EXCLUSIVO: EUA visam punir os desmatadores do Brasil, acrescentando força à luta contra as mudanças climáticas

RIO DE JANEIRO, 23 de novembro (Reuters) – Os Estados Unidos estão tentando reprimir os criminosos ambientais por trás do aumento do desmatamento na Amazônia brasileira, usando penalidades como as sanções de Magnitsky para enfrentar as mudanças climáticas de forma mais agressiva, disseram à Reuters fontes e autoridades americanas.

O plano representa uma grande mudança na estratégia de Washington para combater o aquecimento global, adicionando sanções diretas ao seu kit de ferramentas de incentivos fiscais, cutucadas diplomáticas e acordos multilaterais complexos e demorados.

O desmatamento no Brasil atingiu uma alta de 15 anos sob o presidente Jair Bolsonaro, que revogou as proteções ambientais e pressionou por mais mineração e agricultura comercial na Amazônia, um amortecedor crucial contra as mudanças climáticas.

O presidente eleito de esquerda, Luiz Inácio Lula da Silva, assumirá o cargo em 1º de janeiro e já prometeu acabar com o desmatamento na cúpula do clima COP27 no Egito na semana passada. Dentro conversas com autoridades americanasLula e seus aliados têm enfatizado seu foco na luta contra as mudanças climáticas.

No entanto, ainda há dúvidas sobre como ele vê o plano, que está em seus estágios iniciais. Lula acredita que Washington ajudou os promotores brasileiros a prendê-lo por acusações de corrupção e muitas vezes se irritou com o longo braço da polícia americana.

As sanções de Magnitsky visam punir os acusados ​​de corrupção ou permitir abusos dos direitos humanos. Eles congelariam quaisquer ativos dos EUA e impediriam todos os americanos e empresas dos EUA de negociar com indivíduos ou entidades sancionados.

O Departamento do Tesouro dos EUA, responsável pelas sanções de Magnitsky, se recusou a comentar. Nem o gabinete de Bolsonaro nem o Ministério da Justiça brasileiro responderam aos pedidos de comentários. A equipe de transição de Lula não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O plano dos EUA começou a tomar forma em junho, na Cúpula das Américas em Los Angeles, quando Estados Unidos e Brasil anunciaram um grupo de trabalho conjunto para combater o desmatamento ilegal na floresta amazônica, disse uma fonte dos EUA que trabalha no plano.

Entre os objetivos da força-tarefa está “desencorajar o uso do sistema financeiro internacional em associação com atividades ilegais envolvendo produtos florestais”, segundo comunicado do Departamento de Estado dos EUA na época.

Em termos mais precisos, uma outra autoridade dos EUA com conhecimento do plano disse à Reuters que Washington busca penalizar os principais desmatadores e perpetradores de outros crimes ambientais, como a mineração ilegal de ouro.

As autoridades americanas no Brasil e nos Estados Unidos já iniciaram o processo de identificação e investigação de alvos específicos, disse a fonte, com possíveis punições que vão desde a lista negra de vistos até as sanções globais de Magnitsky.

Não está claro quando ou se os Estados Unidos poderiam sancionar alvos específicos, pois as investigações podem levar tempo.

Alvejar criminosos ambientais com sanções globais de Magnitsky é incomum, mas não sem precedentes.

Em 2019, o Tesouro designou Try Pheap, um magnata cambojano e funcionário do partido governante, por construir um consórcio de extração ilegal de madeira em grande escala em conluio com autoridades.

O Departamento do Tesouro está trabalhando no plano com o Escritório de Assuntos Econômicos e Comerciais do Departamento de Estado e o Escritório de Oceanos e Assuntos Científicos e Ambientais Internacionais, disse a fonte.

En una visita a Brasil en agosto, Brian Nelson, subsecretario de terrorismo e inteligencia financiera del Tesoro, dijo que la reunión de la Cumbre de las Américas de junio resultó en conversaciones posteriores con Brasil sobre cómo “manejar el desafío que todos enfrentamos en torno al mudança climática”. “

“Certamente, os crimes ambientais são uma característica importante do nosso ponto de vista”, disse Nelson em uma reunião com repórteres, mencionando “o desmatamento da Amazônia”.

Durante sua visita de agosto, Nelson também se reuniu com grupos da sociedade civil em São Paulo para discutir o crime ambiental “e sua ligação com o crime organizado e a corrupção pública”, de acordo com um comunicado do Tesouro na época.

Reportagem de Gabriel Stargardter e Brad Haynes; Editado por Christian Plumb e Lisa Shumaker

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.