Explicado: Quem foi Ruhollah Zam e por que ele foi executado pelo Irã?

Escrito por Rahel philipose
, Editado por Explained Desk | Basco |

Atualizado: 18 de dezembro de 2020 14h52:06


Ruhollah Zam, um jornalista dissidente que foi capturado no que Teerã chama de operação de inteligência, fala durante seu julgamento em Teerã, Irã, em 2 de junho de 2020. Foto tirada em 2 de junho de 2020. (Mizan News Agency / Agência de Notícias da Ásia Ocidental)

Dissidente iraniano e jornalista Ruhollah Zam foi executado Na madrugada de sábado, por seu papel no desencadeamento de protestos antigovernamentais em todo o país em 2017, informou a televisão estatal iraniana. A execução de Zam ocorre quatro dias depois que a Suprema Corte iraniana manteve sua sentença de morte, apesar de enfrentar uma condenação generalizada.

No início deste ano, um tribunal condenou Zam à morte depois que ele foi considerado culpado de “corrupção in loco”, uma acusação frequentemente invocada em casos que envolvem espionagem ou uma tentativa de derrubar o governo iraniano.

Quem é Ruhollah Zam?

Ruhollah Zam era um ativista e jornalista iraniano mais conhecido por dirigir um site de notícias da oposição online chamado AmadNews, bem como um canal próspero no aplicativo de mensagens Telegram, onde acumulou mais de um milhão de seguidores.

Ele é filho de um clérigo reformista xiita chamado Mohammad Ali Zam, que ocupou um cargo político no governo na década de 1980, segundo a AP. Em carta publicada pela mídia local em julho de 2017, seu pai disse que não apoiava o jornalismo do filho e as mensagens que ele enviava pelo Telegram.

Qual foi o papel de Zam nos protestos antigovernamentais de 2017?

O site Zam e o feed do Telegram desempenharam um papel central nos protestos antigovernamentais que eclodiram no Irã em 2017 em resposta a uma economia em crise, inflação em alta e uma falta geral de oportunidade para milhares de cidadãos do país. Cerca de 5.000 pessoas foram presas e até 25 foram mortas nas manifestações daquele ano.

Os protestos de 2017 se tornaram o maior desafio político enfrentado pelo presidente iraniano Hassan Rouhani e até mesmo pelo líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, desde os protestos pró-democracia do Movimento Verde que varreram o país em 2009. 📣 Follow Express explicado no Telegram

Informações sobre os horários e locais dos protestos, bem como conteúdo incendiário sobre a liderança do Irã, eram constantemente compartilhados no serviço de notícias Telegram de Zam. A certa altura, o Telegram até fechou seu canal depois que o governo iraniano reclamou que o jornalista estava ensinando seus seguidores a fazer bombas de gasolina, uma acusação que Zam negou.

Porém, pouco tempo depois, o canal foi lançado novamente com um novo nome. Mas Zam já tinha um alvo nas costas por desafiar a teocracia xiita do Irã.

Em outubro de 2019, o Corpo da Guarda Revolucionária do Irã anunciou que havia prendido Zam. Mas os detalhes de sua prisão não são claros, já que ele recebeu asilo político na França e vive lá desde que foi preso no Irã após uma disputada eleição presidencial em 2009.

Por que Ruhollah Zam foi executado?

Meses depois de ser preso em circunstâncias misteriosas, Zam foi considerado culpado de “corrupção na Terra” e condenado à morte em julho deste ano. No início desta semana, a Suprema Corte do país manteve a sentença de morte.

Zam foi acusado de destruir propriedades, interferir no sistema econômico do Irã, conspirar com os Estados Unidos e espionar em nome da inteligência francesa, informou a Al Jazeera. As autoridades alegaram que o jornalista mantinha contato próximo com agentes da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) e vários outros serviços de inteligência estrangeiros.

“Este indivíduo cometeu atos criminosos e corruptos contra a segurança e a subsistência do povo iraniano por meio da execução do canal antagonista AmadNews Telegram e da comunicação de espionagem com elementos vinculados a serviços estrangeiros que vão contra a segurança do povo iraniano “, dizia um artigo no Mizan, o site oficial de notícias do judiciário iraniano.

O crime de “espalhar a corrupção na Terra” ou “Mofsed fel-Arz” é uma acusação vaga que o Estado Islâmico costuma fazer contra aqueles que se opõem a ele. De acordo com o código penal iraniano, a punição para crimes que envolvam violação da segurança nacional ou disseminação de mentiras é de no máximo 10 anos de prisão. Mas de acordo com o artigo 286 do código penal do país, uma pessoa que divulga mentiras ou viola a segurança nacional em “grande escala” pode ser executada.

No entanto, não foram estabelecidos critérios para definir o que seria considerado crime cometido em “grande escala”.

Qual foi a resposta à execução de Zam?

Vários ativistas e grupos de defesa em todo o mundo condenaram a execução de Zam. De acordo com o Repórteres Sem Fronteiras, o Irã tem sido “um dos países mais repressivos do mundo para jornalistas nos últimos 40 anos”. Pelo menos 860 jornalistas foram presos ou executados no país desde 1979.

“A RSF está indignada com este novo crime da justiça iraniana”, tuitou a organização, culpando o líder supremo do país, Khamenei, pela execução de Zam.

De acordo com um relatório da Reuters, a França e vários grupos de direitos humanos condenaram a decisão da Suprema Corte de manter a pena de morte.

📣 O Indian Express está agora no Telegram. Dar um click aqui para se juntar ao nosso canal (@indianexpress) e fique por dentro das últimas manchetes

Para as últimas Notícias explicadas, baixar Aplicativo Indian Express.

© IE Online Media Services Pvt Ltd

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *