EXCLUSIVO Brasil convida pela primeira vez a UE a observar suas eleições nacionais

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro participam de evento com membros e apoiadores do Partido Liberal enquanto Bolsonaro apresenta sua candidatura para as próximas eleições presidenciais, em Brasília, Brasil, 27 de março de 2022. REUTERS/Andressa Anholete

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

BRASÍLIA, 11 Abr (Reuters) – A principal autoridade eleitoral do Brasil, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), disse à Reuters nesta segunda-feira que convidou a União Europeia pela primeira vez para observar as eleições gerais deste ano, quando o presidente Jair Bolsonaro buscará retorno – escolha.

Bolsonaro questionou a validade do sistema de votação eletrônica do Brasil e fez acusações infundadas de fraude na corrida de 2018, levantando preocupações de que ele pode não aceitar os resultados das eleições de outubro.

Pesquisas de opinião recentes mostram que o presidente de extrema-direita está muito atrás do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

O vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, responsável pela política externa da UE, respondeu no mês passado agradecendo ao TSE pelo convite, dizendo que precisava consultar os 27 estados membros do bloco e o Parlamento Europeu, disse ele à Reuters. .

Essa fonte e outra, que pediu anonimato para discutir as deliberações diplomáticas, disseram que a UE planeja enviar uma missão ao Brasil em maio para avaliar a viabilidade de ser observador oficial nas eleições gerais de outubro.

A embaixada da UE em Brasília se recusou a comentar. O gabinete de Bolsonaro não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O TSE disse à Reuters que convidou outros grupos e instituições internacionais para montar missões de observação eleitoral, incluindo a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Carter Center, o parlamento do bloco comercial sul-americano Mercosul e a Fundação Internacional para o Desenvolvimento Eleitoral. , com sede em Washington. Sistemas (IFES). A autoridade eleitoral disse que os convites ainda estão sendo negociados.

“A OEA já foi convidada antes para observar as eleições de 2018 e 2020. Este ano estamos convidando outras instituições”, disse uma fonte do TSE, que pediu anonimato para falar livremente.

Bolsonaro renovou recentemente seus ataques ao sistema eleitoral brasileiro, dizendo que está aberto à manipulação e exigindo a adoção de cédulas de papel. Ele questionou a independência do TSE, cujos principais membros são ministros do Supremo Tribunal Federal que questionaram seus ataques ao sistema de votação eletrônica do Brasil.

No ano passado, quando os apoiadores do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, invadiram o Capitólio tentando derrubar a vitória eleitoral do atual presidente Joe Biden, o admirador de Trump, Bolsonaro, disse sem fornecer evidências nas mídias sociais que havia muitos relatórios de fraude eleitoral nos Estados Unidos.

Suas críticas ao sistema eleitoral brasileiro e seus laços estreitos com os militares têm preocupado os eleitores de que ele possa copiar a recusa de Trump em aceitar a derrota.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem de Anthony Boadle e Ricardo Brito Edição de Brad Haynes e David Gregorio

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.