Defensores de direitos questionam governo sobre OSCs -Newsday Zimbabwe

virginia mabhiza

QUARENTA E TRÊS importantes organizações internacionais de direitos humanos e assistência jurídica levantaram uma bandeira vermelha sobre o encolhimento do espaço cívico do Zimbábue e pediram ao governo que pare de estigmatizar as organizações da sociedade civil (OSCs).

As organizações incluem Robert F Kennedy Human Rights, African Centre for Democracy and Human Rights Studies, African Defenders, Centre for Women Human Rights Defenders in Africa, Consortium of Ethiopian Human Rights Organizations, National Coalition of Human Rights Defenders Uganda, Mozambique Human Rights Defenders Network, Associação de Diversas Mulheres da Namíbia, Coalizão Nacional de Defensores de Direitos Humanos de Uganda, Rede de Defensores de Direitos Humanos da África Austral, Rede de Defensores de Direitos Humanos de Mulheres da África Austral e Coalizão de Defensores de Direitos Humanos da Tanzânia.

Num comunicado divulgado na terça-feira, as OSC afirmaram que a segunda república do Presidente Emmerson Mnangagwa não deve fechar o espaço cívico.

“Pedimos ao governo do Zimbábue que desista de visar e traçar perfis negativos das organizações da sociedade civil, que prestam serviços inestimáveis ​​ao povo do Zimbábue e desempenham um papel vital na garantia da boa governança no país. Todos os indivíduos têm direito à liberdade de associação, e esse direito é frequentemente exercido por meio da operação e participação em organizações da sociedade civil”, afirmou a petição.

“Sob a administração de Mnangagwa, o governo restringiu cada vez mais a capacidade de atuação da sociedade civil e seguiu um caminho perigoso rumo ao quase fechamento do espaço cívico. As autoridades estatais realizaram ataques repressivos contra ativistas, jornalistas, defensores dos direitos humanos, líderes de partidos da oposição e vozes críticas de todos os setores da sociedade.

As OSCs denunciaram prisões e detenções arbitrárias, alegadas apreensões judiciais e intimidação de cidadãos, que, segundo eles, visavam reprimir a dissidência.

Eles disseram que as OSCs no país estavam sendo estigmatizadas por se envolverem em atividades legítimas, incluindo o desempenho de funções de vigilância, especialmente quando o país se aproxima das eleições de 2023.

Em outubro, durante a 73ª sessão regular da Comissão Africana de Direitos Humanos e dos Povos na Gâmbia, a secretária do Ministério da Justiça, Virginia Mabhiza, negou que as OSCs estivessem sendo atacadas.

Ela estava respondendo a uma submissão da OSC que afirmava que o espaço cívico está diminuindo e que o governo está elaborando leis opressivas para sufocar ainda mais as operações da OSC, como o projeto de emenda das Organizações Voluntárias Privadas (PVO).

Em resposta, Mabhiza chamou as OSCs de “malandros”.

Os peticionários disseram que o Zimbábue deveria aderir à Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos e garantir maior respeito e proteção às organizações da sociedade civil.

Condenando o uso de linguagem inflamatória por funcionários do governo, os peticionários disseram: “A comunidade regional e internacional deve continuar a pressionar o presidente Mnangagwa e outros funcionários do estado para descartar as seções problemáticas do projeto de lei de emendas. PVO, reflita as recomendações apresentadas por civis sociedade e promover um próspero espaço cívico dentro do país.”

Respondendo às perguntas do NewsDay sobre as petições, o ministro da Justiça, Assuntos Jurídicos e Parlamentares, Ziyaambi Ziyaambi, disse: “Infelizmente, não posso responder a você, pois sua postagem se concentra apenas nos aspectos negativos de qualquer narrativa”.

  • Siga Tafadzwa no Twitter @Tafadzw_Kachiko

tópicos relacionados

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.