Esta é a melhor temporada de “The Crown”? – observador

Diana e Thatcher forçam a própria Rainha Elizabeth II a dividir o papel principal, não apenas na série, mas na vida real. Basta notar que levamos quatro parágrafos deste artigo para chegar até ele, a figura indiscutível e indiscutível do arco até agora. De repente, é uma série sobre três mulheres. Isso significa que “The Crown” é uma série sobre feminismo nesta temporada? Não exatamente: é uma série sobre o poder feminino, mas entre mulheres que se desprezam. Cada um com a sua cosmovisão diferente das outras, marcada pela confusão, incompreensão e conflito. Uma Diana que quer fazer parte, mas ainda é um baluarte da modernidade entre os moldes; uma primeira-ministra conservadora que pode até ter quebrado o teto de vidro do machismo, mas muitas vezes é misógina; e uma rainha que é sinônimo de sistema e manutenção de o status quo.

É, de fato, essa temporada que cortamos de uma vez por todas com a frágil rainha interpretada por Claire Foy nas primeiras temporadas (aqui com um breve retorno no oitavo episódio) e nos deparamos com uma matriarca com algum problema de empatia, fato distante e até um pouco cruel durante décadas de reinado. Tendo tanto para lutar contra sua fraqueza, ele começou a odiar as fraquezas dos outros. A linha entre sua aparência e o que ela realmente é se turvou, seu lado humano é mais estranho, que, quando ela aparece, às vezes é mesquinho (veja como tratar Thatcher quando ele a convida para sua casa de campo ou Inveja de Diana pela forma como ela é recebida em uma visita oficial à Austrália)

[veja aqui mais imagens da nova temporada:]

Coube à atriz Olivia Coleman, aqui em sua segunda temporada, nos impedir de simpatizar com Elizabeth II. Este é, aliás, o temporada de “A Coroa” da qual os membros da Casa Real se saem mais mal, finalmente quebrando aquele vidro envolvente e frágil de “eles são a Família Real, mas talvez eles também sejam humanos como nós”. Não são. Eles habitam uma bolha de privilégios que os torna indiferentes e orgulhosamente inacessíveis e até mesmo condescendentes. Eles são a Velha Guarda em um mundo que já está começando a clamar pelo Nova.

Às três protagonistas acima mencionadas, é necessário acrescentar uma quarta, que, apesar de ter relativamente poucas cenas, é uma presença constante, como um refúgio: Camilla Parker Bowles. Cabe a esta temporada contar uma das mais famosas histórias de amor do século 20, mas esta série não nos deixa ir por engano: o amor avassalador e eterno é entre Camilla e Carlos. Diana foi um peão nesse jogo de xadrez, um peão que acabou atrapalhando o caminho de mostrar potencial para ser uma peça mais importante até que seus jogadores.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *