Estudo prevê que o coronavírus se espalhe mais que os exames iniciais

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Federal do Rio (UFRJ) e da Universidade de Brasília (UnB) afirmam que o novo coronavírus está se espalhando mais rapidamente do que o esperado e, portanto, acreditam que a quantidade infectados pode ser maior que as projeções iniciais.

O Ministério da Saúde anunciou na quarta-feira 25 que o Brasil já tem 57 mortes causadas pelo novo coronavírus e 2.433 casos confirmados. Na terça-feira, a pasta registrou 46 mortes e 2.201 casos confirmados, mostrando um aumento de 24% nas mortes e um aumento de 10% nos casos oficiais da noite para o dia.

Segundo a nota técnica assinada por Afrânio Kritski (UFRJ), Guilherme Werneck (UFRJ), Rafael Galliez (UFRJ), Roberto Medronho (UFRJ), São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília são as cidades que funcionam como polo de disseminação para outras regiões. , Mauro Sanchez (UnB), Ivan Zimmermann (UnB) e Domingos Alves (USP). Eles também afirmam que os níveis de infecção pioram à medida que a transmissão sustentada continua e atinge as regiões mais vulneráveis ​​do país.

Para romper esse ciclo de contaminação, eles mencionam duas alternativas: mitigação e supressão. A mitigação consiste em isolar os casos suspeitos. Mas isso não impede necessariamente a disseminação, apenas reduz o nível de demanda por atendimento médico. Portanto, somente quem realmente precisa usará o sistema de saúde. A supressão, por outro lado, consiste em isolamento social para reduzir o número de casos. É a política que a maioria dos países adotou.

O decreto de quarentena do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), entrou em vigor na terça-feira e, portanto, o comércio e os serviços não essenciais devem permanecer fechados. Apenas bares, restaurantes e cafés podem operar apenas com serviços de entrega. Segundo o governador, o estado ainda adotaria “medidas policiais” para evitar multidões, como bailes funk e outros eventos nas ruas.

Missas, serviços e outros eventos religiosos não são recomendados, mas não são proibidos. O tucano se opõe ao presidente Jair Bolsonaro, que defendia o isolamento apenas para idosos e pessoas em risco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *