Deaflympics: equipe imparável do Quênia deve bater recordes no Brasil – The Standard Sports

O bicampeão surdolímpico Simon Cherono Kibai reage após uma sessão de treinamento no Estádio Kasarani em 12 de abril de 2022. [Kelly Ayodi, Standard]

A equipe imparável do Quênia só pode sonhar em alcançar o ouro e quebrar recordes nos 24º Jogos Olímpicos de Verão para Surdos em Caxias do Sul, Brasil, de 1 a 15 de maio.

A equipe acampada no MISC Kasarani em Nairobi já está otimista para esta missão antes de sua partida para os jogos da próxima semana.

O contingente de 136 jogadores está otimista em fazer um show poderoso na final global com base em seu nível de condicionamento físico no acampamento.

O secretário-geral da Associação de Atletismo de Surdos do Quênia, Benard Banja, diz que é apenas ‘Avançar sempre, nunca voltar’ para atletas espirituosos.

“Nós nunca falhamos em nossa missão, nunca decepcionamos o país antes.

“Acho que teremos uma grande atuação no Brasil.

“Posso assegurar-vos que vamos fazer melhor e voltar com mais medalhas do que nos jogos anteriores”, sublinhou Banja.

Os sentimentos de Banja foram ecoados por Lilian Adhiambo, diretora da equipe de atletismo do acampamento, que reiterou que sua missão no Brasil é quebrar os recordes masculinos de 10.000m e femininos de 200m do bicampeão surdolímpico Simon Cherono.Kibai e Beryl Atieno Wamira, respectivamente . Desde 2013.

O país também buscará reduzir o recorde de obstáculos masculino detido pelo capitão da equipe queniana Lucas Wandia a partir de 2017 e o recorde de maratona masculina detido pelo ex-capitão Daniel Kiptum.

O país também vai defender as provas masculinas de 5.000m e 1.500m.

Sylvia Kamau, diretora executiva da seleção queniana, disse que os jogadores são muito ativos no campo.

Ela disse que os atletas são apaixonados pelas várias disciplinas para as quais estão melhorando o treinamento em Kasarani.

“Os jogadores foram totalmente financiados pelo Estado.

“Todas as instalações de treinamento do estádio foram apresentadas a eles.

“O governo também cuida das suas acomodações, subsídios, equipamentos de treino, entre outras necessidades”, sublinhou Kamau.

Kamau disse que o primeiro lote do contingente partirá para o Brasil na quinta-feira da próxima semana, enquanto o segundo lote sairá do país no sábado.

“As saídas antecipadas significam que os jogadores terão de 6 a 8 dias para se aclimatarem ao clima de inverno que se vive atualmente no Brasil”, disse.

Ao mesmo tempo, Miriam Opondo, diretora de ligação da equipe do Quênia, também se apresentou para esclarecer por que a equipe de badminton perderá a competição no Brasil.

“A equipe de badminton nunca participou do Campeonato Mundial ou do Campeonato Africano que eram eliminatórias para as Olimpíadas de Surdos”, disse Opondo.

“Pedimos a eles que continuem treinando duro antes do Campeonato Mundial de 2023 para que possam reservar uma vaga para os Surdosolímpicos de 2025”, disse ele.

Opondo explicou que a Federação de Esportes dos Surdos do Quênia (KSFD) apresentou o órgão regulador dos jogos mundiais para surdos, o

Comitê Internacional de Esportes para Surdos (ICSD), apresentando videoclipes da equipe de badminton do Quênia em treinamento e em ação para buscar um lugar para o país nos Jogos Olímpicos para Surdos. Infelizmente, o pedido foi rejeitado porque o ICSD disse que o padrão de disciplina do Quênia ainda é muito baixo.

O presidente da KSFD, Peter Kalae, e o chefe da missão do Quênia, Tom Okiki, esperam que o contingente itinerante levante a bandeira do país no Brasil.


You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.