Domènec Torrent no Flamengo: conexão com Jorge Jesús através de Cruyff / Guardiola – 29/07/2020

Jorge Jesús fez um estágio com Johan Cruyff, que treinou e guiou Pep Guardiola, de quem Domènec Torrent era assistente.

O catalão, que deve ser anunciado oficialmente como o novo técnico do Flamengo hoje, é um desconhecido, já que praticamente qualquer um seria o sucessor de um trabalho que teve mais títulos do que derrotas. Acrescente a isso as dúvidas naturais sobre a adaptação a um novo país, a diferença no idioma e, principalmente, a pouca bagagem no comando técnico: ele era assistente de Guardiola quando estava em Barcelona, Bayern de Munique e Manchester City, mas treinou apenas equipes da Catalunha: Palafrugell, Palamós e Girona, além da experiência na cidade de Nova York em 2018/19.

Quais são as suas credenciais para esse desafio no Brasil e na América do Sul? O aval de Rafinha, que trabalhou com ele no Bayern, e o “selo de qualidade” por ser o profissional responsável pela execução do treinamento de Guardiola, com ele mais atento aos detalhes e correções. Certamente esse conhecimento de futebol Marcos Braz e Bruno Spindel consideraram, além do interesse em vir para um país ainda imerso na pandemia e assinar um contrato mais longo, de um ano e meio.

Também a ideia de mudar a estrutura deixada por Jorge Jesús. As diferenças, em essência, já seriam pequenas. As nuances que escapam da interseção entre as idéias de Jesus adaptadas ao longo do tempo na escola de Cruyff e a construção de conceitos de Guardiola acrescentam ao que ele aprendeu em Barcelona as experiências na Alemanha e na Inglaterra.

Em comum, a obsessão por retomar a bola no campo de ataque, a valorização da posse como controle, mas também a intensidade nos passes mais rápidos e verticais, além do volume de jogo com muitos jogadores que entram na área para finalizar e linhas de avanço. Eles também se concentram em bolas mortas, responsabilidade de Torrent no treinamento de Guardiola.

Torrent acredita mais no jogo posicional, com jogadores ocupando certos espaços para o trabalho coletivo funcionar. Jesus optou pela criatividade tática. Mas sem abandonar os princípios da organização ofensiva, como amplitude, profundidade e apoio ao jogador que tem a bola. Se Rafinha está atacando por dentro, alguém se abre da direita para fazer uma escolha, geralmente Everton Ribeiro ou Gabigol. O mesmo no lado oposto, com Filipe Luís, De Arrascaeta e Bruno Henrique. Sempre expandindo o campo para criar espaços.

Mas, pelo menos no começo, devemos ver menos variações táticas, como 4-2-3-1 com Everton Ribeiro no centro, Arrascaeta e Bruno Henrique no final e Gabigol no centro, adiando o jogo contra o Internacional pela Libertadores 2019. OR 4-3-3, com o uruguaio como “falso nove”, a dupla atacante nos flancos e Everton Ribeiro se juntando a Gerson no jogo contra o Atlético na Supertaça deste ano. No entanto, o DNA ofensivo e a sintonia com os mais recentes métodos e processos de treinamento refletidos nos jogos permanecerão intactos.

Torrent não foi a primeira escolha de Braz / Spindel e ele sabe disso. Talvez você ainda não tenha ideia do que vai enfrentar aqui: rivais com sangue nos olhos, um olhar distorcido dos técnicos brasileiros e a desconfiança de muitos jornalistas. E continua sendo uma aposta, como qualquer estrangeiro que desta vez não terá o tempo que Jesus aproveitou em 2019 para se acostumar e trabalhar em idéias.

Pode funcionar, justamente por causa do fio que liga a filosofia do jogo: de Rinus MIchels a Cruyff, este a Jesús e Guardiola, que chega em Torrent. Da Holanda, passando por Espanha e Portugal para desembarcar no Brasil. O objetivo continua o mesmo: manter o Flamengo vencendo e quebrando paradigmas no país.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *