Defensor indígena brasileiro Pereira enterrado com tradicional despedida

PAULISTA, Brasil, 24 de junho (Reuters) – Bruno Pereira, o defensor indígena brasileiro morto este mês enquanto investigava ameaças a tribos isoladas na Amazônia, foi enterrado na sexta-feira em seu estado natal, Pernambuco, no nordeste do país.

Pereira, 41 anos, pai de três filhos, foi sepultado após um funeral com a presença de familiares e índios brasileiros que prestaram homenagem ao homem que passou sua carreira estudando e defendendo os índios.

Cerca de duas dúzias de indígenas Xukuru se despediram de Pereira com canções e danças enquanto uma foto sua descansava em seu caixão, que estava coberto com as bandeiras de Pernambuco e do time de futebol Sport Recife.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

“Viemos aqui para homenagear nosso guerreiro, o guerreiro Bruno, que hoje se torna um mártir por todos nós, pela causa indígena”, disse Marcos Luidson, líder da comunidade Xukuru em Pernambuco.

Pereira começou a trabalhar para a agência indígena brasileira Funai em 2010 no Vale do Javari, uma área remota que abriga a maior concentração de tribos isoladas do mundo.

Foi lá que Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram mortos no início deste mês enquanto estudavam os esforços de tribos indígenas para se defenderem contra caçadores, garimpeiros, madeireiros e pescadores ilegais. consulte Mais informação

Pereira foi suspenso da Funai em 2019 após trabalhar com a Polícia Federal em uma operação que destruiu 60 barcos usados ​​por garimpeiros ilegais. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro havia repreendido no início daquele ano a polícia por destruir equipamentos apreendidos de garimpeiros e madeireiros ilegais. consulte Mais informação

A remoção de Pereira como alto funcionário da Funai foi parte de uma onda de cortes de funcionários e orçamentos na agência depois que Bolsonaro assumiu o cargo em 2019.

Mais tarde, Pereira ajudou grupos indígenas a patrulhar o Vale do Javari em busca de atividades ilegais de forasteiros, um trabalho perigoso que lhe trouxe várias ameaças.

As mortes de defensores de terras indígenas aumentaram para 10 em 2019 e 2020, em comparação com cinco nos dois anos anteriores combinados, de acordo com o grupo de direitos humanos Global Witness.

No funeral, o líder Xukuru, Luidson, pediu a responsabilização por Pereira, Phillips e todos os defensores indígenas mortos.

“Quantos outros líderes foram mortos? Quantos guerreiros nós temos que foram mortos lutando por território sem visibilidade? … Muitos outros”, disse Luidson.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Informações de Leonardo Benassatto e Diego Nigro; Reportagem adicional de Jake Spring e Anthony Boadle; Escrito por Brendan O’Boyle; Editado por Rosalba O’Brien

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.