Dias antes do novo presidente, velhas divisões destroem o Brasil

SÃO PAULO — Trombetas e caixas tocarão o hino nacional brasileiro na posse de Luiz Inácio Lula da Silva em 1º de janeiro. Em seguida, uma outra música será ouvida nas ruas, cuja letra aponta para o presidente cessante, Jair Bolsonaro.

“É hora do Jair, é hora do Jair… ir embora!” diz a carta. “Faça as malas, pegue a estrada e vá!”

Quando Lula garantiu seu escolha derrotou Bolsonaro em 30 de outubro, dezenas de milhares de pessoas cantaram a música familiar durante a noite, levando a música ao topo da parada do Spotify no Brasil e mostrando uma maneira que muitos brasileiros não estão prontos para espalhar.

Curar a sociedade dividida do Brasil será mais fácil falar do que fazer. As nomeações de Lula para o gabinete até agora favorecendo esquerdistas e partidários de seu Partido dos Trabalhadores estão alienando aqueles que confiavam no divisor de 77 anos para governar ao lado dos moderados e que uniram forças depois que Bolsonaro repetidamente testou as barreiras da quarta maior democracia do mundo.

“Governar o Brasil é negociar com agronegócios, evangélicos, ex-aliados de Bolsonaro. Pode ser frustrante para os eleitores indecisos de Lula, mas é isso que eles têm pela frente”, disse Carlos Melo, professor de ciência política do Insper, em São Paulo.

É claro que os partidários de extrema-direita de Bolsonaro não são a imagem da bonomia pós-eleitoral. Muitos rejeitam o resultado da votação e permanecem acampados em frente a prédios militares em todo o país, exigindo que a posse de Lula seja impedida.

As eleições brasileiras de outubro foram as mais acirradas em mais de três décadas, colocando dois arquirrivais um contra o outro. No discurso de vitória de Lula em 30 de outubro, ele declarou que “não há dois Brasis”, enquanto dezenas de milhares se reuniam do lado de fora de seu hotel em São Paulo para comemorar sua vitória e a derrota de Bolsonaro.

Um sinal de esperança para as ambições de construção de pontes de Lula veio dias depois, com esquerdistas e moderados mais uma vez vestindo a camisa amarela da nação para torcer por seu time no Copa Mundial. Por quase uma década, a camiseta foi um símbolo antiesquerdista e frequentemente aparece em protestos anti-Lula e pró-Bolsonaro.

Lula e seus aliados também vestiram a camisa amarela, na tentativa de recuperá-la; Ele postou fotos suas nas redes sociais, dizendo que verde e amarelo “são as cores de 213 milhões de pessoas que amam este país”. O vendedor Elias Gaspar disse que as camisas amarelas começaram a voar de sua prateleira à medida que as atuações bizarras do time eram filtradas.

“Antes da Copa do Mundo, eu vendia em média seis camisas azuis e quatro amarelas em cada dez”, disse Gaspar, 43 anos, em 4 de dezembro. “Agora está quase todo amarelo.”

O futebol foi uma força unificadora de curta duração. O Brasil saiu do torneio mais cedo do que o esperado após uma derrota nos pênaltis para a Croácia nas quartas de final, com a maioria dos brasileiros colocando suas camisas de volta nas gavetas. Os partidários de Bolsonaro são os únicos que ainda vestem as cores nacionais.

Lula evitou alimentar tensões, abstendo-se em grande parte de ataques públicos a Bolsonaro ou seus apoiadores, concentrando seus discursos em ajudar os brasileiros mais desfavorecidos quando retornar ao cargo que ocupou de 2003 a 2010. Às vezes, porém, nós contra eles. os comentários escaparam de seus lábios. No dia 22 de dezembro, ao anunciar os novos ministros, disse que o bolsonarismo continua vivo e revoltado entre os que se recusam a reconhecer a derrota eleitoral, por isso deve ser derrotado nas ruas do Brasil.

Para o cargo de ministro da Defesa, Lula escolheu o conservador José Múcio Monteiro após quatro anos de esforços de Bolsonaro para garantir a lealdade das Forças Armadas.

Outras indicações de Lula parecem forjadas para agradar sua base e partido, como Anielle Franco, irmã da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada, para ministra da Igualdade Racial. Ele também nomeou seu aliado de longa data Aloizio Mercadante para chefiar o banco de desenvolvimento do país, exatamente o tipo de cargo que os líderes empresariais esperavam que ficasse fora das mãos do Partido dos Trabalhadores.

Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores de Lula, disse que construir um gabinete seria um desafio, mesmo que Lula selecionasse apenas progressistas. Para complicar ainda mais as decisões está o fato de que alguns aspirantes a ministros são prováveis ​​candidatos presidenciais de 2026, já que Lula indicou que não concorrerá à reeleição.

“Temos nossas diferenças dentro do Partido dos Trabalhadores, agora imagine o que acontece quando trazemos uma dúzia de outros partidos”, disse Hoffmann em seus canais de mídia social em 16 de dezembro. “É um quebra-cabeça, leva tempo.”

Isso pode ajudar a explicar por que o número de ministérios quase dobrará, para 37.

O endosso centrista da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva e Simone Tebet, que terminou em terceiro lugar no primeiro turno da corrida presidencial, atraiu votos dos moderados do Brasil, um grupo demográfico que desconfia de Lula desde que a extensa investigação de corrupção da Lava Jato o levou à prisão em 2018. Com seu apoio, venceu Bolsonaro por menos de dois pontos percentuais. Muitos esperavam que eles fossem rapidamente anunciados como ministros, mas as negociações se arrastaram.

Thomas Traumann, um consultor político, disse que os atrasos refletem o fato de que o presidente eleito desempenhou um papel central nas negociações do cargo.

“Pessoas que o ajudaram, como Marina e Simone, serão mais baixas do que se fossem nomeadas logo após a vitória”, disse Traumann. “A sorte de Lula é que os moderados verão seu governo como muitos democratas de esquerda veem (o presidente Joe) Biden: eles podem não gostar do que veem, mas é melhor do que a alternativa.”

A tentativa de Biden de fechar o abismo político pode oferecer um modelo instrutivo, embora assustador, disse Brian Ott, professor de comunicação da Missouri State University que pesquisou o impacto estratificador das mídias sociais no discurso político americano.

No início de sua presidência, Biden não evitou o fato de estar governando um país polarizado e jogou com sua boa-fé como um retrocesso a uma era diferente em que democratas e republicanos podiam lutar no Senado antes de tomar conhecimento da sala de jantar. para negociar compromissos.

“O problema enfrentado por Biden e o problema enfrentado pelos políticos em 51% dos países como o Brasil é que pode não haver mais estratégias inteligentes para transmitir grandes mensagens sem alienar sua base”, disse Ott. “Estamos agora em um período em que a política é intensa e profundamente dividida culturalmente, em que as pessoas não precisam ser expostas a diferentes pontos.”

Em 22 de dezembro, Lula nomeou 16 ministros, totalizando 21 até agora. Nem Tebet nem Silva estão entre eles.

“É mais difícil construir um governo do que ganhar eleições”, disse ele, aconselhando seus nomeados a contratar funcionários de diversas origens. “Estamos tentando fazer um governo que, na medida do possível, represente as forças políticas que participaram de nossa campanha.”

Ele acrescentou que as pessoas que ajudaram e ainda não foram nomeadas serão contadas e têm uma dívida por “ousar arriscar o pescoço para enfrentar o fascismo”.

Ainda assim, muitos novos eleitores de Lula já estão inclinados a abandonar o barco. Uma delas é Thereza Bittencourt, 65, que falou em um clube militar no Rio e disse que os primeiros sinais a preocupam.

“Recebi muitas críticas dos amigos do clube porque votei no Lula. Todos eles elegeram Bolsonaro. Eu disse a eles que a gestão da economia seria melhor”, disse Bittencourt enquanto tomava sua caipirinha. “Se eu só vir militantes do Partido dos Trabalhadores no governo, adeus.” ———

O escritor da Associated Press, Aamer Madhani, em Washington, contribuiu para este relatório.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *