Explicamos toda a ciência que você não entendeu no Dark – 07/01/2020

Explicamos toda a ciência que você não entendeu no Dark - 07/01/2020

Mais do que uma ficção científica, a série de televisão “Sombrio, que lançou sua terceira e última temporada na Netflix no sábado (27), não é apenas uma reflexão sobre a natureza do tempo e do livre arbítrio, mas também outros trabalhos para lidar com as viagens no tempo. Essas viagens seriam até possíveis, mas há paradoxos na trama que os tornam impossíveis.

A história, que trata de três casos de jovens desaparecidos na pequena cidade de Winden, na Alemanha: de volta ao passado, mas com isso você também deve mudar seu presente e futuro. Mas até que ponto é realmente possível obter mudanças, se o passado e o presente do seu ser atual é o que o levou a se tornar a pessoa que viajou no tempo?

Para ajudar você a entender toda a complexidade da série, Inclinação separou alguns conceitos-chave que se destacaram durante as três temporadas.

Aviso: este artigo contém spoilers.

A icônica caverna escura

Imagem: Reprodução / Instagram

A base teórica para a viagem no tempo.

A primeira cena da primeira temporada de “Dark” traz uma citação de Albert Einstein:

A diferença entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão persistente

A frase, tirada de uma carta que ele escreveu em 1955 para confortar a viúva de seu melhor amigo, refere-se ao conceito de espaço-tempo em sua Teoria da Relatividade Geral.

“Representa uma visão da filosofia da física conhecida como ‘eternismo’, ou seja, a idéia de que não há diferença ontológica entre o passado, o presente e o futuro. Agora estou em São Paulo, mas um local na Islândia tem o mesmo status, aspecto ontológico do local onde estou “, explica Osvaldo Pessoa Jr., professor de Filosofia da Ciência da USP.

Desse ponto de vista, a idéia clássica de que o espaço é uma espécie de caixa enorme onde as coisas acontecem e o tempo passa é abandonada. A pintura agora parece um espaço-tempo, e o tempo se torna outra dimensão da pintura. Assim, a realidade se torna uma coisa quadridimensional.

Seguindo a idéia, podemos aceitar que todos os pontos no espaço existam o tempo todo. Em outras palavras, o lugar em que você está agora existe neste momento, como existia há cinco anos e daqui a dez anos, então também é aceitável que todos os momentos existam em todos os pontos do espaço.

Portanto, como o passado e o futuro estão “aqui”, em teoria deve ser possível acessá-los com a tecnologia certa. “São Paulo em 2020 e São Paulo em 3020 são apenas pontos diferentes dentro da mesma caixa quadridimensional, e não há razão para que não seja possível traçar uma rota ligando esses pontos”, diz ele. escritor de ficção científica e jornalista científico Carlos Orsi.

A relatividade geral aponta para uma maneira de fazer isso. Segundo essa teoria, o espaço-tempo é maleável e pode ser deformado ou “dobrado” pela presença de massa. A gravidade, por exemplo, é um efeito dessa curvatura causada pela massa do nosso planeta.

Na vastidão do universo, existem muitas dessas dobras, permitindo aos teóricos conceber os chamados buracos de minhoca – “atalhos” para viajar pelo espaço-tempo, como o que existe em “Escuro” na região de as cavernas.

Jonas na terceira temporada de 'Dark' da Netflix - Tilt - Reprodução / Instagram - Reprodução / Instagram

Jonas na terceira temporada de ‘Dark’ da Netflix

Imagem: Reprodução / Instagram

A circularidade do tempo e a liberdade de escolha.

Mesmo no primeiro episódio, “Dark” apresenta a idéia da circularidade do tempo (que, quero dizer, nunca foi defendida por Einstein): em vez de passado, presente e futuro, se eles acontecem linearmente, eles se conectam em um círculo infinito , como o símbolo da cobra comendo seu próprio rabo que aparece em momentos diferentes da série.

Para alguns teóricos, esse conceito não é tão estranho. “A divisão do passado, presente e futuro é bastante artificial”, diz Rodrigo Petrônio, escritor, filósofo e professor da FAAP. “Primeiro, porque tem a ver com o modo narrativo de organização que temos do universo com base na linearidade da vida dos seres vivos. Eles nascem, crescem e morrem. Mas não podemos transpor essa lógica dos seres finitos para um universo infinito”. .

O professor lembra que ainda temos uma visão muito limitada do universo. “Muitos eventos cósmicos que aconteceram bilhões de anos atrás ainda reverberam agora. Esse passado ainda está aqui, assim como várias combinações de linhas causais do futuro, que podem surgir em 10 ou 1 milhão de anos”, completa Rodrigo.

Como Professor H.G. Tannhaus em “Dark”, “o que sabemos é uma gota e o que não sabemos é um oceano”.

Mas tudo levanta uma questão fundamental. Se o passado, o presente e o futuro já existem e se repetem eternamente, como é o livre-arbítrio? Quando voltamos ao passado, temos algum poder real sobre isso?

Na série Netflix, os personagens tentam evitar perder as pessoas que amam. Mas é exatamente isso que acaba gerando o que eles estavam tentando evitar. Na segunda temporada, Jonas retorna à noite em que seu pai teria cometido suicídio e, na tentativa de convencê-lo a não fazê-lo, revela que ele veio do futuro. Michael está intrigado, e é esse encontro que o motiva a tomar essa decisão.

A concepção circular do tempo está associada ao “eterno retorno” de Friedrich Nietzsche, o filósofo que abre a segunda temporada. É a ideia de que todos os eventos no mundo são repetidos na mesma sequência por uma eterna série de ciclos. Essa visão, como você pode imaginar, exclui a liberdade de escolha.

“Nietzsche era um crítico vigoroso da idéia do livre arbítrio”, explica Scarlett Marton, professora de filosofia contemporânea da USP e uma das maiores especialistas brasileiras no trabalho filosófico.

O livre-arbítrio também pode ser questionado a partir da perspectiva global do espaço-tempo, segundo a qual todos os fatos já aconteceram e estão acontecendo. Portanto, mesmo eventuais viagens temporárias já seriam “planejadas” no esquema geral e nada mudariam, mesmo que fossem viagens para o passado.

Tilt - Martha na terceira temporada de 'Dark' da Netflix - Play / Instagram - Play / Instagram

Martha na terceira temporada de ‘Dark’ da Netflix

Imagem: Reprodução / Instagram

Paradoxos e múltiplos universos

Mas esse emaranhado entre passado, presente e futuro gera situações incomuns. Quando ele desapareceu na caverna, o personagem Mikkel Nielsen foi preso em 1986. Lá, ele foi adotado por uma enfermeira, adquiriu um novo nome – Michael -, cresceu, se casou e teve um filho: Jonas Kahnwald. O mesmo Jonas que estava com Mikkel quando ele desapareceu na caverna.

Mais tarde, descobrimos que outra versão de Jonas apareceu naquele momento e levamos o menino a entrar lá, causando as condições necessárias para seu próprio nascimento, mais tarde. Ou seja, a existência de Jonas depende de Michael, que depende de Jonas, em um loop infinito conhecido como paradoxo de inicialização.

Segundo Orsi, esses paradoxos são causados ​​pelas chamadas “curvas apertadas no espaço-tempo”, quando uma trajetória começa e termina no mesmo lugar-momento. “Há quem use a idéia de paradoxos para defender que a viagem no tempo é impossível, porque isso causaria a quebra de princípios como causa e efeito. E há quem use paradoxos para defender a idéia de que conceitos como causa e efeito não são fundamentais e absoluto “, acrescenta.

Para lidar com esses paradoxos, a terceira temporada de “Dark” traz uma boa idéia, desta vez retirada da física quântica: os múltiplos universos.

No final da segunda temporada, Jonas é salvo do apocalipse por uma Martha Nielsen de outro universo. Na nova temporada, a história se passa neste mundo alternativo no qual Mikkel não viaja no tempo e, portanto, não se torna o pai de Jonas, que, então, nunca nasceu. Mas neste universo, é Martha quem veste a jaqueta amarela e que, no futuro, se torna o líder de uma sociedade secreta de viajantes do tempo.

Isso implica emaranhamento quântico, baseado em um conceito de mecânica quântica que assume que as partículas subatômicas podem estar em mais de um local ao mesmo tempo. Portanto, uma partícula em seu corpo também pode estar a bilhões de anos-luz de distância simultaneamente, indicando que ela também pode existir em outros lugares.

Em “Dark”, isso é explorado por Tannhaus no penúltimo episódio da série. Lá, ele fala sobre o experimento mental de gato de Schrödinger, no qual haveria um momento em que um gato em uma caixa com partículas radioativas estaria vivo e morto ao mesmo tempo.

As duas realidades existiriam até a observação forçar os átomos a um estado definitivo. Mas, de acordo com várias teorias do universo, isso não termina aí. Ao abrir a caixa, você criaria um universo paralelo no qual, na mesma situação, encontraria um resultado oposto.

Mas, ao contrário do que a série sugere, não há necessidade de catástrofe ou emaranhamento para isso: os universos se abrem sempre que duas situações diferentes são possíveis. Além disso, para a ciência, essa é uma teoria restrita ao mundo subatômico.

No entanto, do ponto de vista filosófico, a criação de uma linha do tempo alternativa é uma boa maneira de lidar com a bagunça causada pela viagem no tempo.

“Sob o paradigma atual da ciência, não é possível viajar para o passado e mudar eventos passados. Mas uma ‘linha do tempo alternativa’, mais conhecida na filosofia como ‘mundo contrafactual’, pode se ramificar do mundo ‘atual’ ‘(ie , em que nos encontramos, com toda a sua história passada), de diferentes momentos no tempo “, explica Pessoa Jr.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *