Desmatamento da Amazônia no Brasil aumenta para pior em 15 anos

RIO DE JANEIRO (AP) – A área desmatada na Amazônia Legal atingiu a maior alta em 15 anos, após um aumento de 22% em relação ao ano anterior, segundo dados oficiais divulgados quinta-feira.

O sistema de monitoramento do Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, mostrou que a Amazônia brasileira perdeu 13.235 quilômetros quadrados de floresta tropical no período de referência de 12 meses de agosto de 2020 a julho de 2021. Esse é o máximo desde 2006.

O recorde de 15 anos vai contra as recentes tentativas do governo Bolsonaro de reforçar sua credibilidade ambiental, tendo feito propostas ao governo do presidente dos EUA Joe Biden, e avançado em seu compromisso de acabar com o desmatamento ilegal na cúpula do clima das Nações Unidas em Glasgow. mês. O relatório da agência espacial, divulgado quinta-feira, é datado de 27 de outubro, antes do início das negociações em Glasgow.

A Amazônia brasileira não registrou um único ano com mais de 10.000 quilômetros quadrados de desmatamento em mais de uma década antes do início do mandato de Jair Bolsonaro. em janeiro de 2019. Entre 2009 e 2018, a média era de 6.500 quilômetros quadrados. Desde então, a média anual saltou para 11.405 quilômetros quadrados e o total de três anos é uma área maior que o estado de Maryland.

“É uma pena. É um crime”, disse à Associated Press Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de entidades ambientalistas sem fins lucrativos. A destruição do meio ambiente é sua política pública ”.

Bolsonaro assumiu o cargo com promessas de desenvolver a Amazônia e rejeitando protestos globais sobre sua destruição. Seu governo desencorajou as autoridades ambientais e apoiou medidas legislativas para relaxar a proteção da terra, encorajando os grileiros. Nesta semana, em uma conferência nos Emirados Árabes Unidos para atrair investimentos, ele disse à multidão que os ataques ao Brasil por desmatamento são injustos e que a maior parte da Amazônia permanece intocada.

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil não respondeu imediatamente a um e-mail da AP solicitando comentários sobre os dados do Prodes que mostram o aumento do desmatamento.

O estado do Pará foi responsável por 40% do desmatamento de agosto de 2020 a julho de 2021, de acordo com os dados, a maior parte de qualquer um dos nove estados da região amazônica. Mas seu aumento ano a ano foi pequeno em comparação aos estados de Mato Grosso e Amazonas, que juntos foram responsáveis ​​por 34% da destruição da região. Os dois estados sofreram 27% e 55% a mais de desmatamento, respectivamente.

E os primeiros dados para o período de referência 2021-2022 apontam para uma maior deterioração. O sistema de monitoramento mensal da agência espacial, Deter, detectou aumento do desmatamento ano a ano durante setembro e outubro.. O Deter é menos confiável do que o Prodes, mas é amplamente visto como um indicador importante.

“Este é o verdadeiro Brasil que o governo Bolsonaro tenta esconder com discursos fantásticos e ações de greenwashing no exterior”, disse Mauricio Voivodic, diretor executivo para o Brasil do grupo ambientalista internacional WWF, em nota após a divulgação dos dados do Prodes. “A realidade mostra que o governo Bolsonaro acelerou o caminho de destruição da Amazônia”.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.