Em sessão: DJ IC – Música

Conte-me sobre sua decisão de estudar contabilidade.

Muitos dos meus amigos são formados. Fui para a escola, tirei boas notas, fiz faculdade, estudei informática e só fiz isso graças ao meu tio, que eu admiro, ele desenvolvia software. Então sendo um menino e sempre indo pra casa do meu tio, ele também é importante na cena da casa, ele conhece muita gente, ele foi um modelo pra mim e eu pensei, sim, eu quero fazer isso pelo meu tio. , Eu continuei, mas odiei. Então, conforme você envelhece, as circunstâncias mudam, eu também tenho filhos, então pensei, preciso fazer algo que seja sólido. Então pensei: as pessoas sempre vão precisar de contadores, sou muito bom em matemática, por que não? Eu mantive minha posição, obtive meu diploma e agora construí meu próprio negócio. Então essa é a decisão, é por isso que me afastei da música. Essa foi uma das decisões mais difíceis que já tive que tomar. Porque, como uma pessoa apaixonada por música, ir embora e assistir meus amigos tocarem toda semana, no rádio toda semana, e não fazer parte disso dói. Mas eu sabia na época, no fundo, que no longo prazo isso me beneficiaria enormemente.

Você é DJ há mais de uma década. O que o mantém motivado?

O frescor da música e dos meus companheiros. Enfim, adoro música, cresci rodeada de música, minha mãe sempre tocava música a maior parte da semana, apenas tocando reggae a todo vapor. Adoro receber novas músicas. O que me motiva também é ver meus colegas: na época que estávamos na Rinse FM, Kismet e eu fazíamos música e todas as semanas íamos ao show com música nova para tocar. Obviamente estamos no mesmo time, estamos no mesmo campo, mas é uma competição amigável, então ele vai jogar uma pista e eu vou pensar, meu Deus, isso é um sucesso absoluto, quero ir para casa e fazer uma nova para tentar fazer algo melhor! Mas, na verdade, o que eles estão fazendo é construir o catálogo um do outro e continuar se empurrando e, como DJs, também fazemos isso. Alguém vai fazer um set e você pensa, cara, foi um set de qualidade! Quando chegar a sua vez, você vai querer fazer uma série ainda melhor. E são eles que o impulsionam e continuam pressionando.

Leia isto a seguir: 20 atos do Black UK House Music que você deve conhecer

É o mesmo com meus amigos que fazem música, eles me mandam música, eu recebo música o tempo todo. E isso só faz você querer ir para o estúdio e fazer faixas ainda melhores ou algo nesse nível. Portanto, são as coisas que me movem; não só a competição amistosa dentro de casa, mas também algo para agradar as pessoas quando elas estão sentadas e querem ouvir boa música. Agora estou na idade em que tento fazer boa música, não apenas ritmos. Música com longevidade, música que dura anos, então esse será o teste para mim agora, se eu puder fazer isso. Eu sei que posso fazer as batidas para as pistas de dança, mas posso fazer as batidas resistirem ao teste do tempo? Então é onde estou agora. É isso que vou tentar e almejar.

Você está em Circle e em My Tribe My Vibe: qual a importância da comunidade?

Eu cresci na propriedade Aylesbury e a comunidade era enorme. Eu era um dos mais jovens da fazenda. Dentro do meu grupo de companheiros, eu ainda era um dos mais jovens. Muitos dos mais velhos cuidaram de mim e me orientaram a sempre tomar as decisões certas. Era um sentimento de família, uma família extensa, então quando as pessoas me veem dizer “irmão” e “irmã”, pensam que é porque são as palavras de hoje. Na verdade, digo isso porque é isso que quero dizer, porque são pessoas com quem cresci e sempre cuidaram de mim. É aqui que estamos agora e procuramos sempre ajudar os mais novos que também estão a progredir. Você fala de comunidade e isso se perde na sociedade de hoje e isso é algo que, como quem cresceu com ela, se sente um pouco magoado. Porque muitas das crianças que crescem hoje não têm esse senso de comunidade. Todo mundo diz: “Eu vou cuidar de mim” e não deveria ser por causa disso. Você deve sempre se orgulhar do lugar onde cresceu, de sua comunidade e das pessoas que sempre estiveram naquela área. Você precisa de pessoas não só para cuidar de você, mas às vezes precisa de gente com quem conversar, às vezes precisa de gente para desabafar, valorize os bons e os maus momentos. E isso é o que a comunidade significava para mim quando eu era pequena. Você também pode passar isso ao lado da música. Eram muitos sons quando eu era pequena, tínhamos 11 ou 12 anos na fazenda e íamos a festas em casa com os adultos, tinha gente da fazenda, mas também de Peckham, Dulwich, Croydon. A música conecta as pessoas. Isso é o que vi em minha comunidade. Isso é algo que muitos da geração de hoje provavelmente nunca experimentarão.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *