E a popularidade da F1 no Brasil? “Verstappen e Norris têm muitos fãs ‘

Durante décadas, o Brasil foi um dos fornecedores de pistas para pilotos de F1. Não raramente, eles se tornaram campeões. Infelizmente, nos últimos anos não há mais brasileiros no grid. Porquê é isso? GPblog.com perguntou Rafael Lopes, editor brasileiro de automobilismo da Globo.

Depois da saída de Felipe Massa, infelizmente não há brasileiros na Fórmula 1. Qual brasileiro é o próximo piloto a ganhar um assento fixo na F1, você acha?

“Essa é a pergunta de um milhão de dólares. Acho que os dois mais próximos são justamente Sérgio Sette Câmara, piloto reserva da Red Bull e AlphaTauri, e Pietro Fittipaldi, piloto reserva da Haas. Eles estão muito bem posicionados para chegar lá. Não perca de vista Pedro Piquet, que vai disputar a Fórmula 2 este ano, e Caio Collet, comandado por Nicolas Todt, integrante da academia da Renault e que vai disputar a Fórmula Renault este ano. Esses são os principais nomes ”.

Ainda há muito talento brasileiro circulando nas categorias de juniores?

“Apesar da crise financeira que o país atravessa há alguns anos, ainda temos bons talentos nas categorias inferiores. Mas é fato que a questão financeira tem uma influência ruim. Para estar em boa posição para chegar à Fórmula 1, é Você precisa estar bem posicionado para provar uma vaga nos programas de pilotos de F1. E para isso você precisa estar na Europa desde cedo. E com um câmbio desfavorável, a tarefa é ainda mais complicada. Uma boa opção para eles é fazer carreira no Brasil. Hoje você pode ser profissional e ganhar um bom salário na Stock Car. Por isso, quando a situação é difícil do ponto de vista econômico, alguns tomam a decisão de seguir carreira no país. Esse é o cenário. “

Pietro Fittipaldi foi reconduzido como piloto de testes da Haas F1. Ele terá a oportunidade de conduzir os treinos livres na próxima temporada?

“Pelo que eu sei, o Pietro pretende tentar participar dos treinos livres este ano. Porém, ainda não há nada de concreto sobre isso ou um número fixo de atividades. Mas é bem avaliado internamente pela equipe de engenharia e chefes de Haas e eu achamos que ele terá uma chance este ano. “

Você terá a oportunidade de trabalhar para a Haas F1 ou outra equipe no futuro? Você não alcançou muitos resultados em classes de corrida atraentes nos últimos anos?

“Penso que Pietro está bem colocado para começar. Haas tem um dos pares mais instáveis ​​da grelha actual. E Romain Grosjean, que não patrocina a equipa e cometeu muitos erros nos últimos anos, o fará.” A temporada começa sob pressão. Diante dessa situação, acho que tem uma boa chance. Mas vai depender do desempenho deles ”.

A popularidade da Fórmula 1 no Brasil caiu drasticamente agora que não há mais um piloto brasileiro?

“A verdade é que não. Nos últimos anos, a audiência da televisão e da internet cresceu bastante, além do sucesso de bilheteria do GP do Brasil. O público do motociclismo formado nos últimos quase 50 anos aqui é bastante fiel Além disso, os ídolos da categoria vêm ganhando seguidores aqui, especialmente os mais jovens como Max Verstappen, Charles Leclerc e Lando Norris. Sem falar de Lewis Hamilton, que tem uma grande base de fãs aqui. Obviamente, se for um Los Os brasileiros estavam vencendo, ficaríamos ainda mais interessados. Mas o público vem crescendo nos últimos anos ”.

Lucas Di Grassi e Felipe Massa pilotam na Fórmula E. Ainda há um pouco de atenção para isso no Brasil?

“Acho que a Fórmula E ainda tem potencial de crescimento por aqui. A categoria é veiculada por meio de um canal de assinatura, o que reduz o alcance em relação à Fórmula 1, que é exibida na TV gratuita. o público automóvel só está crescendo. Ainda há muito preconceito, é verdade, principalmente pela falta de barulho. Mas está sendo superado ”.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *