EUA e Rússia estendem novo pacto START após telefonema de Biden e Putin | Notícias de Joe Biden

A Rússia e os Estados Unidos concordaram em estender o tratado de controle de armas nucleares New START, disse o Kremlin na terça-feira, uma medida que preserva o último pacto considerável do gênero entre as duas maiores potências nucleares do mundo.

O tratado, que deveria expirar em 5 de fevereiro, limita o número de ogivas nucleares estratégicas, mísseis e bombardeiros que a Rússia e os Estados Unidos podem usar.

O Kremlin declarou o avanço, amplamente esperado, em um comunicado anunciando que o presidente Vladimir Putin e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, falaram pela primeira vez desde que Biden assumiu o cargo na semana passada.

Moscou e Washington não chegaram a um acordo sobre uma extensão do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cujo governo queria colocar condições para uma renovação que Moscou rejeitou.

O Kremlin disse que os dois líderes “expressaram sua satisfação” com a troca de notas diplomáticas entre os dois países na terça-feira para confirmar que o acordo será estendido.

“Nos próximos dias, as partes concluirão os trâmites necessários para garantir o maior funcionamento desse importante instrumento jurídico internacional para o controle de armas nucleares”, disse o Kremlin.

Imediatamente após a ligação, Putin apresentou um projeto de lei sobre a extensão do tratado ao parlamento russo.

A extensão do pacto não requer aprovação do Congresso nos Estados Unidos, mas os legisladores russos devem ratificar a medida. Membros do alto escalão do parlamento controlado pelo Kremlin disseram que acelerariam a questão e aprovariam a extensão na quarta-feira.

“As duas câmaras do parlamento não perderão um minuto para estender o tratado”, disse Konstantin Kosachev, chefe do comitê de relações exteriores da câmara alta do parlamento.

Assinado em 2010, o Novo START ou Tratado de Redução de Armas Estratégicas é amplamente considerado como a pedra angular do controle global de armas. Limita cada país a não mais do que 1.550 ogivas nucleares implantadas e 700 mísseis e bombardeiros implantados e prevê extensas inspeções no local para verificar o cumprimento.

A Casa Branca disse na semana passada que Biden buscaria uma prorrogação de cinco anos para o New START, algo que o embaixador do desarmamento dos EUA, Robert Wood, disse ser apenas o começo dos esforços para envolver Moscou. “Esta extensão faz ainda mais sentido quando o relacionamento com a Rússia não está em um bom estágio”, disse Wood à Conferência sobre Desarmamento em Genebra, na terça-feira.

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas em Genebra, Gennady Gatilov, disse na terça-feira que a extensão do pacto daria a Moscou e Washington mais tempo para trabalharem juntos em outras questões de segurança internacional.

O Kremlin disse no mesmo comunicado que Putin disse a Biden que a normalização das relações entre Moscou e Washington seria do interesse de ambos os países. Ele disse que os dois líderes também discutiram a decisão dos Estados Unidos, durante o governo Trump, de sair do tratado de Céus Abertos, assim como o programa nuclear do Irã e o conflito na Ucrânia.

A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki disse a repórteres que Biden também levantou o acordo com a Rússia com o crítico do Kremlin, Alexey Navalny, que foi evacuado para a Alemanha após ser exposto ao agente nervoso da era soviética Novichok na Sibéria.

O líder da oposição russa foi preso após seu retorno a Moscou na semana passada, e a polícia prendeu milhares de seus apoiadores, que tomaram as ruas de todo o país no sábado. O Departamento de Estado dos EUA condenou as prisões no início desta semana, levando o Ministério das Relações Exteriores da Rússia a acusar os Estados Unidos de “intromissão” em seus assuntos internos.

Psaki disse que Biden também expressou “forte apoio à soberania da Ucrânia” e levantou “outras questões preocupantes”, incluindo o chamado ataque SolarWinds contra agências americanas, relatos no ano passado de que a Rússia concedeu recompensas a soldados americanos no Afeganistão e à intromissão russa em 2020. eleição.

“Sua intenção também era deixar claro que os Estados Unidos agirão com firmeza na defesa de nossos interesses nacionais em resposta às ações malignas da Rússia”, disse Psaki.

Biden falou com Putin logo depois de falar por telefone com o Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg.

Trump havia sido um crítico franco da OTAN durante seu mandato, em um ponto alegadamente considerando deixar a aliança, argumentando que os Estados Unidos estavam pagando caro demais em suas contribuições diretas para a aliança militar.

Na ligação de terça-feira, Biden procurou reparar as tensas relações entre os Estados Unidos e a Europa, enfatizando que Washington respeitaria o pacto de defesa mútua do tratado da Otan, disse a Casa Branca em um comunicado.

“O presidente Biden reafirmou o compromisso dos Estados Unidos com a defesa coletiva nos termos do Artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte e ressaltou seu compromisso com o fortalecimento da segurança transatlântica”, disse o comunicado, referindo-se ao artigo que dizia que membros da OTAN verão um ataque armado contra um país membro como um ataque contra todos e tomará uma ação coletiva.

O telefonema de Biden com Stoltenberg veio um dia depois de ele falar com a chanceler alemã, Angela Merkel.

“O presidente agradeceu ao [NATO] Secretário-Geral por sua forte liderança da aliança e expressou sua intenção de consultar e trabalhar com aliados em toda a gama de preocupações de segurança compartilhadas, incluindo Afeganistão, Iraque e Rússia ”, disse o comunicado da Casa Branca.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *