Damares deve explicar por que nomeou Sara Winter para o ministério

O Coletivo de Defesa dos Direitos Humanos (CADHu) ajuizou ação na Justiça Federal para obrigar o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos a explicar a nomeação e atuação da extremista de direita Sara Giromini, mais conhecida como Sara inverno.

De abril a dezembro do ano passado, desempenhou a função estratégica de chefe da Coordenação Geral de Atenção Integral à Gestante e Maternidade.

Sara ocupava cargo de confiança com um salário de R $ 5.685 e estava vinculada à Secretaria de Política Nacional da Mulher na pasta chefiada pelo pastor. Damares Alves.

A peça apresentada pelo grupo de advogados também exige explicações do secretário executivo do ministério, Sergio Luiz Carazzae solicita evidências para apoiar os critérios técnicos de seleção de Sara Winter.

Na ação, o grupo afirma que a extremista, como coordenadora, deixou o país por conta de agendas pessoais na Argentina e no Uruguai, deixando seu cargo vago sem justificativa.

0

Sara foi presa no âmbito de uma investigação que investigava ataques a Supremo Tribunal Federal (STF). Em junho, o ministro Alexandre de Moraes, o mesmo que autorizou a prisão, ordenou a libertação dos investigados, usando uma tornozeleira eletrônica.

A extremista se envolveu em uma polêmica recente ao revelar o nome e o endereço do hospital onde uma menina de 10 anos, grávida após ser estuprada pelo tio, faria um aborto legal.

Ele também pediu aos seguidores que viessem ao local para evitar a interrupção da gravidez. Na unidade de saúde, um grupo de religiosos radicais chegou a chame a criança de “assassino”.

Damares negou que Sara fosse a responsável pelo vazamento. Em entrevista à Rádio Gaúcha, ele afirmou que antes do vídeo divulgado pelo extremista, informando o nome da menina e o endereço da clínica onde ela seria recebida em Recife para realizar o procedimento de interrupção da gravidez, a identidade da menina já havia sido revelado durante a semana anterior à publicação.

“Sara Winter trabalhou por três meses aqui no ministério e saiu em outubro de 2019. Pelo que Sara Winter disse, em sua defesa, o nome dessa menina estava rolando em grupos diferentes, e ela tem uma maneira de mostrar que foi nomeada em homenagem a essa garota desde muito cedo. Sara Winter gravou um vídeo, mas não foi Sara Winter que vazou “, disse Damares.

ELE Metrópole questionou o ministério sobre o processo que exige esclarecimentos sobre as atividades de Sara Winter e aguarda resposta.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *