Depois de rejeitar a idéia, o Facebook considera banir anúncios políticos – 12/07/2020

Depois de rejeitar a idéia, o Facebook considera banir anúncios políticos - 12/07/2020

O Facebook está considerando proibir anúncios políticos em sua plataforma nos dias que antecedem as eleições gerais dos Estados Unidos, programadas para novembro deste ano, informou o relatório. Bloomberg.

Segundo fontes familiarizadas com o assunto, ainda não há decisão, mas a empresa está discutindo a possibilidade de banir temporariamente esse tipo de conteúdo. A notícia vem em meio à forte pressão que o Facebook está sofrendo para agir melhor contra o divulgação notícias falsas e discurso de ódio.

O fato de o Facebook planejar proibir anúncios políticos dividiu opiniões. Por um lado, acredita-se que essa limitação ajudará a conter a disseminação de notícias falsas.

Grupos de direitos civis, sociedade civil e advogados exigem que a empresa forneça respostas mais concretas contra a desinformação. Uma auditoria recente divulgou um relatório na semana passada, mostrando que a empresa não conseguiu proteger os direitos civis, particularmente em relação ao conteúdo divulgado pelo presidente Donald Trump.

Por outro lado, há quem acredite que a limitação de anúncios pode prejudicar as campanhas de candidatos que se aproveitam dos últimos dias para responder perguntas e apresentar novas informações. Além disso, nesta fase do processo, ainda existem as últimas tentativas de incentivar os americanos a deixar suas casas para votar, pois a participação não é obrigatória.

Facebook x Zuckerberg

Se o Facebook realmente decidir proibir anúncios políticos, a medida seria contrária ao que o CEO e fundador Mark Zuckerberg vem defendendo há semanas. Para ele, a plataforma não deve ser usada para monitorar conteúdo político e que a liberdade de expressão é essencial.

Outro argumento é que possíveis exclusões de anúncios políticos podem prejudicar candidatos menores e que eles não têm muitos recursos financeiros para campanhas, de acordo com o relatório do New York Times.

Esse posicionamento de Zuckerberg e a falta de ações concretas de sua empresa tiveram um impacto negativamente. A sociedade civil destacou críticas duras à má gestão do Facebook de discursos de ódio e notícias falsas, empregados e empresas— vários já anunciaram que vão parar de fazer anúncios dentro da plataforma em um grande boicote.

Ao mesmo tempo em que o Facebook passa por esse turbilhão de críticas, outras redes sociais se posicionam com mais firmeza. Um exemplo é o Twitter, que já classificou (marcado em posts) alguns posts do presidente Donald Trump como violência potencialmente enganosa e divertida.

Em entrevista ao New York Times, Vanita Gupta, diretora executiva da Conferência de Liderança em Direitos Civis e Humanos, disse que é positivo que o Facebook esteja pensando em estratégias. No entanto, é importante que a empresa possa ter um sistema que identifique informações falsas em tempo real.

“A supressão dos eleitores acontece todos os dias, e sua inação terá ramificações profundas nas eleições”, disse ele.

Segundo o relatório, alguns grupos democratas não acreditam que a proibição de anúncios ou restrições políticas seja eficaz para acabar com notícias falsas. Os argumentos são:

  • Conteúdo falso pode circular facilmente em grupos fechados na rede social.
  • Essa limitação também afetaria as ferramentas digitais usadas nas campanhas eleitorais e poderia dificultar a aquisição de novos doadores.
  • Proibir o pagamento de anúncios no Facebook deixaria a disputa desigual. Donald Trump tem uma base de mais de 28,3 milhões de seguidores. O candidato democrata Joe Biden tem cerca de 2,1 milhões. Em breve, Trump teria uma vantagem mesmo sem ter que investir em anúncios políticos.

Como Bloomberg explicou, o Facebook ainda não tem nada decidido. A única certeza é que essa possibilidade de restringir ou não anúncios políticos na rede social continuará sendo objeto de muita discussão.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.