Eles pedem que a Fórmula 1 corra na Turquia ou faça dois GPs do Brasil em 2023

Como esperado, o Grande Prêmio da China de 2023 foi oficialmente cancelado, marcando mais uma temporada sem uma visita ao Circuito Internacional de Xangai.

Enquanto a maior parte do mundo voltou a algum tipo de normalidade após a pandemia de coronavírus, a China continua vivendo com uma abordagem ‘Covid zero’.

O país parece pronto para reabrir ao mundo apenas depois de eliminar completamente a doença da nação, que tem 1,4 bilhão de habitantes em 2021.

O Grande Prêmio da China estava programado para acontecer em 16 de abril de 2023, duas semanas após o Grande Prêmio da Austrália e duas semanas antes do Grande Prêmio do Azerbaijão.

LER: Michael Andretti atualiza sobre entrada na equipe após receber advertência do CEO da F1

Para contextualizar quanto tempo se passou desde que a F1 correu na China, quando o país sediou uma corrida pela última vez em 2019, Pierre Gasly estava pilotando pela Red Bull e Nicholas Latifi estava competindo na Fórmula 2.

Além disso, Daniel Ricciardo estava correndo pela Renault e Charles Leclerc estava em sua primeira temporada na Ferrari.

A Fórmula 1 está procurando encontrar uma corrida substituta; no entanto, nada será decidido ou anunciado até o ano novo.

O cancelamento do GP da China, na verdade, causa um grande problema para o esporte, já que sem ele há agora um intervalo de quatro semanas entre as corridas da Austrália e do Azerbaijão.

Dada a improbabilidade de que uma corrida possa se mover, uma substituição é aparentemente uma expectativa muito provável, mas onde?

Encontrar um anfitrião de última hora não é uma tarefa fácil, especialmente considerando o quanto custa organizar um Grande Prêmio.

Um retorno a Portimão é um candidato relatado, e o local já recebeu corridas em 2020 e 2022 como substituto.

Isso não parece particularmente lógico, no entanto, dado que o esporte transportará toda a equipe da Austrália para a Europa, em vez da Ásia primeiro.

Os custos disso terão que ser considerados, especialmente com o quão rigoroso o esporte é sobre o limite orçamentário.

Uma corrida na Ásia ou no Oriente Médio faria mais sentido estrategicamente e manteria os custos baixos, em vez de enviar tudo diretamente para a Europa.

Após o anúncio, alguns fãs foram às redes sociais para sugerir onde acham que a corrida alternativa deveria acontecer, com uma pessoa sugerindo Istambul.

“Antes do GP do Azerbaijão, o GP de Istambul seria ótimo. E o transporte será fácil”, escreveu o usuário.

Embora Istambul tenha uma localização interessante tanto na Ásia quanto na Europa, seria uma solução mais lógica do que Portugal, dada a proximidade da Turquia com o Azerbaijão.

Outros sugeriram uma corrida em Kyalami na África do Sul; no entanto, novamente, isso não faz sentido logístico.

Outro usuário escreveu: “Acho que deveria ser Sepang para reduzir ainda mais o pesadelo logístico, mas adoraria Hockenheim ou Magny Cours!”

Um retorno do Grande Prêmio da Malásia seria uma solução brilhante, dada a distância entre Melbourne e Sepang, mas é altamente improvável que a F1 queira retornar à Malásia.

O GP da Malásia foi retirado do calendário há alguns anos por falta de receita, e o evento também era incrivelmente caro para sediar.

LER: Toto Wolff diz a Lewis Hamilton e George Russell para “correr mais rápido”

Realmente vai ser uma dor de cabeça para o esporte, dada a distância da Austrália para a Europa.

Alguns fãs brincaram com a introdução de uma segunda corrida em Interlagos, com a entrega sendo “ano após ano”.

“Qualquer corrida que sair do calendário deve ser substituída por (outra) corrida em Interlagos. Simplesmente entrega ano após ano!” exclamou o usuário do Twitter.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *