Entre a covid-19 e o desemprego: quem mantém a internet no ar vive com medo – 02/04/2020

Entre a covid-19 e o desemprego: quem mantém a internet no ar vive com medo - 02/04/2020

Na vanguarda da manutenção de serviços de telecomunicações, como a Internet e a TV paga, os técnicos de reparo e instalação têm trabalhado continuamente para fornecer um serviço. serviço essencialMas eles lutam para manter as pessoas conectadas em tempos de pandemia.

Os clientes querem consertar seus equipamentos, mas sem deixar técnicos entrarem em suas casas. Alguns condomínios os submetem a questionamentos reais sobre o coronavírus e até os acompanham ao banheiro para lavar as mãos. Embora tenham medo de serem infectados, os profissionais entram em contato com os pacientes.

Em algumas regiões, foi necessário recorrer à justiça para garantir que as empresas fornecessem kits de higiene. Além disso, a queda nos pedidos os faz temer por seus empregos quando a crise da saúde passa.

“Se os próprios parentes evitam visitas, imagine deixar um técnico entrar em casa. Muitas pessoas evitam isso”, diz Mauro Cava de Brito, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Estado de São Paulo (Sintetel). Com aproximadamente 40% dos 100.000 técnicos no Brasil, o estado possui o maior número de profissionais do segmento.

O relatório falou com dois deles, que preferem manter seus nomes para evitar problemas no trabalho.

J *, 37 anos, trabalha há 14 anos em uma empresa de telecomunicações e geralmente trabalha em Santana, um bairro na parte norte da capital. Na semana passada, ele chegou a uma casa onde já havia trabalhado cerca de 40 dias atrás. Uma caixa de TV paga estava queimada e precisava ser substituída.

Ao entrar na casa, ele foi recebido por uma velha. A princípio, ele notou que ela não tinha máscara e ficou a três metros dele. Então ela disse que havia um paciente com covid-19 em casa. Foi o seu marido.

“Embora eu estivesse preparada para entrar, foi um golpe”, disse J. *, que usava máscara, protetor de pés e luvas. “Mas eu não pude exortá-la, porque ela já está sofrendo dentro de sua casa. Se eu tremer quando ouvir isso, vou deixá-la mais zangada.”

Como o dispositivo que precisava de reparo estava no escritório de seu marido, professor de direito da universidade, o técnico foi trazido para lá. Nova surpresa Divisores de vidro foram instalados para separar os cômodos usados ​​pelo mestre do resto da casa. Ele podia até andar por um espaço reservado no pátio.

“Desde que eu sabia qual era o defeito, a mulher me acompanhou até a porta e ficou do outro lado. [as escadas]Tirei o equipamento, levei-o para outra sala e joguei-o fora. Eu nem o levei para o meu carro “, explicou.” Eu nem entrei na sala. Você saberá como eu estava limpando o lugar. “

Depois que o trabalho foi concluído, ele pediu ao supervisor para voltar para casa. “Troquei totalmente de roupa, lavei tudo, limpei todas as minhas coisas, limpei meu carro porque tive que trazer a mochila que estava em contato com a residência. Limpei tudo e depois voltei ao trabalho”. Isso te deixou em paz? De maneira nenhuma.

Aliviado, você não fica. Não tem como. Eu tenho uma família, tenho uma esposa, dois filhos e um bebê pequeno. Você é propício a isso, ainda mais quando os casos aumentam cada vez mais
J, técnico de manutenção

A visita técnica também incluiu um reparo na Internet de E., 30 anos, que trabalha com telecomunicações há seis anos. Nesse caso, a manutenção era realizada na rua, porque a mulher preferia que ele não entrasse. Depois de verificar a conexão do cabo, ele a instruiu sobre como ela deveria verificar se tudo estava funcionando. Isso se tornou comum.

“A maioria dos serviços que prestamos não entram. Infelizmente, por um lado, e felizmente por outro”, diz E. Segundo J., um cliente estava com tanto medo de deixá-lo entrar que pediu o equipamento. para pendurar na janela “Eu tive que voltar outro dia para resolver o problema”.

Quando a entrada é autorizada, a preocupação é diferente. Na semana anterior, E. visitou dois prédios e neles foi submetido a um sábado real pelo zelador. “Você tem coronavírus?”, “Você está tossindo?”, “Você tem outros sintomas?”, “Você tem álcool em gel?” Foram algumas das perguntas.

Então eles o levaram ao banheiro para lavar as mãos com água e sabão e no elevador ele teve que usar gel de álcool. Na casa do cliente, a mulher pediu que ele lavasse as mãos novamente e esfregasse o álcool gel na frente dela, antes de colocar as luvas e a máscara.

Não há banheiro e almoço na rua.

Com restrições durante a pandemia, é difícil atender às necessidades mais básicas. “Se você quiser usar o banheiro, não podemos fazê-lo, porque os clientes não o deixam entrar”, diz J ..

A hora do almoço é outra coisa. Como os restaurantes evitam receber pessoas, os técnicos colecionam lancheiras e comem onde podem. “Costumávamos almoçar em restaurantes, mas agora apenas almoçamos e esvaziamos. No outro dia, comemos na praça. Estamos sofrendo muito”, diz J ..

Pedidos suspensos

Isso não aconteceu apenas em São Paulo. “Os operadores estão sentindo o impacto, porque muitos dos clientes não permitem a entrada de técnicos, principalmente em condomínios. Alguns nem fazem um pedido, por medo de que o técnico contamine e espalhe o coronavírus”, diz Rogério Soares, presidente. do Sinttel-SC. O estado reúne cerca de 8 mil técnicos.

Segundo a Sintetel, houve uma queda de 40% nos pedidos de reparo e uma queda de 50% nos pedidos de novas instalações em São Paulo. “O serviço está caindo demais. Se o cara está em seu escritório em casa e a Internet cai, ele fica desesperado e reclama. Agora a linha [de telefone], a pessoa acaba saindo para reclamar mais tarde “, diz Klinger dos Santos Lopes, supervisor de telecomunicações de um provedor de serviços da Vivo.

Isso já colocou uma pulga atrás dos ouvidos dos trabalhadores de telecomunicações, mas por enquanto a preocupação é com a saúde. Tanto que a Sinttel-SC foi a tribunal para garantir que os operadores forneçam um kit de higiene. “Os operadores estavam realmente colocando trabalhadores em risco sem nenhuma proteção”.

A Vivo informou que a decisão foi suspensa depois que a empresa demonstrou que está “em conformidade com as medidas para proteger a saúde dos funcionários de campo” e que “toma todas as medidas de segurança e saúde determinadas pela Organização Mundial Saúde (OMS) e Ministério da Saúde em relação ao Covid-19 “.

A Claro afirmou que estava “garantindo aos funcionários condições de segurança adequadas para a prestação de serviços”. A Oi não respondeu.

Medo de perder meu emprego.

Os técnicos de SP ouvidos pelo relatório dizem que recebem esse tipo de equipamento de higiene. No entanto, o sindicato já está se preparando para negociar para preservar o emprego de profissionais.

“Além de uma questão de perda de vidas que é lamentável para nós, teremos um forte impacto na economia, no emprego. Algumas empresas já estão muito preocupadas”, diz Brito, da Sintetel.

A idéia, já discutida com as empresas, é abrir caminho, mas manter os empregos. “Se você deixar 50% no trabalho, é muito mais fácil negociar uma redução na carga de trabalho com a empresa do que demitir 50% da força de trabalho. É melhor manter 100% dos trabalhadores em 50% da população. horas de trabalho do que apenas manter 50% de trabalho “. “Temos que pensar globalmente”, explica ele.

Diante de tudo isso, Brito já está preparando o espírito para o pior. “Quando a pandemia terminar, precisaremos de resistência”.

* Os nomes dos técnicos foram removidos a seu pedido.

SIGA A INCLINAÇÃO NAS REDES SOCIAIS

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.