“Eu sou o presidente”, diz Bolsonaro sobre o discurso de Mourão em defesa do isolamento.

“Eu sou o presidente”, reagiu Jair Bolsonaro na declaração de seu vice, Hamilton Mourão, sobre o isolamento social durante a nova pandemia de coronavírus. Ontem, depois que Bolsonaro assumiu uma posição nacional contra medidas de quarentena, Mourão declarou que a posição do governo de combater a pandemia dos 19-secretos “é uma” e continua a ser o isolamento e a distância entre as pessoas.

Apesar de desaprovar Mourão, Bolsonaro elogiou o deputado durante uma conversa com jornalistas. “Eu sou o presidente, ei. Eu sou o presidente, os ministros seguem minhas ordens. E o Mourão ajudou muito, colaborou, deu opiniões, ele é uma pessoa que está do meu lado lá. É sua reserva, se eu fizer as malas lá, você terá que engolir Mourão. Ele é uma boa pessoa, você pode ter certeza ”, declarou.

Bolsonaro afirmou que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já aceitou a mudança de formato do isolamento horizontal para o vertical, mas ainda está estudando como implementar a medida. No Ministério da Saúde, a implementação da medida é considerada algo que depende da realização de testes rápidos em larga escala no país, possibilitando verificar quem tem a doença e quem é livre para realizar outras atividades.

O modelo vertical defendido pelo presidente considera isolamento apenas para pessoas em risco, idosos e pessoas com doenças crônicas. Bolsonaro disse que não há prazo para que a transição ocorra e que pode até começar amanhã.

Bolsonaro disse novamente quinta-feira que “alguns governadores e prefeitos estavam errados na dose” das medidas de contenção, que incluíam o fechamento de lojas e escolas, e que “as pessoas querem trabalhar”. Segundo Bolsonaro, alguns governadores já reavaliaram as medidas restritivas.

“Podemos lidar com dois ou três meses com o plano que existe? Não sei quanto nossas despesas chegarão, centenas de bilhões de reais. Quase tudo tem que retroceder (setores da economia). E faça campanha para ficar em casa. Não deixe o vovô sair de casa, deixe-o em um canto. Quando ele volta, toma banho, lava as mãos e esfrega álcool na orelha. Isso é tudo “, declarou ele.

Em relação à situação crítica em países como Estados Unidos e Itália, Bolsonaro considera que o Brasil não alcançará a mesma magnitude de contaminação e morte, porque os brasileiros têm algum tipo de diferenciação, mas sem apresentar motivos. “Acho que não chegará a esse ponto, porque o brasileiro precisa ser estudado, ele não recebe nada. Olhe para o cara que pula no esgoto, sai, mergulha e nada acontece. “

Bolsonaro disse que muitas pessoas no Brasil devem ter sido infectadas com o covid-19 nas últimas semanas, mas não mostraram sintomas e agora têm imunidade, incluindo ele. Ainda assim, o presidente disse que não mostraria os testes que ele fez para a doença que ele disse serem negativos para a doença. “Minha palavra vale mais que um pedaço de papel”, ele reagiu.

Até agora, mais de 20 pessoas que viajaram com Bolsonaro para os Estados Unidos deram positivo. Nesta semana, um funcionário do Palácio do Planalto, que trabalha pela segurança do presidente, foi internado em Brasília. Para o presidente, no entanto, a internação ocorreu devido a outras condições de saúde.

Apesar das milhares de mortes em países como Itália (mais de 8.000), Estados Unidos (mais de 1.000), Espanha (mais de 4.000) e China (mais de 3.000), Bolsonaro disse que “as pessoas foram enganadas” sobre o a gravidade da infecção e a previsão de milhares de mortes não foram confirmadas.

Bolsonaro também está apostando no uso da hidroxicloroquina como forma de curar infecções, embora ainda não haja evidências científicas de eficácia. “Até agora, das pessoas de quem estou falando, é 100% da eficácia que não está sendo notada, 100%”, disse ele anteriormente, a droga foi mostrada durante uma reunião com os líderes do G20.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *