Críticas à alegada ‘censura’ do Facebook e à ‘falta de transparência’ unem o PT e o dinheiro do bolso – 10/07/2020

Críticas à alegada 'censura' do Facebook e à 'falta de transparência' unem o PT e o dinheiro do bolso - 10/07/2020

As contas vinculadas aos assessores e apoiadores da família Bolsonaro foram retiradas da rede social, após serem acusadas de agir para “enganar o público”; A PT diz ter nove contas desativadas no WhatsApp.

Afetados de maneiras diferentes por pesquisas recentes no Facebook, Bolsonaristas e Petistas publicaram críticas semelhantes às redes sociais controladas por Mark Zuckerberg. Na avaliação de ambas as partes, o Facebook, WhatsApp e Instagram se comportariam como “censores”, não seriam “transparentes” e agiriam com motivação política.

As redes sociais, por sua vez, dizem que reagiram ao “comportamento abusivo” por perfis e grupos-alvo.

Os bolsonaristas sofreram um colapso na última quarta-feira (8), quando o Facebook nos Estados Unidos anunciou a derrubada de 88 contas vinculadas a consultores da família Bolsonaro e apoiadores no Brasil: 14 páginas no Facebook, 35 perfis pessoais, um grupo e outros 38 Páginas do Instagram.

O anúncio foi feito pelo conselho de segurança cibernética do Facebook nos EUA e gerou manchetes em todo o mundo. Segundo a rede social, diz-se que os funcionários públicos empregados pelos bolonaristas estão envolvidos “em comportamento coordenado não autêntico”, trabalhando em rede “para enganar sistematicamente o público doméstico, ocultando a identidade dos operadores”.

Em menor grau, no final de junho, o WhatsApp desativou nove contas vinculadas ao PT por suposta ativação automática de mensagens políticas.

Em uma nota, o WhatsApp disse que “seus produtos não foram projetados para enviar mensagens em massa ou automatizadas, o que viola nossos termos de serviço. Por meio de nossos avançados sistemas de aprendizado de máquina, podemos detectar essas práticas”.

Apesar da diferença de escala e seriedade dos supostos desvios apontados pela empresa americana, políticos tão antagônicos quanto os deputados federais Eduardo Bolsonaro e Gleisi Hoffmann surpreenderam os fãs ao criticarem o Facebook.

Eduardo Bolsonaro

Filho do presidente Jair Bolsonaro critica o Facebook por agir arbitrariamente, sem transparência no que define como “discurso de ódio”.

“Mesmo sem definir o que é um crime de ódio, a rede de Mark Zuckemberg (sic) excluiu vários perfis conservadores no Facebook e Instagram”, criticou Eduardo Bolsonaro no Twitter.

“Todas essas caronas, e também caronas, a narrativa do STF e a terceira rodada no TSE, que não reconhece o movimento espontâneo que elegeu Bolsonaro e os bolonaristas em 2018, preferindo acreditar na invenção de que existe uma rede de arquitetura por trás desse movimento “, continuou o deputado.

Assim como o pai e os irmãos Flavio e Carlos, Eduardo Bolsonaro emprega um dos funcionários públicos indicados pelo Facebook como operador de perfis falsos e disseminador de notícias falsas.

Paulo Eduardo Lopes, conhecido como Paulo Chuchu, diz em suas redes sociais que trabalha para a família Bolsonaro há cinco anos. Atualmente sediada no escritório de Eduardo Bolsonaro, a investigação publicada pelo Facebook o identifica como “um dos principais operadores de rede”.

Chuchu, também líder da Aliança para o Brasil, partido que o presidente deseja criar em São Bernardo do Campo, recebe um salário de R $ 7.800, segundo o Portal da Transparência.

Pesquisa indica que Paulo Chuchu seria responsável por O posto brasileiro, um suposto site de notícias que não denunciou o vínculo com a família presidencial, mas anunciou o novo partido e atacou seus rivais como se fosse um veículo independente. As páginas foram removidas no Instagram e no Facebook.

A investigação incluiu a participação do centro de estudos do Conselho Atlântico, cujo laboratório forense analisou as páginas antes da queda da plataforma e investigou a rede de contas falsas e notícias. A investigação também aponta para Tercio Arnaud Tomaz, consultor especial da Presidência da República, como administrador de uma conta no Instagram acusada de misturar “meias verdades” para chegar a conclusões falsas na divulgação de conteúdo.

“A atividade (da rede) incluiu a criação de pessoas fictícias que fingem ser repórteres, a publicação de conteúdo e o gerenciamento de páginas que fingem ser a mídia. O conteúdo publicado foi sobre notícias e eventos locais, incluindo política e eleições, memes políticos, críticas à oposição política, organizações de mídia e jornalistas e, mais recentemente, à pandemia de coronavírus “, disse o comunicado do Facebook.

Gleisi Hoffmann

Por outro lado, o presidente nacional e o deputado federal do PT para o Paraná Gleisi Hoffmann também criticou as redes controladas por Zuckerberg.

“Sem explicação ou aviso, o WhatsApp suspendeu o canal PT por distribuir notícias, legítimas e voluntariamente consentidas pelos usuários. Enviamos uma carta a Mark Zuckerberg pedindo esclarecimentos. É muito estranho o que está acontecendo”, afirmou o deputado.

Em nota, o PT diz que os canais do WhatsApp do partido foram censurados. Segundo o secretário de comunicação do partido, “a lenda foi impedida de se defender contra qualquer acusação”.

“A falta de uma resposta oficial à nossa declaração em 26 de junho indica uma falta de transparência na relação entre o WhatsApp e o Facebook com seus clientes, e o bloqueio em si prejudica nossos direitos como usuários do aplicativo”, disse Gleisi em nota. .

“O que está acontecendo é sério. Quero denunciar publicamente o bloqueio arbitrário do Facebook e a falta de transparência”.

Em nota enviada ao relatório, o WhatsApp no ​​Brasil afirmou que exclusões são comuns na plataforma.

“Proibimos constantemente contas por comportamento abusivo: mais de 2 milhões de contas são banidas em todo o mundo a cada mês. Estamos empenhados em reforçar a natureza privada do serviço e em manter os usuários protegidos contra abusos. Continuaremos a banir contas usadas para Envie mensagens em massa ou automatizadas e avaliaremos nossas opções legais em comparação com as empresas que oferecem esses serviços, como fizemos no passado no Brasil “, afirmou um porta-voz da aplicação.

A PT diz que o canal, chamado “Zap do PT”, foi criado para transmitir informações institucionais aos afiliados, que, por sua vez, deram voluntariamente seu consentimento para receber as informações.

“O lançamento deste canal foi tornado público, mesmo através de outros canais oficiais do WhatsApp”, diz o partido.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *