos em família, cenas de ação intensas e uma honestidade nas filmagens que nos ajudaram a nos conectar com os personagens de novas maneiras.

No final, ao nos obrigar a repensar todo o nosso modelo de produção, o COVID nos ajudou a descobrir uma nova maneira de criar este filme que reflete melhor as pessoas envolvidas nele. Para nós, a forma como criamos nosso trabalho sempre foi tão importante quanto o próprio produto final, e estamos extraordinariamente orgulhosos do filme que capturamos e da equipe que construímos por trás dele.

Veja todas as respostas à nossa pergunta anual do Sundance aqui.


You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.