Dezenas ainda estão desaparecidas enquanto o número de mortos em enchentes na África do Sul sobe para 443

ETHEKWINI, África do Sul, 17 Abr (Reuters) – Equipes de resgate procuraram neste domingo dezenas de pessoas ainda desaparecidas na província sul-africana de KwaZulu-Natal (KZN), depois que fortes chuvas nos últimos dias provocaram enchentes e deslizamentos de terra que mataram mais de 440 pessoas.

As inundações deixaram milhares de pessoas desabrigadas, cortaram os serviços de água e eletricidade e interromperam as operações em um dos portos mais movimentados da África, Durban. Uma autoridade econômica da província estimou o dano total à infraestrutura em mais de 10 bilhões de rands (US$ 684,6 milhões).

O ministro-chefe da província, Sihle Zikalala, disse que o número de mortos subiu para 443, com outras 63 pessoas desaparecidas.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Em algumas das áreas mais atingidas, os moradores disseram que estavam com medo de mais chuva, que deve cair no domingo. Alguns enfrentaram uma espera agonizante por notícias de entes queridos desaparecidos.

“Não perdemos a esperança. Embora estejamos constantemente preocupados com o passar dos dias”, disse Sbongile Mjoka, morador da vila Sunshine no município de eThekwini, cujo sobrinho de 8 anos está desaparecido há dias.

“Estamos traumatizados com a visão da chuva”, disse Mjoka, 47, à Reuters, acrescentando que sua casa foi seriamente danificada.

Em uma área semi-rural próxima, três membros da família Sibiya foram mortos quando as paredes do quarto onde dormiam desabou e Bongeka Sibiya, de 4 anos, ainda está desaparecida.

“Tudo é um lembrete do que perdemos, e não ser capaz de encontrar (Bongeka) é devastador porque não podemos chorar ou curar. Neste estágio, nos sentimos vazios”, disse Lethiwe Sibiya, 33, à Reuters.

O gabinete do presidente Cyril Ramaphosa disse no sábado que havia adiado uma visita de trabalho à Arábia Saudita para se concentrar no desastre. Ramaphosa se reunirá com ministros para avaliar a resposta à crise.

O ministro-chefe da KZN, Zikalala, disse em uma entrevista televisionada que a inundação estava entre as piores registradas na história de sua província.

“Precisamos reunir nossa coragem coletiva e transformar essa devastação em uma oportunidade para reconstruir nossa província”, disse ele. “O povo de KwaZulu-Natal se levantará desse caos.”

(US$ 1 = R$ 14,6076)

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Siyabonga Sishi e Rogan Ward em eThekwini Escrito por Alexander Winning em Joanesburgo Editado por Barbara Lewis e Helen Popper

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.