Desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 150% no último mês de Bolsonaro

A Amazônia brasileira queima no sul do estado do Amazonas em setembro de 2022.

O desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 150% em dezembro em relação ao ano anterior, segundo dados do governo divulgados na sexta-feira, um relatório sombrio do ex-presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro em seu último mês no cargo.


O monitoramento por satélite detectou 218,4 quilômetros quadrados (84,3 milhas quadradas) de destruído na parte brasileira da maior floresta tropical do mundo no mês passado, de acordo com o programa de monitoramento DETER da agência espacial nacional.

A área, quase quatro vezes o tamanho de Manhattan, aumentou mais de 150% em relação aos 87,2 quilômetros quadrados destruídos em dezembro de 2021, segundo o INPE.

Bolsonaro, que foi sucedido em 1º de janeiro pelo presidente esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva, provocou protestos internacionais durante seus quatro anos no cargo devido a uma onda de incêndios e desmatamento na Amazônia, um recurso-chave na corrida para conter .

Sob Bolsonaro, aliado do agronegócio, média anual na Amazônia brasileira aumentou 75,5% em relação à década anterior.

“O governo de Bolsonaro pode ter acabado, mas seu trágico legado ambiental será sentido por muito tempo”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma coalizão de grupos ambientalistas, em comunicado.

Foi o terceiro pior dezembro registrado para o programa DETER de oito anos, depois de 2017 e 2015.

O desmatamento em 2022 também atingiu níveis recordes ou quase durante os meses cruciais da estação seca de agosto, setembro e outubro, quando a extração de madeira e os incêndios costumam aumentar devido ao clima mais seco.

Especialistas dizem que a destruição se deve principalmente a fazendas e grileiros que desmatam a floresta para gado e plantações.

Lula presidiu uma queda acentuada no desmatamento quando liderou o Brasil de 2003 a 2010.

Ele prometeu reiniciar os programas de proteção ambiental do Brasil, lutar pelo desmatamento zero e garantir que o gigante sul-americano deixe de ser um “pária” em questões climáticas.

© 2023 AFP

Citação: Desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 150% no último mês de Bolsonaro (6 de janeiro de 2023) acessado em 6 de janeiro de 2023 em https://phys.org/news/2023-01-brazilian-amazon- mês.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins privados de estudo ou pesquisa, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *