Eles me mandariam para o gulag, silenciado pela direita na América

Nos Estados Unidos, os atores de esquerda dominantes estão cada vez mais exigindo ações contra os de direita. Entre outras coisas, eles exigem reeducação, um gulag e o estabelecimento de uma polícia secreta, escreve a agência internacional de notícias V4NA.

Os conservadores nos Estados Unidos continuam sendo severamente atacados. E a mídia de esquerda também participa dos ataques. Seu clímax continua sendo Donald Trump. Na segunda-feira, funcionários da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos divulgaram documentos de um processo de impeachment constitucional contra o ex-presidente ao Senado, que decidirá responsabilizar o presidente. Nunca antes na história dos Estados Unidos um presidente que cumpriu seu mandato sofreu impeachment.

Na televisão ABC News, o analista político Matthew Dowd se aventurou ao ponto em que os primeiros dias da presidência de Joe Biden foram em II. em comparação com a Alemanha pós-Segunda Guerra Mundial.

“Outros países já passaram por isso, Alemanha, Japão, África do Sul, e antes de chegarmos à reconciliação e cura, temos que passar pela verdade e pela responsabilidade.”, em comparação com a Alemanha nazista, em comparação com a presidência de Donald Trump.

Ele acha que devemos conversar sobre o que Trump fez, quais são suas responsabilidades e qual poderia ser sua punição.

Na esquerda radical, a CNN, porém, já a palavra “desprogramação” foi usada em conexão com o direito, que significa essencialmente reeducação.

Chris Cuomo e Don Lemon, os apresentadores do canal, disseram que conversaram sobre o que os direitistas não gostam quando dizem que “as pessoas precisam ser desprogramadas”. Don Lemon sutilmente acrescentou que está falando sobre os crentes de QAnon e os crentes da teoria da conspiração. Segundo eles, a “mídia conservadora”, assim como aqueles que têm assento na Câmara dos Representantes e no Senado, fortaleceram o que consideram grupos extremistas como os Proud Boys.

Na esquerda americana, reeducar a direita é uma ideia recorrente. No ano passado, um portal investigativo chamado Projeto Veritas derrubou Kyle Jurek, um dos organizadores da campanha de Barnie Sanders, usando imagens de câmeras escondidas.

Jurek argumentou quena América, os gulags também serão necessários para reeducar os partidários de Donald Trump, e ele também expressou a opinião de que os campos de trabalho de Stalin eram “muito melhores do que o que a CIA disse aos americanos”.

“As pessoas trabalhavam por dinheiro nos gulags, onde as visitas dos cônjuges também eram permitidas. Os gulags eram, na verdade, campos de reeducação”, disse Jurek.

Aliás, entre 1924 e 1953, 1,5 a 1,7 milhão de pessoas morreram nos gulags, segundo historiadores.

Porém, a esquerda não iria apenas reutilizar a instituição dos gulags comunistas, o boato já havia começado.

Helena Duke, 18, também citou três membros da família depois de reconhecê-los em uma foto tirada durante o cerco ao Capitólio. A menina fez isso porque sua mãe não havia permitido que ela participasse de uma demonstração do Black Lives Matter.

Helena Duke se autodenominava lésbica liberal.

Antes da inauguração do escritor americano Done Winslow, Joe Biden compartilhou um vídeo que basicamente pede às pessoas que espionem seus conhecidos.

A gravação afirma que Donald Trump está criando um “novo exército”. O “novo exército” é chamado de “conservadores radicais extremos, também conhecidos como terroristas domésticos”. O vídeo mais tarde avisa que esses “terroristas” estão fazendo um trabalho normal e que muitos deles estiveram envolvidos no cerco ao Capitólio com a intenção de “matar Nancy Pelosi e enforcar o vice-presidente Mike Pence”.

O vídeo também diz que durante o debate presidencial, Trump supostamente não condenou aqueles que representavam a superioridade branca. No entanto, não se acrescenta mais que o presidente anterior o fez quase 40 vezes.

De acordo com o vídeo, a solução é um “exército de investigadores civis” que “monitora extremistas na Internet” e relata suas descobertas às autoridades. No vídeo, eles dizem que suas armas serão computadores e telefones celulares, e lembram que Osama Bin Laden também foi encontrado por um funcionário da CIA usando um computador.

Assim como a Stasi operava na Alemanha Oriental na época e a KGB na União Soviética, agora foi sugerido nos Estados Unidos que uma “polícia secreta” deveria ser estabelecida. Eles escrevem sobre o assunto em um artigo escrito no portal Daily Beast e afirmam no início do artigo que “existem agências nacionais de espionagem em outros países que lutam contra os extremistas em casa”.

De acordo com a narrativa dominante, aliás, o adjetivo “extremo” pode se referir a qualquer pessoa que não represente uma opinião baliberal.

Oliver Darcy, um funcionário da CNN, exigiu no início de janeiro que as operadoras de cabo removessem um canal de televisão conservador chamado Newsmax de seus pacotes. E Alex Stamos também falou na CNN sobre o fato de que há pessoas no YouTube que são “muito radicais” notando que sua audiência é maior do que a da CNN durante o dia.

Ele também disse que uma solução para o “problema OANN e Newsmax” também deveria ser encontrada.

“Essas empresas têm liberdade de expressão, mas não tenho certeza se precisamos da Verizon, AT&T, Comcast e outras para entregá-los a dezenas de milhões de residências”, disse ele.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *