Dezembro terá uma conjunção de gigantes, eclipse solar e chuva de meteoros

O céu ainda tem surpresas para 2020. Pelo menos três eventos astronômicos marcarão, com florescer, o final deste ano.

Um mês agitado, segundo o doutor em física e professor do Instituto Federal de Santa Catarina, Marcelo Schappo.

Começando, no dia 13, com o pico da chuva de meteoros chamada Geminídeos. O fenômeno ocorre quando fragmentos de rocha entram na atmosfera do planeta Terra em alta velocidade e são incinerados.

A trilha de luz também é popularmente chamada de ” estrelas cadentes ” e, segundo Schappo, essa chuva de meteoros de dezembro é uma das mais esperadas pelo espetáculo visual.

Ouça o artigo sobre a Agência Nacional de Rádio:

Universo: dezembro traz a conjunção de gigantes do eclipse solar – Adrielen Alves

Trilhas leves

Para a observação dos geminídeos, o conselho é “ficar de guarda”.

” A ideia é ficar completamente longe das luzes da cidade, então olhar para o céu e colocar a guarda. Quanto mais aberto o céu, mais provável é a observação de meteoros, que são trilhas de luz de curta duração que aparecem no céu ”, orienta o físico.

No dia 14 é a vez de um eclipse solar, um alinhamento astronômico em que a Lua fica entre o Sol e a Terra.

Em países como Argentina e Chile o eclipse será total, mas aqui no Brasil será parcialmente observado. No sul do país, a cobertura ficará entre 40% e 60%. Já no Distrito Federal, será inferior a 10%.

De olho no céu

Mas, mesmo com o eclipse parcial, o professor do IFSC alerta para ter cuidado ao observar o sol.

“Muito importante que não seja feito a olho nu. A solução é comprar um ferro de solda para vidro, que pode ser encontrado em lojas de materiais de construção, com uma tonalidade 14, que oferece proteção segura. Nunca use filmes de raio x ou vidro fumê ”, avisa.

Encontro de gigantes

E, finalmente, e altamente antecipado, uma reunião de gigantes do nosso sistema solar que atingiu o pico em 21 de dezembro. É chamada de grande conjunção de Júpiter e Saturno.

O alinhamento dos planetas Júpiter e Saturno com a Terra é considerado relativamente raro porque ocorre a cada 20 anos, mas desta vez é ainda mais. Isso ocorre porque essa proximidade entre planetas não é vista há séculos.

E você já pode ver a maravilha dessa formação.

“O mais interessante a se notar na grande conjunção é que ela pode ser acompanhada ao longo do mês. No horizonte oeste, após o pôr do sol, você verá dois pontos que parecem duas estrelas, mas são Júpiter e Saturno. Noite após noite eles estarão mais próximos um do outro. A cúpula desse encontro será no dia 21. E depois disso, eles poderão continuar observando a distância ”, afirma o professor.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *