De olho no coronavoucher, a Cielo faz lobby com varejistas on-line com cartão de débito – 04/09/2020

Alphabet doará mais de US $ 800 milhões para ações de combate ao Covid-19 - 27/03/2020

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A Cielo está tentando convencer as redes de varejo a expandir a aceitação de cartões de débito nas compras online, como forma de participar do fluxo de fundos de emergência liberados pelo governo para combater a epidemia de Covid-19 e coronavoucher dobrado

O argumento da Cielo, a maior empresa de pagamentos do país, é que mais da metade do público-alvo do programa é composta por pessoas que não têm contas bancárias. Eles receberão o benefício por meio de um cartão de débito virtual gerado pela Caixa Econômica Federal, que pode ser usado para compras.

“Das aproximadamente 55 milhões de pessoas que receberão o benefício, aproximadamente 30 milhões não são correntistas”, disse à Reuters o CEO da Cielo, Paulo Caffarelli. “Embora eles não tenham uma conta bancária, muitos sabem como fazer compras online”.

O governo federal começou a pagar o benefício na quinta-feira, no primeiro dos três pagamentos mensais de 600 reais, destinados a trabalhadores informais. O programa deve injetar 98 bilhões de reais na economia.

Por razões de distinção tecnológica e de segurança, a maioria dos varejistas no país aceita apenas cartões de crédito para pagamento de compras on-line.

Segundo uma pesquisa encomendada no ano passado pela Abecs, uma entidade que representa o setor de meios de pagamento do país, cerca de 86% das pessoas que compram online pagam com cartão de crédito.

Muitos varejistas citam preocupações de segurança ao rejeitar pagamentos com cartão de débito, alegando que é mais difícil certificar que o comprador realmente é o proprietário do cartão, abrindo assim mais potencial para fraude.

No entanto, as próprias empresas de pagamento criaram mecanismos de segurança adicionais, bem como uma maneira de evitar a perda de transações por pessoas que não têm cartão de crédito.

Com o advento da crise causada pelo fechamento do comércio físico, à medida que os governos regionais de todo o país adotam medidas de isolamento social para tentar conter a pandemia, os varejistas estão competindo para tentar manter pelo menos parte do mercado. vendas pela Internet.

“É uma alternativa à venda para quem está de portas fechadas”, afirmou Caffarelli.

A Cielo, a maior empresa de pagamentos do país, sofreu uma queda de suas ações nos últimos anos, pois enfrentou uma concorrência agressiva de rivais cada vez mais especializados em pequenos varejistas como Stone e PagSeguro e Mercado Pago.

No entanto, no dia anterior, as ações da Cielo subiram 22% no B3, depois que analistas do UBS disseram em um relatório que a empresa deveria ser menos afetada no setor de mídia de pagamento pela crise do coronavírus. , dada a sua exposição aos principais varejistas.

Paralelamente à iniciativa da Cielo, o Mercado Pago, braço de pagamentos do Mercado Livre, também começou a informar seus clientes na quinta-feira que os beneficiários dos cupons corona podem usar os recursos solicitados pela empresa para pagar contas e enviar dinheiro para seus clientes. contatos.

Segundo o Sebrae, desde o início da epidemia no país, quase 88% das empresas do país viram suas vendas caírem, em média, 75%. A estimativa da entidade é que as empresas tenham recursos para permanecer fechadas por mais 23 dias.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *