É uma greve: os entregadores param hoje e desafiam a economia de aplicativos – 01/01/2020

É uma greve: os entregadores param hoje e desafiam a economia de aplicativos - 01/01/2020

“Queremos que a população saiba quanto custa o frete mais barato ou o mais barato”.

A sentença dita a Inclinação pelo entregador Edgar Silva, mais conhecido como “Gringo”, ele resume o sentimento de uma categoria nesta quarta-feira (1). Hoje, parte dos fornecedores realizará uma greve nacional com requisitos para aplicativos como iFood, Rappi, Uber Eats e Loggi, em um novo desafio à chamada “principal economia” do Brasil.

A previsão é de que a manifestação ocorra em vários estados do Brasil, incluindo atos físicos em alguns, e que chegue a outros países. Além da greve, os e-mails pedem aos usuários dos serviços de entrega que não pedam nada durante a quarta-feira, em apoio ao movimento.

Essa será uma nova tentativa dos provedores de serviços de aplicativos de chamar a atenção para os problemas no relacionamento empregador-empregado, que os aplicativos chamam de “parceiros”. Anteriormente, drivers de aplicativos como Uber e 99 tentavam atacar, mas o alcance era limitado.

O movimento começou a ser planejado nos últimos meses com alguns pequenos protestos e, segundo os distribuidores, apareceu organicamente nos grupos do WhatsApp devido à revolta contra as plataformas. Sua principal reclamação é sobre a precariedade do trabalho, que geralmente envolve trabalhar duro e ganhar pouco.

Nós só queremos ganhar melhor para ter um almoço decente, trocar partes da bicicleta e não ser precários. O novo normal não precisa ser apenas a máscara e o gel de álcool, é a nova maneira de trabalhar. Nós só queremos ser pagos
Gringo, presidente do Amabr (Associação de controladores de aplicativos e freelancers no Brasil)

A greve ocorre em meio a uma votação na Câmara de São Paulo que pode exigir um sinal vermelho para e-mails que desejam trabalhar em aplicativos. Associações como Amabr dizem que a nova lei dará mais segurança aos emails, enquanto críticos dizem que burocratizam o setor e excluem emails. A votação está na ordem do dia da sessão desta semana, após dois adiamentos.

O tamanho da greve é ​​um desafio

A expectativa é que a “falha do aplicativo”, como foi chamada a greve na Internet, cause uma interrupção no sistema de entrega. Mas, como é um movimento descentralizado, o tamanho do ato é imprevisível e é um desafio que motoristas de aplicativos como o Uber já enfrentaram na prática.

Para Juliana Inhasz, professora de economia do Insper, as greves nesses serviços só seriam bem-sucedidas se a sociedade adotasse os movimentos. Isso ocorre porque os aplicativos sempre se baseiam na lógica de “se você não quer trabalhar, há quem queira” e que muitos dos que estão no serviço não param porque dependem da receita do dia.

“Não importa quem fornece o serviço para parar se as pessoas que pedirem comida continuarem perguntando. Se ela [a sociedade] ele está preocupado com a precariedade, ele deve mostrar solidariedade e se juntar ao movimento “, diz ele.

A greve não tem uma liderança organizadora de eventos e os “motocas”, como gostam de ser chamados, dizem que nem sabem a origem da revolta.

“Foi aprovado pelo WhatsApp, Facebook, nos grupos. Estávamos entrando, nem sei quem puxou o bonde. A idéia é que todos se organizem nos Estados Unidos”, diz Alessandro da Conceição, conhecido como “Sorriso”, um dos os organizadores do protesto em Brasília. e que tenta assumir o papel de AmaeDF (Associação de Motociclistas e Liberadores Autônomos do Distrito Federal).

O personagem “sem líderes, sem partidos e sem sindicatos” acabou se tornando um mantra para atrair mais libertadores à ação. A mensagem é que o ato não é o resultado de uma associação ou entidade. Isso pode ajudar ou dificultar, de acordo com especialistas. “Pode ser positivo porque é orgânico, pode ser negativo porque, naquele momento, eles estão na luta pela sobrevivência”, diz Fábio Mariano, professor da ESPM e pesquisador em Sociologia do Consumidor.

Mesmo sem liderança, o movimento conquistou o apoio de figuras importantes da política nacional, como o ex-candidato presidencial Ciro Gomes (PDT) e deputados como Marcelo Freixo (Psol). Mas os e-mails rejeitam qualquer participação política na greve desta quarta-feira.

A intenção é que os revendedores desliguem os pedidos, mas em algumas cidades são esperadas manifestações físicas: em Brasília (DF) o movimento deve sair às 9h do estacionamento do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e seguir alguns pontos, como a Esplanada dos Ministérios.

Em São Paulo, manifestos nas mídias sociais mencionam reuniões como “quebradas”. Os panfletos ainda fazem ligações em “bolsos”, onde os e-mails se reúnem para aguardar os pedidos e trancam em shoppings, mercados e restaurantes. Também está planejada uma rota que partirá de Ponte Estaiada e chegará ao Masp às 14h na Avenida Paulista.

A greve deve “exportar” para outros países. De acordo com os e-mails, movimentos em outros países da América Latina devem se juntar à greve. Sorriso destaca que os trabalhadores da Argentina, Chile, Costa Rica. México, Equador, entre outros, devem se juntar ao movimento.

Pandemia: apreciação, mas menos poder de barganha

A pandemia de coronavírus gerou uma apreciação do trabalho do pessoal de parto, que passou a ser considerado uma “atividade essencial” e vital para o isolamento social, vinculando pessoas em quarentena em suas casas a itens como alimentos e produtos. em geral.

Ao mesmo tempo, a pandemia também reduziu seu poder de barganha, como analisa Inhasz. O aumento do desemprego, com um milhão de empregos formais cortados apenas este ano, atende cada vez mais à “principal economia” e deixa as aplicações com maior poder de barganha, pois possuem uma força de trabalho maior.

“Se você estivesse com pouco trabalho e muitas pessoas que queriam o produto, trataria muito bem seu funcionário. Hoje, com taxas de desemprego que estão apenas crescendo, fechando vagas formais, os aplicativos podem abusar mais”. O Master Insper aponta.

Atualmente, o número de fornecedores de aplicativos no Brasil não é relatado, mas estima-se que seja centenas de milhares, apenas na cidade de São Paulo existem 50 mil, de acordo com os aplicativos. Durante a pandemia, houve um aumento no uso de aplicativos e na equipe de entrega nas plataformas.

No período, uma pesquisa realizada por uma rede de estudos indica que os e-mails estão trabalhando mais e ganhando menos. Gringo, que trabalha como entregador há 22 anos, confirma a ideia de que os ganhos diminuíram com o tempo nas aplicações.

“Sofremos muito no CLT, estava engessado, não nos permitia ganhar mais. Quando entramos no aplicativo, ganhamos três a quatro vezes mais do que com o CLT, então estava apenas caindo e descendo. Foi então que percebemos que o aplicação abusava e ditava “, diz ele.

Segundo Mariano, os gerentes de aplicativos estão à beira da vulnerabilidade e podem ser facilmente substituídos no mercado, o que pode afetar o poder de uma greve. “Tecnicamente, uma greve é ​​muito bem-sucedida quando essas pessoas não são facilmente substituídas, como motoristas de ônibus, professores, funcionários de bancos, policiais. Agora, um entregador hoje, muitos precisam apenas de bicicleta”, diz ele.

Por outro lado, o professor da ESPM ressalta que o sucesso do movimento pode estar na capacidade de entrega de pessoas para sensibilizar a população e, de fato, mover-se com a empatia das empresas. “O ponto positivo que acontece no momento da pandemia é que todos conscientizam, ao contrário dos ataques de outras classes”, ele cita.

Os requisitos

Os empregadores fazem uma série de ações judiciais sobre aplicativos que, segundo eles, não oferecem diálogo. Entre os requisitos estão:

  • Ajuste de preço: Atualmente, varia em média entre R $ 4,50 e R $ 7,50 por solicitação, dependendo da equipe de entrega, que deseja um ajuste. A taxa também depende da distância percorrida; Segundo a equipe de entrega, está entre R $ 0,50 e R $ 1 por quilômetro no aplicativo.
  • Reajuste anual: Solicite um ajuste de serviço anual agendado.
  • Tabela de preços: Citado por alguns emails, seria uma tabela não ditada pelo governo ou pelos reguladores, mas construída entre emails e aplicativos.
  • Fim de blocos impróprios: reclamação constante de e-mails, que questionam as políticas de empresas que acabam punindo e-mails com bloqueios.
  • Entrega de EPP– Solicitar equipamentos de proteção para trabalhar com mais segurança durante a pandemia.
  • Suporte para acidentes: Se o revendedor sofrer acidentes ao usar a plataforma, a idéia é ter algum tipo de assistência.
  • Programa de pontos: Alguns emails questionam os sistemas que classificam os emails. Gringo cita Rappi que, segundo ele, exigiria que a pessoa trabalhasse “de domingo a domingo para obter os melhores pedidos”

Os requisitos são muito semelhantes à interrupção de drivers de aplicativos como o Uber e não cobrem direitos trabalhistas. Existem opiniões diferentes entre os entregadores sobre contratação e direitos, alguns preferem ter e outros não. Portanto, isso está fora da agenda.

O impacto das reivindicações

Para especialistas, as demandas são justas, mas são complexas e criam um paradoxo: ao mesmo tempo em que os correios estão dispostos a trabalhar como freelancers, exigem alguns direitos das empresas.

“Você precisa entender como é o setor informal da economia dos dois lados. O trabalhador precisa entender como é a economia e ceder de alguma forma, mas a empresa também precisa ceder”, diz Inhasz.

A solução, para ela, só virá com uma forte recuperação econômica que deixa os que têm direitos de um lado e aqueles que querem ser autônomos do outro, tanto por opção quanto pela possibilidade de mudar de setor quando desejarem. Isso daria mais poder de barganha aos provedores e menos força aos aplicativos.

Mariano vê os entregadores como “trabalhadores da mineração de carvão no século passado” e acredita que a tendência futura é, infelizmente para a classe, ser substituída por tecnologias como drones e carros autônomos.

“Os países não prepararam as pessoas para alcançar o século XXI. O mundo está avançando e estamos imaginando o que fazer com os excluídos. Eles podem ter alguns benefícios com essa demonstração para reduzir a insegurança no emprego, mas isso não se torna um direito” , compromisso. .

A greve também ganhou o apoio do sindicato dos empregadores (Sedersp) e dos trabalhadores (Sindimoto) dos fornecedores que trabalham com a CLT em São Paulo, mas eles não falam sobre a relação entre fornecedores e solicitações. Em uma nota, Sedersp diz que os aplicativos “excederam os limites aceitáveis, pois a maioria das reivindicações são direitos já conquistados pela classe trabalhadora de motociclistas “.

Os aplicativos citam “liberdade de expressão”

Inclinação Ele pesquisou os aplicativos iFood, Rappi, Uber Eats e Loggi para descobrir se eles tinham alguma posição no movimento dos revendedores.

A IFood disse que apóia a liberdade de expressão e que não impedirá que os e-mails participem dos movimentos. Além disso, a empresa respondeu a algumas das perguntas dos grevistas:

  • Blocos de entrega: A empresa diz que ocorre quando “a empresa recebe reclamações e tem evidências de não conformidade com as regras, que podem incluir, por exemplo, perda de pedidos, fraude de pagamento ou até atribuição de contas a terceiros”. Todos os casos passam por uma análise com a pessoa que entrega e, se houver um erro, a conta é reativada, dependendo do aplicativo.
  • Rejeição de pedidos: A empresa também afirma que não deve ser encarada como uma punição: “quando muitos pedidos são rejeitados, o sistema entende que o entregador não está disponível no momento e interrompe o pedido, reenviando os pedidos, em média, 15 minutos depois”. , afirma.
  • Classificação da pontuação: O aplicativo afirma que não possui essa classificação e que o algoritmo leva em consideração fatores como a disponibilidade e a localização da pessoa que efetua a entrega, bem como a distância do restaurante ao consumidor.
  • Forma de pagamento: o valor médio pago por rota, de acordo com o iFood, é de R $ 8,46, com valor mínimo de R $ 5 para distâncias curtas; o valor é informado antecipadamente para aceitar ou rejeitar a entrega. A empresa indica que a taxa horária média para entregas em maio era de R $ 21,80, o que seria mais de quatro vezes o salário mínimo correspondente no país. A IFood também afirma que o grupo de fornecedores que têm entregas como principal fonte de receita (37% do total) teve 70% a mais de lucro em maio em relação a fevereiro.
  • seguro: A iFood também diz que oferece pessoal de entrega de seguros de acidentes pessoais desde 2019, sem nenhum custo para os parceiros e cobrindo despesas médicas e odontológicas. O benefício é válido durante o período em que eles efetuam login no aplicativo e no “regresso a casa”, a uma hora ou 30 km do local da última entrega.
  • EPI: A empresa também afirma que, desde abril, entrega equipamentos a fornecedores, além de contar com recursos financeiros para quem apresenta sintomas de cobiça.

Rappi, por outro lado, também afirmou reconhecer o direito a uma manifestação pacífica gratuita e diz que sempre busca diálogo com os correios, além de enfatizar que ninguém será bloqueado por participar do ato. Sobre as reivindicações, o aplicativo diz:

  • Seguro de vida e associações: A empresa diz que oferece seguro de vida e parcerias para descontar as trocas de óleo desde o ano passado, além de abrir os Rappi Points, que são bases físicas para descanso.
  • Mapa de demanda e valores– A empresa diz que criou um mapa de demanda para orientar os fornecedores para locais com melhores oportunidades. A carga, ele diz, varia de acordo com o clima, o dia da semana, o horário, a área de entrega, a distância percorrida e a complexidade do pedido. A empresa também observa que observou um aumento de 238% no valor médio da gorjeta no aplicativo de fevereiro a junho e um aumento de 50% na porcentagem de pedidos de gorjeta, que são repassados ​​inteiramente à pessoa que entrega.
  • Programa de pontos: Afirma que é assim que “os parceiros de entrega com um número maior de pontos podem preferir receber pedidos, criando mais oportunidades para eles”.
  • Protocolos de segurança: A empresa cita entrega sem contato, entrega de gel de álcool e máscaras para fornecedores, um fundo para apoiar financeiramente fornecedores com a covid-19 e campanhas de prevenção como medidas tomadas na pandemia.

O Uber Eats e o Loggi não estavam posicionados até o fechamento deste relatório e, se o fizerem, o texto será atualizado.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *