Descubra quais são os impactos da MP 927 nos contratos de trabalho.

A polêmica Medida Provisória 927, que surpreendeu os trabalhadores brasileiros, girou em torno do Artigo 18, que concedia permissão para suspender contratos e salários por quatro meses. Dúvidas deixaram a população preocupada com o que está por vir. Um novo texto deve ser enviado antes de sexta-feira (27/03).

O advogado Emmanuel Maurício explica que o simples anúncio do presidente não anulou o artigo na prática, apenas com a publicação da MP 928 foi revogada. “Na lei brasileira, a lei não pode ser retroativa. Como parlamentar é uma espécie legislativa, ele também não pode retroativamente. Isso significa que o artigo 18 já é válido por pelo menos um dia. Em outras palavras, todos os atos legais praticados enquanto a MP 927 estava em vigor serão considerados válidos ”, afirmou.

Segundo o advogado, é possível que “muitas empresas, no auge do sofrimento, já tenham assumido posições com base no artigo 18”. “Isso causará confusão para o judiciário porque a revogação não tem efeito retroativo. Em outras palavras, não é possível evitar o cancelamento de contratos com base nessa estrutura legal (da MP 927). Nem que o novo parlamentar tenha estabelecido que as suspensões do contrato de trabalho realizadas com base na redação anterior foram suspensas, porque o artigo 5 da Constituição diz que a lei não pode voltar de forma alguma ”, explicou Emmanuel.

A única maneira de eliminar esse instrumento do mundo jurídico é a inconstitucionalidade, que será declarada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), segundo o advogado. Uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) tem efeito retroativo, algo que a revogação por ato de outro MP não tem.

“Ele (Bolsonaro) foi rápido em dizer que revogou a medida pelo Twitter sem antes ter feito um instrumento legal, porque traz a ideia para as pessoas de que, com a simples palavra, ele pode revogar um deputado e isso não é verdade”. É necessário um ato legal, outro MP assinado e publicado, como foi feito com o MP 928. Não é assim tão simples. Existe uma burocracia e quanto mais tempo leva, mais problemas ela gera ”, alertou o especialista.

Além do controverso artigo, o documento apresentou outras medidas trabalhistas para enfrentar a pandemia e a preservação de empregos e renda, tais como: teletrabalho, antecipação de férias individuais, concessão de férias coletivas, uso e antecipação de férias, horário bancário, suspensão de requisitos administrativos de segurança e saúde ocupacional, direcionam o trabalhador para a qualificação e diferimento do pagamento do Fundo de Compensação de Demissão (FGTS). O especialista destacou as principais mudanças:

Teletrabalho

Pode ser instituído a critério exclusivo do empregador, independentemente da necessidade de alterar o contrato de trabalho individual. O prazo para notificação prévia de alterações no regime passou de 30 dias para 48 horas, por escrito ou eletronicamente. O ajuste para equipamentos e despesas será feito individualmente e, se o empregado não puder pagar, o empregador poderá pagar, mas sem natureza salarial.

Antecipação de férias individuais.

Você deve se comunicar 48 horas antes do funcionário e as férias não podem ser inferiores a cinco dias corridos, mesmo que o funcionário não tenha atingido o período de aquisição. Também está prevista a antecipação de férias futuras, ou seja, além da próxima, outras necessárias para cobrir esse período. Os trabalhadores pertencentes ao grupo de risco terão prioridade nas férias.

Suspensão de férias de saúde

O empregador pode suspender férias ou licença não remunerada para funcionários da área de saúde ou para aqueles que desempenham funções essenciais.

Pagamento de férias

1/3 adicional: só pode ser compensado até o limite de pagamento do salário 13. O valor referente às férias deve ser pago no quinto dia útil do mês seguinte, não mais com o adiantamento habitual. Em caso de demissão, as férias devem ser pagas em conjunto com o contrato de rescisão.

Férias coletivas

O empregador pode conceder férias em grupo notificando os funcionários com pelo menos 48 horas de antecedência. Não é necessário informar o órgão local do Ministério da Economia ou os sindicatos.

≥ Uso e antecipação de férias.

O desfrute de feriados não religiosos pode ser antecipado, com aviso prévio de pelo menos 48 horas, indicando os feriados utilizados. Os feriados podem ser usados ​​para compensar o saldo no banco de horas, conforme acordado pelo funcionário por meio de um contrato por escrito individual.

Banco de horas

Pode ser de até 18 meses, individual ou coletivamente ajustável. Esse período começa a correr a partir do final do decreto de calamidade pública. A recuperação do período interrompido pode ser feita estendendo a jornada de trabalho para duas horas, que não podem exceder 10 horas por dia.

Suspensão de requisitos administrativos de segurança e saúde no trabalho.

A obrigação de realizar exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares é suspensa, exceto para exames de demissão. No prazo de 60 dias após o término do estado de calamidade pública para realizar os exames anteriores. Se o médico coordenador considerar que a extensão representa um risco para a saúde do funcionário, ele indicará ao empregador a necessidade de realizá-la. O exame de dispensa pode ser dispensado se o exame médico ocupacional tiver sido realizado há menos de 180 dias.

Redução de pagamento do FGTS

A demanda pelo pagamento do FGTS pelos empregadores, referente às competições de março, abril e maio de 2020, com vencimento em abril, maio e junho de 2020, após suspensão, pode ser parcelada. , sem incidência de atualizações, multas e encargos, e pode ser pago em até seis parcelas mensais a partir de julho de 2020. Em caso de rescisão, não haverá suspensão da responsabilidade do FGTS.

Mudança de horário de trabalho para profissionais de saúde

Durante o período de calamidade pública, os estabelecimentos de saúde, mediante acordo escrito individual, podem estender o horário de trabalho e adotar horas extras entre 1 e 24 horas, sem penalidade, garantindo descanso semanal remunerado. . Esta extensão também se aplica a atividades não saudáveis ​​e horas de trabalho de 12 horas por 36 horas de descanso. As horas extras podem ser compensadas dentro de 18 meses, contados a partir do final do estado de calamidade pública, seja por horário bancário ou por pagamento como horas extras.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *