ESSE LIXO TAMBÉM TUDO E NÃO DESISTIU: Arquiteto e engenheiro estrutural veio a Petrinja para ajudar, então foram soterrados por um terremoto (FOTO)

O estatístico Sanda Komesar, o arquiteto Vladimir Ževrnja e o construtor Dalibor Radonić ficaram presos nos escombros da casa já danificada em Petrinja, onde estavam no momento do forte terremoto de ontem. Um colega agrimensor ficou do lado de fora para ajudar seus colegas capturados. Todos os três foram resgatados dos escombros, assim como o proprietário mais velho que estava com eles no momento do colapso.

Index.hr conversou com Sandra Komesar e Vladimir Ževrnja sobre o que eles experimentaram ontem em Petrinja.

O comissário está bastante ferido, ela também tem uma costela quebrada e até hoje ela ainda tem a impressão do encontro de ontem com a morte, mas ela concordou em descrever brevemente o que aconteceu.

No início da conversa, ela observa que está muito orgulhosa de todos os seus colegas que se ofereceram como voluntários para ajudar as vítimas do terremoto e inspecionar profissionalmente casas e edifícios danificados o mais rápido possível.

– Olhamos atentamente para aquela casa antes de entrar, tomamos cuidado para não sermos perigosos. Até brincamos um com o outro para facilitar as coisas para nós. Mas então ele estremeceu, lembra o comissário.

– Lembro que estávamos completamente sóbrios quando começou, todos pegamos algo perto. Quando tudo desmoronou, nós brincamos um pouco novamente para nos animar. Um colega perguntou se algo mais cairia sobre nossas cabeças, outro disse: “O que será, então tudo já caiu sobre nossas cabeças?” Isso ficou especialmente gravado na minha memória – diz ela.

Ele observa que eles foram resgatados rapidamente dos escombros.

Ficamos sob os escombros por cerca de meia hora.

Vladimir Ževrnja diz que “era feio”.

– Pensamos no início do terremoto que fosse um ‘tremor secundário’, que passaria rápido, mas então aquele lixo sacudiu tudo e não desistiu – começa sua história Ževrnja.

– Ficamos meia hora presos sob os escombros. Tínhamos telefones celulares e tentamos ligar para as pessoas, mas as conexões não funcionavam. No final, ajudou que estávamos gritando da casa desabada, então eles nos ouviram na rua, e então começou o resgate, que foi rápido e eficiente, lembra o arquiteto Ževrnja.

– Primeiro apareceram os montanhistas, 5-6 deles, e logo os bombeiros. Eles começaram a retirar todo o material que estava sobre a gente, que nos prendeu, foram muito rápidos. Também trouxeram uma serra elétrica para cortar as vigas que precisavam se mover. Primeiro, eles levaram nós três para sair, e então o avô, cuja casa era, ficou preso sob nós, Ževrnja diz.

Ele diz que todos foram rapidamente examinados clinicamente.

– Tive um corte na testa, então foi consertado na hora. Hoje, minhas costas dói mais, assim como minha perna esquerda, a cabeça é o menor problema, diz Ževrnja.

Não houve pânico

Este arquiteto lembra que não houve pânico entre os três companheiros capturados.

– Todo o sótão caiu sobre nós. Mas não tivemos tempo para entrar em pânico, você não tem escolha a não ser ficar calmo se quiser sair. Nós até brincamos um pouco um com o outro. As emoções vêm depois, o medo e o pânico, quando tudo acaba, lembra Zevrnja.

Ele postou tudo isso no Facebook, junto com fotos de Petrinja.

Siga-nos por meio de aplicativos iOS e Android

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *