Eleições dos EUA: Quem é Stacey Abrams, ativista que preparou o caminho para a ‘virada democrática’ na Geórgia | Mundo

O candidato democrata à presidência, Joe Biden, chegou mais perto da vitória eleitoral nesta sexta-feira (6) com a virada da contagem de votos no estado da Geórgia.

Com 98% das pesquisas contadas, a diferença de Biden com o republicano Donald Trump era de pouco mais de 1.500 votos, de acordo com o The New York Times. Autoridades estaduais já anunciaram que farão uma recontagem, independente do resultado final.

Mesmo com o palco aberto, porém, a atuação do candidato democrata no que é considerado um tradicional reduto republicano já é considerada uma façanha do partido. A última vez que um democrata conquistou todos os 16 delegados estaduais foi em 1992, quando Bill Clinton foi eleito presidente.

Parte da ação de 2020 tem sido atribuída à mobilização de ativistas que nos últimos anos têm se dedicado a aumentar a participação do eleitor negro e de outros grupos minoritários nas urnas. Votar nos EUA não é obrigatório.

Um dos expoentes desse movimento é a advogada Stacey Abrams, 46. Candidata ao governo estadual em 2018, ela perdeu por uma pequena margem de votos para o então candidato republicano Brian Kemp, após um tumultuoso processo de recontagem de votos que durou dias.

Da derrota ao recenseamento de 800 mil novos eleitores

Na época, Abrams acusou a campanha do adversário, que havia sido secretário de Estado, de trabalhar para suprimir os votos das minorias.

Um ano antes, a Geórgia havia aprovado uma lei, chamada de “lei da correspondência exata”, que exigia que os nomes dos eleitores nas listas de votação fossem exatamente iguais aos dos documentos de identificação do estado. Se houvesse um script ou sotaque diferente, o cidadão não poderia votar até que verificações adicionais sejam realizadas.

2 de novembro: Stacey Abrams, ex-líder da minoria na Câmara dos Representantes da Geórgia, fala em Atlanta – Foto: Brandon Bell / Reuters

Grupos de direitos civis entraram na Justiça na época contra a legislação, mas por causa disso, os registros de 53 mil eleitores, 70% dos quais eram negros, foram suspensos.

Desde pelo menos 2013, quando criou o New Georgia Project, Abrams vem trabalhando para aumentar a participação desses grupos entre os eleitores registrados.

Considerada um enclave de eleitores brancos conservadores, a Geórgia passou por uma transformação demográfica na última década.

Segundo o site da entidade, a população cresceu 18%, graças ao aumento da participação de negros, jovens entre 18 e 29 anos e mulheres solteiras.

Esses grupos representam 62% da população em idade de votar, mas apenas 53% dos eleitores registrados, diz a plataforma.

Após a derrota em 2018, Abrams expandiu seu papel e fundou a organização Fair Fight, que começou a denunciar o que era visto como falhas nos sistemas eleitorais da América e a incentivar as minorias e os jovens eleitores a exercerem seu direito de voto.

Jorge Pontual analisa os motivos pelos quais Biden lidera na Geórgia, tradicionalmente republicana

Em entrevista à rádio NPR em 2 de novembro, na véspera das eleições, Abrams disse que, nos últimos dois anos, a organização conseguiu registrar mais de 800.000 novos eleitores na Geórgia. Do total, 49% são negros e 45% têm menos de 30 anos.

Ele nasceu no estado de Wisconsin, cresceu no Mississippi e aos 16 anos mudou-se para a Geórgia com seus cinco irmãos e pais, que iriam estudar teologia na Emory University para se tornarem pastores.

Ela se formou no Spelman College em Atlanta, historicamente frequentada por mulheres negras, graduando-se com uma menção honrosa magna cum laude.

Em seguida, ele se formou na Universidade do Texas em Austin em políticas públicas e em direito pela prestigiosa Universidade de Yale.

O advogado foi deputado estadual por 11 anos, entre 2007 e 2017, e foi líder democrata por 7 anos.

Paralelo à carreira política, Abrams também se dedicou à literatura.

Sob o pseudônimo de Selena Montgomery, escreveu vários livros de ficção e, com o seu nome original, publicou recentemente duas obras de não ficção: o manifesto político Our Time is Now, lançado em 2020, e Lead from the Outside (2018).

Em entrevista à revista New York Times em 2019, quando questionado se gostaria de fazer uma pausa da vida política para se dedicar à escrita, respondeu: “Adoraria, mas o que me move agora e o que o momento exige. – é que procuro descobrir como posso, da forma mais eficaz possível, preservar e melhorar a nossa democracia e desafiar as políticas que continuam a agravar a pobreza ”.

Lista de reprodução: American Elections

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *